Open Journal Systems

Extensão acadêmica: utilizando à educação em saúde como instrumento de abordagem para a desmistificação da pediculose

Adriana Raineri Radighieri, Claudia Moraes Clemente Leal, Ivaneide de Almeida Ramalho, Beatriz Albuquerque Machado, Regina Bontorim Gomes, Daniel Barbosa Guimarães, Cintya os Santos Franco, Juliana Ferreira Gomes da Silva, Amanda Campos Bentes, Julia Leonidia de Oliveira Silva, Isabella de Oliveira da Costa, Tamirys Franco Cunha, Jéssica Silva Jéssica Silva de Figuêredo, Lorena Carlos Correa, Gerson Moura Ferreira, Alba Cristina Miranda de Barros Alencar, Renata Heisler Neves

Resumo


Introdução: A pediculose é considerada um ectoparasito que é ocasionado pelo Pediculus humanus capitis que infesta somente o couro cabeludo do homem e que possui histórico de longa data, no qual facilita compreender todos os empirismos que surgem e são praticados, até os dias atuais, acerca dessa temática. Objetivo: Instigar a importância da pediculose para as crianças e toda a comunidade, assim como minimizar os fatores vinculados com os determinantes sociais da saúde relacionados com o piolho de cabeça. Metodologia: Estudo observacional e qualitativo, com a participação de crianças e adolescentes, com idade entre 6 e 18 anos, de escolas, centros e creches públicas do Rio de Janeiro. O desenvolvimento deste trabalho ocorreu por meio de exposições de materiais didáticos, bem como apresentação de ovos e ninfas do Pediculus humanus em microscópios, peças teatrais, rodas de conversa, quebra-cabeças, fantoches, animações em Power Point e panfletos, por meio de discentes de enfermagem que atuam no projeto de extensão de Parasitologia, para tornar mais palpável possível o conhecimento científico deste parasito. Resultados: O público-alvo a todo momento interagiu com os participantes do projeto, mostrando-se pró-ativos e interessados pela temática, além de ter sido notado as mudanças intelectuais sobre o piolho de cabeça e os comportamentos frente a este problema sociocultural. Conclusão: A importância da educação em saúde apresentada em atividades lúdicas e dinâmicas contribuiu em mudanças nos hábitos das atividades de vida diárias sobre essa doença parasitária e a relevância da participação de graduandos de Enfermagem para estimular a promoção à saúde.


Palavras-chave


Promoção à saúde. Pediculose. Extensão universitária.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALENCAR, N. M. M. et al. O papel da enfermagem frente à promoção da saúde de crianças que frequentam creches: uma revisão integrativa. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 15, n. 2, p. 481-491, ago./dez. 2017.

ALVARENGA, W. A. et al. AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE REALIZADAS POR ENFERMEIROS NA ESCOLA: PERCEPÇÃO DE PAIS. Rev. Min. Enferm., v. 16, n. 4, p. 522–527, 2012.

ALVES, S. N. et al. Ações de educação e saúde relacionadas à pediculose na educação infantil. Rev. Em Extensão, Urbelândia, v. 14, n. 1, p. 126 – 133, jan.-jun. 2015.

BARATA, R. B. COMO E POR QUE AS DESIGUALDADES SOCIAIS FAZEM MAL À SAÚDE ?. Rev. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ, v. 27, n. 4, p. 817 – 821, abr. 2011.

BARBOSA, J. V.; PINTO, Z. T. Pediculose no Brasil. Entomol vect., v. 10, n.4, p.579-586, 2003.

BARCA, I. Aula-oficina: do Projeto à Avaliação. In:_______. Para uma educação de qualidade: Actas da Quarta Jornada de Educação Histórica. Centro de Investigação em Educação (CIEd)/ Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, 2004. cap. 2, p. 131 – 144.

BORGES, R.; MENDES, J. Epidemiological aspects of head lice in children attending day care centers, urban and rural schools in Uberlandia, Central Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v.97, n.2, p. 189-192, 2002.

