PROPOSIÇÕES PARA A AMAZÔNIA À LUZ DA SUA FORMAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL

Anderson Bertholi, Alisson Souza

Resumo


A Amazônia é um espaço provocativo sui generis, isso se deve a uma infinidade de possibilidades que surgem em diferentes vieses; do desenvolvimento (produtivista e humanista), do cultural a partir das manifestações peculiares de vivência com a floresta, e ainda, a do viés da ciência em suas perspectivas exploratórias. Este artigo tem como objeto fazer um breve enquadramento dessa dinâmica às construções teóricas da Formação Sócio-espacial, cujas articulações entre o espaço e o tempo se apresentam como tramas que contribuem, de maneira didática, para o entendimento desta espaciologia peculiar, que provoca as mentes humanas em uma amplitude planetária, que ainda não é consciência, é um jogo de interesses sobre um conjunto espacial que sustenta um dinamismo made in jungle.  Por extensão, destaca-se a importância das redes de conectividade espacial como funcionalidade do modo de produção hegemônico, à luz da espaciologia imposta pelos fronts que traduzem pistas atuais para o que convencionou-se chamar aqui de novo desenvolvimento.

 

 


Palavras-chave


Peculiaridades Amazônicas; Formação Sócio-espacial; Desenvolvimento.

Texto completo:

AUTORIZAÇÃO ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v15i2.66205

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Geografar ISSN: 1981-089X