A URBANIZAÇÃO E A INCORPORAÇÃO DAS VÁRZEAS AO ESPAÇO URBANO DE CAMPINAS (SP), BRASIL

Antonio Carlos Vitte, Mariana Ferreira Cisotto, Luiz Ribeiro Vilela Filho

Resumo


O presente trabalho examina o processo de urbanização e a incorporação das várzeas fluviais ao espaço urbano de Campinas (SP). De uma urbanização estruturada em subúrbios, fracamente conectados entre si, Campinas a partir de 1930 sofreu forte aglomeração física. Até então, o espaço urbano que estava restrito aos topos aplainados, passou a incorporar as vertentes e as várzeas. Essa fase coincide com a crise de 1929, quando o capital do café foi utilizado na especulação imobiliária, o que redundou no desmembramento de fazendas de café, abertura de novos loteamentos e em obras de retilinização e de alguns canais fluviais, com  a construção de avenidas marginais em suas várzeas.  Os graves problemas ambientais que afetam o espaço urbano de Campinas atualmente, como as inundações, estão geneticamente relacionados a esse processo de incorporação da natureza na história urbana de Campinas.

Palavras-chave


Urbanização; Várzeas; Especulação Imobiliária; Urbanização; Inundações

Texto completo:

PDF Autorização


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v5i1.17784



Revista Geografar ISSN: 1981-089X