BORGES-MORONI, R.; MENDES, J.; JUSTINIANO, S. C. B.; BINDÁ, A. G. L. Head lice infestation in children in day-care centers and schools of Manaus, Amazon, Brazil. Revista de Patologia Tropical, 40, n. 3, p. 263-270, 2011.

BORSON, L. A. M. G; CARDOSO, M. S.; GONZAGA, M. F. N. A TEORIA AMBIENTALISTA DE FLORENCE NIGHTINGALE. Revista Saúde em Foco, n. 10, 2018.

BRAGAGNOLLO, G. R. et al. Intervenção educativa lúdica sobre parasitoses intestinais com escolares. Rev Bras Enferm [Internet], v. 72, n. 5, p. 1268-75, set.-out. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Emenda constitucional nº 196, de 5 de outubro de 1988. Lex: legislação federal e marginália, Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Saúde do Adolescente: competências e habilidades. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE (Documento para discussão). Brasília, DF, 2002. 42 p.

BRITO, A. C. S. et al.; NEVES, R. H. et al. O USO DE MODELOS DIDÁTICOS COMO METODOLOGIA COMPLEMENTAR PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA PARASITOLOGIA NOS DIFERENTES SEGMENTOS. In: JUNIOR, J. M. B. O. (Org.); CALVÃO, L. B. (Org). Debate e Reflexão das Novas Tendências da Biologia. Rio de Janeiro: Atena Editora, cap. 11, pg. 87-101, 2019.

CÂMARA, A. M. C. S. et al. Percepção do Processo Saúde-doença: Significados e Valores da Educação em Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 36, supl. 1, p. 40-50, 2012.

CATALÁ, S. et al. Prevalência e intensidade da infestação por Pediculus humanus capitis em escolares de seis a onze anos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 37, n. 6, p. 499-501, nov.-dez. 2004.

CAZORLA, D.; RUIZ, A.; ACOSTA, M. Estudio clínico-epidemiológico sobre pediculosis capitis en escolares de Coro, estado Falcón, Venezuela. Investigación Clínica, 48, n. 4, p. 445-457, 2007.

CHOSIDOW, O. Scabies and Pediculose. Lancet, v. 355, n. 9206, p.819-826, 2000.

CUNHA, J. A. S. et al. Os conhecimentos sobre pediculose entre estudantes de uma escola do campo vinculada às atividades do PIBID. Revista Online de Extensão e Cultura Realização, v. 6, n. 12, p. 51. 2019.

CUNHA, P. V. S. et al. O Discurso dos Professores sobre a Transmissão da Pediculose antes de uma Atividade Educativa. Rev. Bras. Crescimento Desenvolvimento Humano, v. 18, n. 3, p. 298-307, 2008.

FALKNBERG, M. B.; MENDES, T. P. L.; MORAES, L. P.; SOUZA, E. M. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 3, p. 847 – 852, 2014.

FILOMENO, C. E. D. et al.; NEVES, R. H. et al. PARASITOLOGIA NA ESCOLA: INTERVENÇÕES EM EDUCAÇÃO E SAÚDE. In: JUNIOR, J. M. B. O. (Org.); CALVÃO, L. B. (Org). Debate e Reflexão das Novas Tendências da Biologia. Rio de Janeiro: Atena Editora, 2019, cap. 15, p. 140-153.

FRANCESCHI, A. T. et al. DESENVOLVENDO ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE DA PEDICULOSE NA REDE ESCOLAR. Revista APS, v. 10, n. 2, p. 217-220, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GABANI, F. L.; MAEBARA, C. M.; FERRARI, R. A. PEDICULOSE NOS CENTROS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DOS TRABALHADORESa. Esc Anna Nery Rev Enferm., v. 14, n. 2, p. 304-317, 2010.

GOLDSCHMIDT, A. I.; LORETO, E. Investigação das concepções espontâneas sobre pediculose entre pais, professores, direção e alunos de educação infantil e anos iniciais. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 11, v. 2, p. 455-470, 2012.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HEUKELBACH, J.; OLIVEIRA, F. A. S.; FELDMEIER, H. Ectoparasitoses e saúde pública no Brasil: desafios para controle. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 5, p. 1535-40, 2003.

