Repensando o Direito Constitucional Comparado no Brasil

Emilio Peluso Neder Meyer

Resumo


O artigo reconstrói alguns dos avanços no campo do Direito Constitucional Comparado. Recorrendo à literatura recente, ele começa com uma definição do estado da arte da temática no Brasil. Segue-se uma advertência contra o predomínio de perspectivas que privilegiem o norte global. A relação entre comparativismo e judicialização indica as razões do renascimento da disciplina por meio de uma atividade mais proeminente de juízes e tribunais. Temas de perfil metodológico, como a diferença entre análise small-Nlarge-N, metáforas adequadas, segmentação comparada e a reivindicação de transdisplinariedade, são discutidos com vistas a redirecionar o debate. O método de revisão da literatura é alargado com uma verificação de dois exemplos de uso equivocado do comparativismo: o voto da Ministra Rosa Weber no Habeas Corpus 152.752 e a discussão sobre atiradores de elite. Os resultados de pesquisa indicam a necessidade de repensar o Direito Constitucional Comparado da forma como é trabalhado no Brasil.

Palavras-chave


Direito Constitucional Comparado; comparativismo; transdisciplinariedade; judicialização; Supremo Tribunal Federal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBURQUERQUE, Ana Luiza. Defensoria vê indícios de mutilações em operação da PM que deixou 13 mortos no Rio. Folha de S. Paulo, 12 fev 2019. Disponível em < https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/02/defensoria-do-rio-ve-indicios-de-fuzilamento-em-acao-policial-que-matou-13.shtml> Acesso 18 fev 2019.

BARAK, Ahron. Proportionality: Constitutional Rights and Their Limitations. Cambridge: Cambridge University Press, 2012.

BISCARETTI DE RUFFÌA, Paolo. Introducción al derecho constitucional comparado: las “formas de Estado” y las “formas de gobierno”. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 1996.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Contribuições para uma Teoria Crítica da Constituição. Belo Horizonte: Arraes Editores, 2017.

CHOUDHRY, Sujit. How to Do Constitutional Law and Politics in South Asia. In: TUSHNET, Mark. KHOSLA, Madhav (orgs.). Unstable Constitutionalism: Law and politics in South Asia. Cambridge: Cambridge University Press.

CHOUDHRY, Sujit. Migration as a new metaphor in comparative constitutional law. In: CHOUDHRY, Sujit (org.). The Migration of Constitutional Ideas. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

BERNAL-PULIDO, Carlos. Transitional Justice within the Framework of a Permanent Constitution: The Case Study of the Legal Framework for Peace in Colombia. Cambridge J. Int'l & Comp. L., Cambridge, v. 3, n. 4, p. 1136-1163, 2014.

DANTAS, Ivo. Novo direito constitucional comparado. Curitiba: Juruá, 2010.

DORSEN, Norman. A Conversation between US Supreme Court Justices. International Journal of Constitutional Law, Oxford, v. 3, n. 4, p. 519-541, 2005.

DUTRA, Deo Campos. VIEIRA, José Ribas. “O Direito Constitucional Comparado entre Renascimento e Consolidação”. Sequência, Florianópolis, n. 76, p. 69-94, 2017.

DWORKIN, Ronald. Justice for Hedgehogs. Cambridge, MA; London, England: The Belknap Press of Harvard University Press, 2011.

FIUZA, Ricardo Arnaldo Malheiros. Direito Constitucional Comparado. 4ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

FREIRE, Alonso. “Interpretação constitucional comparativa: aproximação crítica e arcabouço metodológico”. Revista Publicum, n. 2, p. 45-73. 2016.

GARCÍA-PELAYO, Manuel. Derecho constitucional comparado. Madri: Alianza Universidad Textos, 1993.

GASPARI, Elio. Os juízes no deserto de juristas. Folha de S. Paulo, 13 fev. 2019. Disponível em Acesso em 14 fev 2019.

GINSBURG, Tom. Judicial Review in New Democracies: Constitutional Courts in Asian Cases. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

HIRSCHL, Ran. Comparative Matters: The Renaissance of Comparative Constitutional Law. Oxford: Oxford University Press, 2014.

HIRSCHL, Ran. Towards Juristocracy: The Origins and Consequences of the New Constitutionalism. New Haven: Harvard University Press, 2004.

JACKSON, Vicki. Constitutional Engagement in a Transnational Era. New York: Oxford University Press, 2010.

JACKSON, Vicki. TUSHNET, Mark (orgs.). Proportionality: New frontiers, new challenges. New York: Cambridge University Press, 2017.

JARDIM, Flávio. “Atiradores de elite e o Direito”. Jota, 21 nov. 2018. Disponível em Acesso 14 fev 2019.

LAW, David. VERSTEEG, Mila. Sham Constitutions. California Law Review, Berkeley, v. 101, n. 4, p. 863-952, 2013.

LEGRAND, Pierre. Jameses at Play: A Tractation on the Comparison of Laws. The American Journal of Comparative Law, Oxford, v. 65, p. 1-132, 2017.

