PAISAGENS E LUGARES – CARACTERIZAÇÃO GEOAMBIENTAL E CULTURAL DOS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS DO COMPLEXO TRÊS FRONTEIRAS, ALTO VALE DO RIO ARAÇUAÍ, MINAS GERAIS.

Marcelo Fagundes, Matheus Kuchenbecker, Alessandra Mendes Carvalho Vasconcelos, Anne Priscila Dias Gonzaga

Resumo


Este artigo tem como objetivo principal apresentar uma síntese das atividades de pesquisa desenvolvidas por uma equipe multidisciplinar acerca das ocupações humanas antes do contato na face leste da Serra do Espinhaço Meridional, mais precisamente no Alto Vale do Rio Araçuaí. Como norte teórico-metodológico tem-se utilizada o conceito de paisagem, compreendido a partir das interações entre Humanos e seus ambientes, bem como da própria dinâmica social, envolvendo questões de ordem econômica, simbólica, política, moral-ideológica, religiosa, etc. A área apresentada é do denominado Complexo Arqueológico Três Fronteiras, constituído por 16 sítios arqueológicos em abrigos sob rocha (quartzítica), com presença marcante de grafismos rupestres e de um indústria lítica majoritariamente em quartzo. O único sítio escavado, Três Fronteiras 07, obteve datação de 4100 ± 30 anos AP. situando sua ocupação durante o Holoceno Médio, resultado comum para outros abrigos regionais. Utilizando diferentes metodologias, com investigações que seguem da caracterização geológica ou uso de drones para mapeamento da área, tem-se buscado compreender a dinâmica destas ocupações e, sobretudo, o uso do lugar em longa duração, identificando as principais características e buscando entender o modo de vida e a dinâmica cultural das populações que ocuparam Três Fronteiras antes do contato com os europeus. Partiu-se, assim, do pressuposto que se trata de um lugar, um grande sítio arqueológico que, dada às características geoambientais e das interações culturais, foi ocupado em longa duração sendo um ponto-chave para a compreensão das ocupações humanas no Espinhaço.

Palavras-chave


Arqueologia– Serra do Espinhaço Meridional – Arte Rupestre – Holoceno Médio

Referências


ALKMIM, F.F., KUCHENBECKER, M., REIS, H.L.S., PEDROSA-SOARES, A.C. The Araçuaí Belt. In: Heilbron, M., Cordani, U.G., Alkmim, F.F. 2017. Sao Francisco craton: Tectonic Genealogy of a Miniature Continent. Regional Geology Reviews, Springer, p. 255-276, 2017.

ANCHUETZ, K.F; WILSHUSEN, R. H., SCHEICK, C. An Archaeology of Landscapes: Perspectives and Directions. Journal of Archaeological Research, 09 (02), p. 157-211, 2001.

BERQUE, A. Paysage-empreinte, paysage-matrice: éléments de problématique pour une géographie culturelle. Espace géographique, v. 13, n°1, p. 33-34, 1984.

BERQUE, A. Milieu, trajet de paysage et déterminisme géographique. Espace Géographique, tome 14, n°2, p. 99-104, 1985.

CORRÊA, R. L. Espaço: um conceito-chave da Geografia. In: CASTRO, E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. Geografia conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

COSGROVE, D. Social formation and symbolic landscape. London: Croom Helm, 1984.

COSGROVE, D. A geografia está em toda parte: Cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, R. L.; ROZENDAHL, Z. (orgs.). Paisagem, Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ, p.92-123, 1998.

FAGUNDES, M. Natureza e Cultura: estudo teórico sobre o uso conceito de Paisagem nas Ciências Humanas. Tarairiú, Campina Grande-PB, 01 (07), p. 32-54, 2014.

FAGUNDES, M.; SAMPAIO, W.G. ; BANDEIRA ; A. M. Paisagem e lugares: considerações sobre a arte rupestre do Sítio Sampaio, Felício dos Santos, Alto Araçuaí, Minas Gerais: uma análise interpretativa. Cadernos de Geografia, v.28, n.54, pp.746-768, 2018.

FERNANDES, G.W. (2016) The Megadiverse Rupestrian Grassland. IN: FERNANDES, G. W. (eds) Ecology and Conservation of mountain-top grasslands in Brazil. Springer, New York, 2016. (e-book)

KNAPP, A.B; ASHMORE, W. Archaeological landscapes: constructed, conceptualized, ideational. IN: KNAPP, A.B; ASHMORE, W. (Eds). Archaeologies of landscape: contemporary perspectives. University of Arizona, p. 1-30, 1999.

NASCIMENTO, R. A.; STEINKE, V. A. Apontamentos Teóricos para a Relação entre Paisagem e Fotografia na Geografia. RA’EGA, Curitiba, v.44, p.21-35, 2018.

NOCE C.M., PEDROSA-SOARES A.C., SILVA L.C., ARMSTRONG R.; PIUZANA, D. Evolution of polyciclic basement complexes in the Araçuaí orogen, based on U–Pb SHRIMP data: Implications for Brazil–Africa links in Paleoproterozoic time. Precambrian Research, 159, p. 60-78, 2007.

PROUS, A. Arqueologia brasileira. Brasília: Editora da UNB, 1992.

RIBEIRO, J.F.; WALTER, B.M.T. As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In Cerrado: ecologia e flora. IN: SANO, S. M.; ALMEIDA, S.P.; RIBEIRO, J.F. (Eds.). Embrapa Cerrados, Planaltina, p.151 -212, 2008.

SAADI, A. A Geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens. Geonomos, CPMTC – IGC – UFMG, Belo Horizonte, 3(1), p 41-63, 1995.

SCHLANGER, S. Recognizing persistent places in Anasazi settlement systems. IN: ROSSIGNOL e WANDSNIDER. Space, time, and archaeological landscapes. New York and London, Plenum Press, p. 91-112, 1992.

TRONCOSO, A. M., Espacio y Poder. Boletín de la Sociedad Chilena de Arqueología, n. 32, p.10-23, 2001.

SCHIER, R. A. Trajetórias do conceito de paisagem na geografia. Editora UFPR. RA’EGA, Curitiba, n. 7, p. 79-85, 2003.

TUPINAMBÁ, M., BAARS, F.J., UHLEIN, A., GROSSI-SAD, J.H.G., KNAUER, L.G. Geologia da Folha Rio Vermelho. IN: GROSSI-SAD, J. H. G.; LOBARO, L. M.; SOARES, A. C. P.; SOARES FILHO, B. S. (Eds.). Projeto Espinhaço em CD-ROM (textos, mapas e anexos) (2317-2435). Belo Horizonte: COMIG, 1996.

VASCONCELOS, A. M. C. O criptocarste como interface entre o solo e o substrato rochoso: comparação entre os ambientes siliciclástico e o carbonático na região entre Rodeador e Diamantina – MG. Tese de Doutorado, Instituto de Geociências, UFMG, Belo Horizonte: 2014. 150 p.

YOUNG, R.;YOUNG, A. Sandstone Landforms. Berlin Heidelberg : Springer-Verlag, 1992. 164 p.

ZVELEBIL, Marek. Hunter-gatherer ritual landscapes: spatial organization, social structure and ideology among hunter-gatherers of northern Europe and western Siberia. Analeca Praehistorica Leudesia, 29, p. 33-50, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v47i1.59489

Direitos autorais 2020 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009