Ficções, “facções” e poder: olhares para a área de Educação Física a partir da obra “Divergente”

Silvia Heuer, Rodrigo Tramutolo Navarro, Jonathan Rocha de Oliveira, André Mendes Capraro

Resumo


Ao visualizar possíveis aproximações entre a produção distópica “Divergente”, de Verônica Roth, e algumas das formulações teóricas de Elias, Foucault e Gumbrecht, o presente ensaio procura lançar alguns olhares para o campo da Educação Física. Trata-se de um manuscrito construído a partir do método descritivo-analítico, de caráter interpretativo, com a utilização de fontes documentais para o embasamento teórico-filosófico das análises realizadas. O diálogo entre uma obra do gênero da literatura distópica e clássicos da literatura acadêmica possibilitaram profícuas reflexões. O ensaio aponta, de maneira análoga à literatura young-adult analisada, que o desgaste das relações entre as “facções” da Educação Física pode ser um fator desencadeador do aparecimento de produções acadêmicas e pesquisadores “divergentes”, isto é, dispostos a superar polarizações e fragmentações historicamente hegemônicas na área.

 


Palavras-chave


Educação Física; Corpo; Literatura jovem-adulto; Divergente.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jlasss.v12i1.72120