REFLEXÕES SOBRE UMA ABORDAGEM FENOMENOLÓGICA DO ESPAÇO VIVIDO DE FAMÍLIAS RURAIS RELACIONADAS À ATIVIDADE TURÍSTICA

Letícia Bartoszeck Nitsche, Salete Kozel

Resumo


Numa perspectiva onde o turismo passa a ser desenvolvido como uma atividade complementar de famílias que vivem do trabalho no campo surge uma preocupação em descobrir que tipos de intervenções estão ocorrendo no espaço vivido destas pessoas. A perspectiva humanista da geografia abre esta discussão, valorizando os mundos particulares de cada indivíduo, relacionando-se com a esfera de mundo-vivido e seu recorte em espaço vivido. A fenomenologia surge como abordagem capaz de permear a complexidade do mundo vivido sem destruir seus significados. O objetivo deste artigo é fazer uma breve discussão sobre estes aspectos humanistas fenomenológicos da geografia como forma de encaminhamento de um estudo de caso, envolvendo o turismo em uma comunidade rural. A fenomenologia, com base nos princípios Husselianos, nos conduz a essência do fenômeno, permitindo-nos vislumbrar a importância de se compreender o sentido do fato turístico, sem se ater ao ‘fato em si’. São evidenciadas algumas características da fenomenologia, como a ‘essência fenomenológica’, as particularidades da relação sujeito-objeto, a redução ou ‘Epoché’, a perspectiva da experiência e a ‘intencionalidade da consciência’. Nas considerações finais expõem-se algumas recomendações para a aplicação de um método fenomenológico pautado na experiência de espaço vivido de moradores rurais que trabalhem com turismo.


Palavras-chave


espaço vivido; mundo vivido; turismo; fenomenologia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v1i1.6842



Revista Geografar ISSN: 1981-089X