TIPAGEM MOLECULAR DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS ISOLADOS DE PACIENTES E MEMBROS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM*

Ana Cândida Martins Grossi Moreira, Rosiane Ribeiro Santos, João Bedendo

Resumo


Estudo quantitativo, exploratório e analítico realizado no período de março a junho de 2010, na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital paranaense com o objetivo de identificar o perfil genético das amostras de Staphylococcus aureus isoladas de pacientes e membros da equipe de enfermagem. A suscetibilidade à oxacilina foi avaliada pelo teste de determinação da concentração inibitória mínima e a técnica da reação em cadeia da polimerase foi empregada para a realização da genotipagem. Algumas associações de interesse foram verificadas utilizando teste qui-quadrado, adotando-se p ≤0,05. Dentre as 61 amostras de 46 pacientes, 44,26% tiveram grau de similaridade superior a 80%; seis amostras, pareadas duas a duas, tiveram 100% de similaridade. Dentre as 20 amostras dos 13 profissionais, 65% apresentaram similaridade superior a 80%. Observou-se a existência de cepas com perfis genéticos idênticos, ou semelhantes, contudo não é possível afirmar que houve disseminação clonal nesta unidade.

Palavras-chave


Técnicas de tipagem genética; Staphylococcus aureus; Unidades de terapia intensiva; Enfermagem; Resistência à meticilina

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v17i3.25331 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Cogitare Enfermagem. ISSN Eletrônico 2176-9133 / ISSN Impresso 1414-8536