PROMOÇÃO DA SAÚDE MATERNA A PARTIR DO VIVIDO DO PARTO DE MULHERES CARDIOPATAS

Thaís Vasconselos Amorim, Ívis Emília de Oliveira Souza, Anna Maria de Oliveira Salimena, Ana Luiza de Oliveira Carvalho, Lúcia de Fátima da Silva, Tassiane Ferreira Langendorf

Resumo


Objetivou compreender os significados do processo parturitivo a partir da vivência do risco gestacional da mulher portadora de cardiopatia. Estudo qualitativo de abordagem fenomenológica, com coleta de dados entre julho e dezembro de 2014, em hospital para alto risco materno na Região Sudeste do Brasil. Dezessete participantes foram entrevistadas e os significados expressos analisados na perspectiva teórico-metodológica de Martin Heidegger. As mulheres significaram o medo de morrer no parto; e a preocupação com a sobrevivência do bebê, pedindo ao médico para dar prioridade em salvá-lo. Evidenciou-se o desvelamento do temor frente ao medo expresso, implicando em vulnerabilidade que cardiopatas vivenciam ao engravidarem. Isto porque, para além das possíveis complicações advindas da doença cardíaca, residem subjetividades que são apartadas do processo de cuidado em saúde, especialmente no que diz respeito à falta de diálogo e tomada de decisão unilateral acerca do tipo, momento e via de parto.


Palavras-chave


Saúde materna; Cardiopatias; Gravidez de alto risco; Parto; Enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i4.51641 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133