As enchentes no Vale do Itajaí-Açú/SC: das obras de contenção à indústria da enchente – a problemática ambiental e a relação homem/natureza na busca de soluções

Nilson Cesar FRAGA

Resumo


O presente trabalho focaliza questões sobre a problemática de enchentes registradas no Vale do Itajaí, SC. A bacia hidrográfica do Rio Itajaí-Açu, situada na Vertente Atlântica do Nordeste Catarinense, é uma das mais expressivas do Estado, tanto nos aspectos hidrográficos quanto nos sócio-econômicos. Desde sua colonização o Vale do Itajaí vem enfrentando calamidades em decorrência das cheias; esses problemas vêm se repetindo, seja por falta de recursos ou até mesmo por dificuldades técnicas, sem mencionar fatores agravantes como o desmatamento, a utilização das encostas, entre outros. Com base na enchente de 1957, o extinto Departamento Nacional de Obras e Saneamento-DNOS, projetou um sistema de barragens de contenção na Bacia do Itajaí-Açu: a Oeste/Taió (110 milhões m3), a Sul/ltuporanga (97,5 milhões m3) e a Norte/José Boiteux (357 milhões de m3) de armazenamento de água. Este estudo foi desenvolvido a partir do referencial bibliográfico atinente à execução de obras estruturais. Dados estatísticos foram levantados para comparar o número de habitantes e o processo de urbanização, industrialização e infra-estrutura, que permitiram a análise sócio-espacial e sobretudo a das enchentes. Constatou-se, portanto, que as características físicas, os processos de colonização e urbanização, a problemática das enchentes catástrofes e as obras implantadas para a sua contenção, constituem uma interação entre os sistemas natural e social, ineficaz, responsável pelo aumento da frequência e magnitude das enchentes.

Palavras-chave


Enchentes; Vale do Itajaí-Açu/SC; obras de contenção; indústria da enchente

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v5i1.18320

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009