DA LEPRA À HANSENÍASE: POLÍTICA PÚBLICA, O COTIDIANO E O ESTIGMA A PARTIR DA MEMÓRIA DE SEUS ATORES – GOVERNADOR VALADARES (DÉCADA DE 1980)

Patrícia Falco Genovez, Flavia Rodrigues Pereira

Resumo


As discussões sobre a lepra, assim denominada antes da terminologia Hanseníase, remontam à Idade Média e seguiram até os dias atuais com a participação de inúmeros pesquisadores internacionais e brasileiros, pautados na etiologia e na terapêutica da doença. As políticas de saúde da Hanseníase configuraram uma trajetória de repercussões sociais que estão ligadas à implementação de políticas rigorosas, instituídas pelos governos e médicos especialistas da área, caracterizadas pelo isolamento, tratamentos dolorosos e de pouca eficiência (até a década de 1940) e pelo estigma e preconceito históricos. Diante dos contextos históricos da saúde pública no Brasil e do conhecimento de algumas políticas públicas da Hanseníase que determinaram seu controle no país, pontuar-se-á a Hanseníase na cidade de Governador Valadares/MG. Este município, situado no leste do Estado de Minas Gerais, na mesor- região do Vale do Rio Doce, será enfocado privilegiando-se a década de 1980. A intenção, portanto, é aproximar os leitores das apropriações dos sujeitos, das memórias coletivas, das suas percepções em relaçãoàs ações de saúde, entrelaçadas ao tempo e espaço vivido por alguns sujeitos desse processo.


Palavras-chave


hanseníase; Governador Valadares; memória.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v60i1.38287

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150