MENDES, Conrado Hübner. Debaixo da toga de Fux, bate um coração. Época, 18 jan 2019. Disponível em Acesso 14 fev 2019.

MEYER, Emílio Peluso Neder. Judges and Courts Destabilizing Constitutionalism: The Brazilian Judiciary Branch's Political and Authoritarian Character. German Law Journal, v. 19, p. 727-768, 2018.

MEYER, Emílio Peluso Neder; TIRADO, F. G. A. A relação entre direito e moral em Dworkin. In: ABBOUD, Georges; LEITE, George Salomão; ALMEIDA FILHO, Agassiz. (Org.). Ronald Dworkin: direito, política e pessoa humana. São Paulo: Tirant Brasil, 2018. p. 333-350.

MORAES, Fausto de Santos. Ponderação e Arbitrariedade: A Inadequada Recepção de Alexy pelo STF. 2ª ed. Salvador: Juspodivm, 2018.

MUNSHI, Sherally. Comparative law and decolonizing critique. American Journal of Comparative Law, Oxford, v. 65, p. 207-235, 2017.

NEVES, Marcelo. Transconstitucionalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2008.

PATRUS, Rafael Dilly. Articulação Constitucional e Justiça de Transição. Belo Horizonte: D’Plácido, 2016.

POUND, Roscoe. Law in Books and Law in Action. Am. L. Rev., [s.l.], v. 44, n. 12, p. 12-36, 1910.

POSNER, Richard. No thanks, we already have our own laws. Legal Aff, [s.l.], jul./ago. 2004.

ROBERTSON, Roland. Glocalization: Time-Space and Homogeneity-Heterogeneity. In: FEATHERSTONE, Mike. LASH, Scott. ROBERTSON, Roland (orgs.). Global Modernities. Londres: Sage, 1995, p. 25-44.

SAUNDERS, Cheryl. The Use and Misuse of Comparative Constitutional Law. Indiana Journal of Global Legal Studies, New York , v. 13, n. 1, p. 37–76, 2006.

SCHAUER, Frederick. Thinking Like a Lawyer: A New Introduction to Legal Reasoning. Cambridge, Massachusetts; London, England: Harvard University Press, 2009.

SCHEPPELE, Kim Lane. Aspirational and Aversive Constitutionalism: The Case for Studying Cross-Constitutional Influence Through Negative Models. I.CON, Oxford, v. 1, n. 2, p. 296-324, 2003.

SINHA, Manisha. The Slave’s Cause: A History of Abolition. New Haven: Yale University Press, 2016.

SLAUGHTER, Anne-Marie. A Typology of Transjudicial Communication. U. Rich. L. Rev., Richmond, v. 29, n. 99, p. 99-137, 1994.

STRECK, Lênio. Check list: 21 razões pelas quais já estamos em Estado de exceção. Conjur. Disponível em < https://www.conjur.com.br/2017-jun-29/senso-incomum-check-list-21-razoes-pelas-quais-estamos-estado-excecao> Acesso em 18 fev 2019.

STRECK, Lênio. Jurisdição Constitucional. 5ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

MEYER, Emílio Peluso Neder. Presunção de inocência até a segunda instância?. JOTA, 19 fev. 2016. Disponível: .

TIRADO, Felipe Guimarães Assis. Human Rights, Transitional Justice and Transnational Law: Towards Accountability for Crimes Against Humanity in Brazil. Belo Horizonte, 2018. 185 f. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Direito, UFMG.

TORELLY, Marcelo. Governança Transversal dos Direitos Fundamentais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

TULLY, James. The Imperialism of Modern Constitutional Democracy. In: LOUGHLIN, Martin. WALKER, Neil (orgs). The Paradox of Constitutionalism: Constituent Power and Constitutional Form. Oxford: Oxford University Press, 2007, p. 315-338.

TUSHNET. Mark, KHOSLA, Madhav. Unstable Constitutionalism. In: TUSHNET, Mark. KHOSLA, Madhav (orgs.). Unstable Constitutionalism: Law and politics in South Asia. Cambridge: Cambridge University Press, p. 3-17.

VALE, André Rufino do. O argumento comparativo na jurisdição constitucional. Conjur. Diponível em Acesso em 14 fev 2019.

VIANNA, Luiz Werneck. CARVALHO, Maria Alice Rezende de. BURGOS, Marcelo Baumann. Quem somos: a magistratura que queremos. Rio de Janeiro: Associação dos Magistrados Brasileiros, 2018.

WATERS, Melissa. Getting Beyond the Crossfire Phenomenon: A Militant Moderate's Take on the Role of Foreign Authority in Constitutional Interpretation. Fordham L. Rev., v. 77, p. 635-646, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rinc.v6i2.65009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Emilio Peluso Neder Meyer

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank

ISSN 2359-5639


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

Praça Santos Andrade, n. 50, 3º andar, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80.020-300
Telefone: +55 41 3352-0716

E-mail: revista@ninc.com.br

http://revistas.ufpr.br/rinc