EMPRESAS QUE TRANSFORMAM: UM OLHAR DA GEOGRAFIA ECONÔMICA SOBRE AS EMPRESAS RECICLADORAS DO PLÁSTICO

Paulo Henrique Schlickmann

Resumo


A reciclagem de materiais plásticos no Brasil tem ganhado força nos últimos anos. Além do discurso infalível na contemporaneidade, de que a atividade é vista como um bem ao meio ambiente, é importante analisá-la como um negócio envolvido diretamente na objetividade das condições econômicas de produção e de comercialização. Sendo assim, destaca-se que o objetivo deste artigo é apresentar um olhar a partir da geografia econômica, de parte das dinâmicas empresariais que envolvem a produção de reciclados plásticos no Brasil. Trata-se de um estudo bibliográfico e empírico, em que se lê a empresa como um agente fundamental na transformação do espaço geográfico, bem como, através das estratégias empresariais, interferem no mercado e nas condições gerais de produção. Entende-se, por fim, que há uma cadeia produtiva de reciclados no país, e que os agentes isolados tendem a apresentar resultados piores, comparados com aqueles que estabelecem correlações maduras e fixas entre si

Palavras-chave


Geografia Econômica; Cadeia da Reciclagem; Empresas Recicladoras; Concorrência.

Texto completo:

AUTORIZAÇÃO ARTIGO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v15i2.52281

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Geografar ISSN: 1981-089X