A PROSTITUIÇÃO PARA ALÉM DO TROTTOIR NO ZERO KM EM VÁRZEA GRANDE-MT

Sonia Regina Romancini, Radamés Quadros Araújo

Resumo


Este artigo apresenta resultados da pesquisa desenvolvida como dissertação de mestrado na cidade de Várzea Grande/MT, na localidade denominada Zero Km, conhecida por constituir uma área permanente de prostituição, com atividades desenvolvidas 24 horas por dia. Analisamos como se desenvolve a prostituição para além da prática efetiva do trottoir das agentes pesquisadas, refletindo sobre questões como o fenômeno social da Revolução Sexual ocorrida no século XX e as suas reverberações para as mulheres, especialmente, as agentes pesquisadas. Outra importante problemática discutida neste artigo diz respeito à compreensão que as entrevistadas têm a respeito da prostituição em suas vidas, refletindo sobre os papéis relevantes da autoafirmação e da autorreflexão. No decorrer do texto evidenciamos a importância do poder à presente discussão, sendo abordado em relação às territorialidades das prostitutas no cotidiano de trabalho e da formação do território do Zero e em relação ao empoderamento, entendido como a capacidade de compreender a prostituição para além de seus estigmas morais e como um instrumento útil à ascensão econômica/social. As territorialidades que desenvolvem no Zero estão intrínsecas às espacialidades de suas vidas cotidianas; a complementaridade de suas territorialidades e espacialidades ocorre por meio da inter-relação das escalas geográficas global e local, fenômeno que se concretiza ora explícita, ora implicitamente nas práticas espaciais que efetivam. As agentes desta pesquisa não devem ser reduzidas ao espectro da prostituição. Para além do trottoir no Zero, existem mulheres com uma identidade própria, com trajetórias distintas, com diferentes utilizações e considerações acerca da prostituição. Para a realização da pesquisa, utilizamos os resultados obtidos em algumas questões específicas do roteiro de entrevistas, assim como revisão bibliográfica que nos orientou a questionamentos que competiam a nossa problemática e também a complementaridades, como em alguns aspectos enunciados em trabalhos de pesquisadores experientes em temas afins.


Palavras-chave


Prostituição; Território; Territorialidade; Empoderamento.

Texto completo:

AUTORIZAÇÃO ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v15i2.68409

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Geografar ISSN: 1981-089X