DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE PARARI-PB: UMA ANÁLISE POR MEIO DE SENSORIAMENTO REMOTO

Glauciene Justino Ferreira da Silva, Nadjacleia Vilar Almeida

Resumo


A exploração não sustentada da cobertura vegetal, dos recursos hídricos e do solo em uma região traz sérias implicações à manutenção do equilíbrio ambiental. Em regiões semiáridas, por exemplo, a degradação das terras provoca o assoreamento dos rios, interfere nas propriedades físico-químicas dos solos e afeta a biodiversidade, modificando a paisagem. Para o monitoramento mais eficiente das alterações e o planejamento adequado no combate à destruição do bioma Caatinga é necessário o monitoramento da degradação. Nesse contexto, esse trabalho tem como objetivo quantificar a degradação da cobertura vegetal no município de Pararí-PB, fornecendo subsídios para analisar e caracterizar a dinâmica da vegetação de caatinga existente na área. Foram utilizados como suporte metodológico o Sensoriamento Remoto, o SIG e técnicas de análise espacial.  A quantificação da cobertura das terras mostrou que a classe solo exposto em 1988 e 1999 representava, respectivamente, 89,54% e 80,59% da área total do município. Em detrimento da vegetação densa que em todo período representou os menores percentuais em relação à área de estudo. O NDVI variou de -1 e 0,40, sendo influenciado pela resposta da vegetação a precipitação nos meses considerados chuvosos e secos, o que afetou significativamente a resposta desse índice para a área em estudo. Devido ao desmatamento, as áreas mais degradadas no município, apresentam solos com alto nível de desgaste que impossibilita o desenvolvimento da vegetação de caatinga densa, a umidade proporcionada pela precipitação não altera a paisagem das áreas degradadas.


Palavras-chave


cobertura da terra; NDVI; caatinga; Semiárido

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v10i2.37285



Revista Geografar ISSN: 1981-089X