A CENTRALIDADE DE LONDRINA – PR NA REDE URBANA BRASILEIRA: DE CENTRO REGIONAL AO NÍVEL SUB-METROPOLITANO

Tânia Maria Fresca

Resumo


O objetivo do artigo é realizar uma discussão sobre as transformações no nível de centralidade da cidade de Londrina – PR na rede urbana brasileira, a partir de pesquisas realizadas para a escala nacional. Trata-se de estudos realizados por Geiger (1963), IBGE (1972, 1987, 2000, 2008) e IPEA (2000). Com base nestes,  bibliografias específicas para Londrina e levantamentos de dados, procura-se entender e discutir criticamente sua centralidade em diferentes momentos. Os trabalhos permitiram evidenciar que a mesma apresentava-se como um centro regional nos anos de 1950, alcançando a centralidade submetropolitana no final dos anos de 1970 e assim permaneceu até o inicio dos anos de 1990. Esta posição foi ratificada no início dos anos 2000 pelo IPEA, incluindo-se ainda o fato de considerá-la como uma aglomeração urbana de maior porte. No último trabalho do IBGE sobre a rede urbana nacional a considerou como uma capital regional de nível B. Esta posição é criticamente analisada a partir de elementos como a forma urbana e os deslocamentos pendulares na aglomeração urbana, as atividades comerciais e prestadoras de serviços, que demonstram tratar-se de um escalão urbano bastante complexo, que a aproxima cada vez mais de escalão metropolitano. 


Palavras-chave


Rede Urbana Brasileira; Londrina – PR; Centralidade

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v9i2.37629



Revista Geografar ISSN: 1981-089X