EROSIVIDADE E ERODIBILIDADE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO JOÃO DIAS, AQUIDAUANA/MS

Elisângela Martins de Carvalho, Emerson Figueiredo Leite

Resumo


Os processos de degradação do solo constituem grave problema em escala mundial, com consequências ambientais, sociais e econômicas significativas. São de fundamental importância estudos que avaliem a suscetibilidade dos terrenos aos processos erosivos, bem como, os fatores que influenciam nesse processo, como a quantidade e distribuição das chuvas, a declividade, o comprimento das encostas, as propriedades químicas e físicas do solo, o tipo de cobertura vegetal, e também a ação do homem, através do uso e manejo da terra. Este artigo tem como objetivo espacializar a erosividade da chuva e a erodibilidade do solo na Bacia Hidrográfica do Córrego João Dias, Aquidauana/MS, utilizando técnicas de geoprocessamento. Estas variáveis compõem a Equação Universal de Perda de Solos. Os valores de Erosividade foram obtidos através da equação descrita por Lombardi Neto; Moldenhauer, citados por Bertoni e Lombardi Neto (2008), a partir de dados de 11 pluviômetros/estações localizados na bacia e em seu entorno. Para avaliar a erodiblidade dos solos na bacia considerou-se a textura e a permeabilidade dos solos através da análise da relação textural. Os resultados demonstraram que os valores de Erosividade (Fator R) variaram de 6214 a 10955 MJ.mm/ha.h, predominando na bacia a classe de erosividade que varia de 7800 a 8600 MJ.mm/ha.h. Quanto a erodibilidade cerca de 78,03% da bacia apresenta a classe de erodiblidade alta, localizada no baixo, médio e alto curso da bacia.  A classe de erodibilidade considerada como extremamente alta e muito alta localiza-se principalmente no alto curso, em área de nascentes.


Palavras-chave


Solos; Precipitação; Erosão; Geoprocessamento

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v10i2.41583



Revista Geografar ISSN: 1981-089X