n. 18 - EGRESSOS DA EJA NO ENSINO SUPERIOR E A POLÍTICA DE COTAS DA UERJ: ENTRE DESAFIOS E POTENCIALIDADES

Marcia Soares Alvarenga, Cintya Roberta Santos Oliveira

Resumo


Produzido no contexto dos 10 anos de implantação da Política de Cotas para acesso aos cursos de graduação nas universidades estaduais do estado do Rio de Janeiro e nos 30 anos de promulgação da Constituição Brasileira, em 1988, o objetivo do artigo é analisar a  inter-relação entre a modalidade da EJA e Política de Cotas na FFP/UERJ, tendo como recorte estudantes cotistas que ingressaram na UERJ no ano de 2016. A metodologia da pesquisa teve como ponto de partida dados colhidos em fontes institucionais através de sínteses cadastrais dos sistemas da universidade e questionário semiestruturados dirigidos para cotistas egressos da EJA. Os resultados da pesquisa indicam serem reduzidos os estudantes egressos da EJA que acessam a universidade pelo sistema de cotas, o que nos faz interpelar, dialeticamente, sobre os desafios enfrentados pelos dos estudantes egressos da EJA e a potência das cotas para a democratização da universidade.


Palavras-chave


Egressos da EJA; Política de Cotas; Ensino Superior

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BEISIEGEL, C. Estado e educação popular: um estudo sobre educação de adultos. São Paulo: Pioneira, 1974. (Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais).

BEVILÁQUIA, C. Entre o previsível e o contingente: etnografia do processo de decisão sobre uma política de ação afirmativa. In. Revista de Antropologia, n. 1, v. 48. São Paulo: USP, 2005, 167-225. Disponível em . Acesso em: 20/02/2018.

CURY, C. R. J. (Relator). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Parecer CNE/CEB, aprovado em 10 de maio de 2000. Disponível em: Acesso em: 17 de fevereiro de 2017.

FÁVERO, O. Políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. In. SOUZA, J; SALES, S. (Orgs.). Educação de Jovens e adultos: políticas e práticas educativas. Rio de Janeiro: NAU, 2011.

FÁVERO, O. (Org.). Cultura popular, educação popular: memória dos anos 60. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

FERES JÚNIOR; ZONINSEIN, J (Orgs.). Ação afirmativa e universidade: experiências nacionais comparadas. Brasília: UnB, 2006.

FERNANDES, F. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FRIGOTTO, G. O Golpe de Estado e o desmanche da universidade e da esfera pública. In: MARCEL, P; PAVAN, Y; SIQUEIRA, M. (Orgs.). Hoje acordei para a luta: intelectuais em defesa da universidade pública. RJ: EDUERJ, 2017. pp. 49-59.

HADDAD, S; PIERRO,.Di, M.C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação, nº 14, maio/agosto, 2000. Disponível em . Acesso: 10/03/2016.

IANNI, O. Temas em debate entrevista Octávio Ianni: o preconceito racial no Brasil. In. Revista Estudos Avançados. Vol. 18, nº 50. São Paulo, Jan./Apr. 2004. Disponível em . Acesso: 15/04/2017.

KUENZER, A. Z. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho.In: LOMBARDI, J.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. (Orgs.). Capitalismo, trabalho e educação. 3ª ed. São Paulo: Autores Associados; HISTEDBR, 2005. p. 77 – 96.

HERINGER, R.. Dez anos de ação afirmativa: mapas, balanços, aprendizados. In: Cadernos do GEA, n. 2. Rio de Janeiro: FLACSO, GEA; UERJ, LPP, 2012, p. 11-12.

LEHER, R.. Para silenciar os campi. In: Educação e Sociedade. Campinas, vol. 25, nº88, outubro de 2004, p. 867 – 891. Disponível em . Acesso: 30 08/2017.

MACHADO, E. A. Desigualdades “Raciais” e Ensino Superior: Um estudo sobre a introdução das Leis de reserva de vagas para egressos de escolas públicas e cotas para negros, pardos e carentes na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2000-2004). Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

MACHADO, M. A educação de jovens e adultos no Brasil pós-Lei nº 9.394/96: a possibilidade de constituir-se como política pública. Revista Em Aberto, vol. 22, n. 82, 2009. Disponível em . Acesso: 20/04/2017.

MOEHLECKE, S. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. In. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Campinas: Autores Associados, n. 117, p. 197- 217, nov. 2002. Disponível em . Acesso: 25/04/2017.

OLIVEIRA, F. A dominação globalizada: estrutura e dinâmica da dominação burguesa no Brasil. En publicación: Neoliberalismo y sectores dominantes. Tendencias globales y experiencias nacionales. BASUALDO, E; ARCEO, E. CLACSO, Consejo Latino americano de Ciencias Sociales, Buenos Aires. Agosto 2006. Disponível em: . C08DeOliveira.pdf. Acesso em: 12/01/ 2017.

PAIVA, V. Educação Popular e Educação de Adultos. São Paulo: Ed. Loyola, 1978.

RUMMERT, S. M. A educação de jovens e adultos trabalhadores brasileiros no século XXI: o “novo” que reitera a antiga destituição de direitos. In. Revista de Ciência da Educação, Sísifo. jan. / abr., 2007, p. 35-50. Disponível em: . Acesso: 05/02/2019.

VARGAS, H.; PAULA, M. F. A inclusão do estudante-trabalhador e do trabalhador-estudante na educação superior: desafio público a ser enfrentado. In: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), vol. 18, nº 2, julho de 2013, p. 459-485. Disponível em . Acesso em: 26/03/2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jpe.v14i0.71460

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Publicado pelo Núcleo de Políticas Educacionais (NuPE) e pela linha de pesquisa em Políticas Educacionais do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFPR), da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Published by Educational Policies Research Centre (NuPE) and by Educational Policy Research Group at Graduate Program in Education (PPGE / UFPR), Federal University of Paraná (UFPR), Brazil.

Publicado por el Núcleo de Política Educativa (NuPE) y por la línea de investigación en Políticas Educativas del Programa de Posgrado en Educación (PPGE / UFPR), de la Universidad Federal de Paraná (UFPR).

 Contatos: +55 41 35356264

E-mail: jpe@ufpr.br