OS PROGRAMAS DE CRÉDITOS PARA OS ASSENTAMENTOS RURAIS - O ESTUDO DE CASO DO DORCELINA FOLADOR (ARAPONGAS – PR.)

Paula Chagas Francis

Resumo


As políticas públicas adotadas pelo governo em prol de um desenvolvimento para o campo brasileiro têm beneficiado agricultores familiares de forma dispare, a exemplo dos financiamentos agrícolas. Criados com a finalidade de fornecer recursos públicos aos agricultores familiares, os créditos rurais foram considerados em seu passado uma das políticas públicas mais perversas até então adotadas. No entanto, seguindo as mesmas características novas políticas continuam vigorando pelo campo ocasionando um conjunto de discrepâncias sociais e econômicas entre agricultores familiares. A fim de estabelecer um comparativo, o presente artigo tem como foco de analise dois programas: o PROCERA, criado para atender particularmente aos assentados rurais, bloqueado pelo governo de Fernando Henrique Cardoso (1995- 2002); e o PRONAF, desenvolvido no ano de 1995 como uma estratégia de fortalecimento da agricultura familiar. Assentados rurais, pertencentes ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), mesmo contrários às medidas adotadas pelo governo desde o período da Revolução Verde, tem tido acesso aos financiamentos agrícolas, possibilitando que desenvolvam suas lavouras e invistam em seus lotes de terra. Os resultados que focam este artigo, referem-se ao Assentamento Rural Dorcelina Folador, localizado no município de Arapongas (PR.), que se destaca dos demais por seu fácil acesso e por suas particularidades adotadas desde sua criação.

Palavras-chave


Políticas Públicas; Assentados Rurais; PROCERA; PRONAF

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v4i1.14429



Revista Geografar ISSN: 1981-089X