REDUÇÃO DE DANOS: UMA ALTERNATIVA AO FRACASSO NO COMBATE ÀS DROGAS

Marjorie Ester Maciel, Divane de Vargas

Resumo


Esse artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre o modelo de Redução de danos no uso
de drogas em contraposição ao modelo de guerra às drogas. Através de análise de textos que versam sobre o
assunto, verifica-se que a Redução de danos, embora tenha surgido no começo do século passado na Inglaterra,
só se concretizou como estratégia de saúde para usuários de drogas com o advento da epidemia de HIV/AIDS no
início da década de 80 do século passado, relacionada ao uso de drogas injetáveis, ficando suas ações focadas
na troca de seringas. No entanto, nos dias atuais ela expandiu a sua perspectiva de minimização de danos em
outras situações de uso de drogas, configurando-se como uma alternativa mais viável em face à confirmada
falência do modelo hegemônico de guerra às drogas.


Palavras-chave


Redução do dano; Drogas ilícitas; Saúde pública.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v20i1.37728 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133