Mais a Oeste, as pescadoras. Uma etnografia sobre os saberes ecológicos e políticos das mulheres pescadoras tradicionais e produtoras de ostra da Ponta Oeste, Ilha do Mel, Paraná.

Renata Beghetto Pacheco

Resumo


Resumo: Localizada na Ilha do Mel, Paraná, e vizinha ao Porto de Paranaguá, a Ponta Oeste é conhecida por alguns como protagonista de um conflito territorial devido a sobreposição de seu território por uma unidade de conservação integral na década de 80, pelo estado do Paraná. Portanto, falar sobre seus indivíduos é também falar sobre esse conflito territorial que se faz presente até os dias de hoje. Mediante esse panorama, o presente artigo versará sobre as mulheres pescadoras tradicionais, também conhecedoras de produção ostra e ainda líderes da comunidade da Ponta Oeste. O objetivo desse texto é pensar a experiência política e ecológica dessas mulheres frente as pressões e impacto ambientais provenientes do porto de Paranaguá e dos embargos inflingidos pelo estado do Paraná a essa coletividade.


Palavras-chave


Palavras chaves: Sobreposição de terras, Ilha do Mel, pescadoras, conflito

Texto completo:

PDF

Referências


COMUNIDADE TRADICIONAL DE PONTA OESTE, ILHA DO MEL. 2017. Protocolo de consulta, Paranaguá: Associação dos Nativos e Pescadores da Ponta Oeste. Disponível em: https://www2.mppa.mp.br/sistemas/gcsubsites/upload/94/protocolopontaoeste%20pescadores%20artesanais%20ilha%20do%20mel.pdf

DRAGAGEM DE MANUTENÇÃO. Administração Dos Portos De Paranaguá E Antonina. Disponível em: http://www.portosdoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=430. Acesso em: 28/08/2018

FUZETTI, Luciana. 2007. A pesca na Ilha do Mel (Paraná-Brasil): Pescadores, atividades e recursos pesqueiros. Dissertação de Mestrado. Curitiba, UFPR.

FRIGO, Simone, s/d.” Gênero, Ambiente e Técnica na Pesca da Tainha de Encantadas, Ilha do Mel”. Anais da VI Semana de Antropologia: Desafios da alteridade: 214 -224.

GERBER, Rose Mary. 2013 Mulheres e o mar: uma etnografia sobre pescadoras embarcadas na pesca artesanal no litoral de Santa Catarina, Brasil. Tese de doutorado. Florianópolis, UFSC.

HARAWAY, Donna. 1995. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos pagu, n. 5, p. 7-41.

HARDER, Eduardo; DE CASTRO FREITAS, Ana Elisa. 2015. Envelhecer na invisibilidade: tempo e narrativa na Ponta Oeste da Ilha do Mel, Paraná, Brasil. ILUMINURAS, v. 16, n. 40.

INGOLD, Tim. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes antropológicos, v. 18, n. 37, p. 25-44.

MALDI, Denise.2017. Pantanais, Planícies, Sertões: Uma Reflexão Antropológica Sobre Espaços Brasileiros. Boletim Paulista de Geografia, n. 71, p. 43-64.

MOURA, Ezequiel Antonio de.2016. A coroazinha da Ilha do Mel: territorialidade de uma comunidade tradicional de pescadores (as) artesanais na Ponta Oeste, Paranaguá-PR. Dissertação de Mestrado. Curitiba, UFPR.

PONTES FILHO, Almir; KLUPPEL, Cristina Carla. 2012. Parecer Técnico Ponta Oeste – Ilha do Mel. Paranaguá-PR. Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura. Disponível em: http://www.patrimoniocultural.pr.gov.br/arquivos/File/parecer_ponta_oeste.pdf. Acesso em: 03/09/2018

PIGOSSO, Ariane Maria Basilio.2012. O processo de reativação da base operacional da Techint em Pontal do Paraná: análise do processo de licenciamento ambiental. Monografia de especialização. Curitiba. UFPR.

MOURA, Ezequiel Antonio de.2016. A coroazinha da Ilha do Mel: territorialidade de uma comunidade tradicional de pescadores (as) artesanais na Ponta Oeste, Paranaguá-PR. Dissertação de Mestrado. Curitiba, UFPR.

KIM, Milena Kiatkoski, 2004. Avaliaçao da sustentabilidade do modelo de desenvolvimento vigente na Ilha do Mel, PR. Monografia de graduação. Pontal do Paraná, CEM.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v19i2.61406

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista