REDE SOCIAL DE APOIO À MULHER NA AMAMENTAÇÃO

Giselle Carlos Santos Brandão Monte, Luciana Pedrosa Leal, Cleide Maria Pontes

Resumo


Esta revisão integrativa objetivou identificar evidências científicas sobre ações desenvolvidas pelos atores da rede social de apoio à mulher na amamentação. A amostra foi constituída por 28 estudos publicados em português, inglês e espanhol, entre 2002 e 2011, disponíveis na Cochrane e bases de dados MEDLINE, LILACS, IBECS. Estes estudos evidenciaram que a influência negativa das mães, avós e sogras, fundamentada no mito do leite fraco, a presença do companheiro na divisão das atividades domésticas, o acolhimento e as orientações dos profissionais de saúde podem determinar o início e a continuidade, ou não, da amamentação. Outros atores que poderão fazer parte desta rede não foram citados e, deste modo, o enfermeiro precisa desenvolver pesquisas para identificar essas pessoas e realizar estratégias de educação em saúde envolvendo todos os atores da rede social de apoio à mulher para a reconstrução e/ou construção de ações que deem suporte ao sucesso da amamentação.

Palavras-chave


Aleitamento materno; Apoio social; Relações familiares; Saúde da mulher.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v18i1.31321 ';



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico: 2176-9133