n. 18 - INCLUSÃO DE UNIVERSITÁRIOS COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: o que dizem as pesquisas no Brasil e Uruguai

Sandra Eli Sartoreto de Oliveira Martins, Andrea Jimena Viera Gomez, Yliana Zeballos Fernandez, Caroline da Silva Benetti

Resumo


A Universidade se caracteriza como um importante espaço de desenvolvimento humano, devido ao acesso aos conhecimentos científicos e a possibilidade de apropriação da experiência acumulada pela humanidade. O acesso e permanência a todos os níveis educativos, incluindo o ensino superior, deve ser assegurado a todas as pessoas para a existência de uma sociedade menos desigual e excludente. Dada a relevância desta temática na atualidade, este artigo objetiva discutir as políticas públicas que apoiam o acesso e a permanência de pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida, nesta etapa de educação, em dois países da América Latina - Brasil e Uruguai. A localização dos documentos ocorreu em base dados disponíveis pelas agências governamentais dos países países investigados, a partir cruzamento das palavras-chave: deficiência, educação superior e inclusão, em três idiomas (português, inglês e espanhol). Os resultados evidenciaram que as produções uruguaias se concentraram em descrever a situação das pessoas com deficiência e sua participação no ensino superior, enquanto as brasileiras problematizavam a distância entre as políticas públicas e as formas de apoio institucional para o acesso e permanência de pessoas com deficiência, nesta etapa de Educação. De igual modo, apesar da baixa expressividade de publicações ambos países retrataram importantes indicativos de mobilização dos espaços universitários para se tornarem inclusivos.


Palavras-chave


Políticas Educacionais. Educação Inclusiva. Ensino Superior. Deficiência. Acessibildade.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, D.P; OLIVEIRA, F.B. de. O Prouni e a conclusão do ensino superior: novas trajetórias pessoais e profissionais dos egressos. Ensaio: avaliação de políticas públicas de educação. 2011, vol.19, n.73, pp. 861-890. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362011000100003〈=pt.

ARES PONS, J. Presente y futuro de la Universidad Latinoamericana. Revista Educación Superior y Sociedad, Vol. 7, N' 1. UNESCO - CRESALC. Caracas, 1996.

BERBERIAN, A. P.; SILVA, D.; GIROTO, C. R. M. Condições de letramento e os processos de inclusão e exclusão social. In: NOZU, W. C. S.; LONGO, M. P.; BRUNO, M. M. G. Direitos humanos e inclusão: discursos e práticas sociais. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2014.

BERBERIAN, A. P.; MARTINS, S. E. S. O. Alteridade e(ou) identidade: a surdez como (in)diferença à singularidade. In: GEGe - Grupo de Estudos dos Gênero do Discurso. (Org.). Palavra e Contrapalavras: cortejando a vida na estética do cotidiano. 0ed.São Carlos: Pedro & João, 2015, v. VII, p. 54-64

CSIE. Centre for Studies in Inclusive Education. Guía para la melhora evaliación y mejora de la educación inclusiva. Booth, T.; Ainscow, M. (col.) Kristini Black-Hawkins. Reino Unido: CSIE, 2000.

FERREIRA, S. L. Ingresso, permanência e competência: uma realidade possível para universitários com necessidades educacionais especiais. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília: v 13, n. 1, p 43-60, 2007.

LEITE, L.P.; MARTINS, S.E.S.O. Fundamentos e estratégias pedagógicas inclusivas: respostas as diferenças na escola. Cultura Acadêmica: São Paulo, Oficina Universitária: Marília, 2012. Disponível: http://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/livro-fundamentos_leite_martins2012.pdf.

MERESMAN, S. (2013). La situación de niños, niñas y adolescentes con discapacidad en Uruguay. Fondo de Naciones Unidas para la Infancia UNICEF

MOREIRA, L. C.; BOLSANELLO, M. A.; SELGER, R. G. Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educ. Rev., Curitiba, n. 41, p. 125-143, set, 2011.

OMOTE, S. Normalização, integração e inclusão. Ponto de Vista. v. 1, n. 1, jul/dez, 1999.

ODDONE, G.; PERERA, M. (2005). Educación superior en Uruguay: descripción y financiamiento. IESLAC, YOEA.

OLIVEIRA, C. B. Jovens deficientes na universidade: experiências de acessibilidade?. Rev. Bras. Educ. 2013, vol.18, n.55, pp. 961-984. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782013000400009&lng=en&nrm=iso.

PLETSCH, M. D. A dialética da inclusão/exclusão nas políticas educacionais para pessoas com deficiências: um balanço do governo Lula (2003-2010). Revista teias (UERJ. Online), v. 12, p. 39-55, 2011.

PICCOLO, G. M; SILVA, S. C. A defectologia em Vygotski: do proposto ao pensado na Educação Especial La defectología em Vygotski: de la propuesta a la idea en la Educación Especial. Revista digital. Buenos Aires - Año 19 - Nº 192 – May 2014 Disponível em: http://www.efdeportes.com Acesso em: 05 nov.14

ROSSETO, P. Políticas de Inclusão no Ensino Superior. Revista Temas e Matizes, n. 13, p. 47-59, primeiro semestre de 2008.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SIQUEIRA, I. M.; SANTANA, C. S. Propostas de acessibilidade para a inclusão de pessoas com deficiência no ensino superior. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.16, n.1, p.127-136, Jan.-Abr., 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jpe.v11i0.53635

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Publicado pelo Núcleo de Políticas Educacionais (NuPE) e pela linha de pesquisa em Políticas Educacionais do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFPR), da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Published by Educational Policies Research Centre (NuPE) and by Educational Policy Research Group at Graduate Program in Education (PPGE / UFPR), Federal University of Paraná (UFPR), Brazil.

Contatos: +55 41 35356264

E-mail: jpe@ufpr.br