KIRSCH, G. H.; VERONEZI, D. R. Visão do enfermeiro como educador em saúde. Caderno de Saúde e Desenvolvimento, v. 14, n. 8, p. 1. 2019.

LEAL, C. M. C. et al; NEVES, R. H. et al. VIVENCIANDO A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA FORMAÇÃO DOS DISCENTES DE ENFERMAGEM ATRAVÉS DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM PARASITOLOGIA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA. In: PEREIRA, T. T. (Org.); CASTRO, L. H. A. (Org.); OESTERREICH, S. A. (Org). Ciências da Saúde: Campo Promissor em Pesquisa 3. Rio de Janeiro: Atena Editora, 2020 cap. 27, p. 261-273.

LIMA, A. D. Ecologia Médica: uma Visão Holística no Contexto das Enfermidades Humanas. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 38, n. 2, p. 165-72, 2014.

LINARDI, P. M. Anoplura. In: NEVES, D. P. et al. (Org.). Parasitologia humana. 12. ed. São Paulo: Atheneu, 2011, cap. 50, p. 407-411.

LINARDI, P. M. et al. Infestação por Pediculus humanus (Anoplura: Pediculidae) no Município de São Paulo, SP, Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 32, n. 1, p. 77-81, 1998.

MAGALHÃES, R. Monitoramento das desigualdades sociais em saúde: significados e potencialidades das fontes de informação. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 3, p. 663-673, 2007.

MELO, L. P. ENFERMAGEM COMO UMA CIÊNCIA HUMANA CENTRADA NO CUIDADO. Rev. Min. Enferm., v. 20:e979, p. 2016.

MONSTER K. A.; KELLER L. O. A population - based approach to pediculosis management. Public Health Nurs, v.3, n.19, p.201-208, 2002.

MOUGABURE C. G. et al. Toxic Effect of Aliphatic Alcohols Against Susceptible and Permethrin-Resistant Pediculus Humanus Capitis (Anoplura: Pediculidae). J Med Entomol; v. 39, n. 3, p.457-60, 2002.

NEVES, D. P. Parasitologia Humana. 11° Ed. São Paulo: Atheneu, 2004. 498 p. 498.

NOGUEIRA, R. S. et al.; MONTEIRO, L. T. D. S. et al. AÇÃO EDUCATIVA EM ENFERMAGEM SOBRE ECTOPARASITOSES NO ÂMBITO ESCOLAR PARA PREVENÇÃO E CUIDADO NA INFÂNCIA - RELATO DE EXPERIÊNCIA. In: COSTA, L. M. (Org.). Bases Conceituais da Saúde. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2019, cap. 5, p. 31-38.

NUNES, S. C. B et al. BIOLOGIA E EPIDEMIOLOGIA DA PEDICULOSE DA CABEÇA. Scientia Amazonia, v. 3, n. 2, p. 85-92, 2014.

OLIVEIRA, M. F.; COTA, L. G. S. A pedagogia freiriana nas práticas de educação em saúde. Diversitates Int. J., v. 10, n. 1, p. 46-58, 2018.

PICOLLO, M. I. et al. Resistance to Insecticides and Effect of Synergists on Permethrin Toxicity in Pediculus capitis (Anoplura: Pediculidae). J. Med. Entomol, Buenos Aires, v .37, n. 5, p. 721-725, 2000.

PILGER, D.; HEUKELBACH, J.; KHAKBAN, A.; OLIVEIRA, F. A. et al. Household-wide ivermectin treatment for head lice in an impoverished community: randomized observer-blinded controlled trial. Bulletin of the World Health Organization, 88, p. 90-96, 2010.

PINTO, Z. T.; VARGAS, E. P. Abordagem educativa e divulgações sobre tratamento de pediculose na internet. Programa Educacional de controle da pediculose, São Paulo, 2005.

PORTO, M. F. S. et al. Saúde e ambiente na favela: reflexões para uma promoção emancipatória da saúde. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 123, p. 523-543, jul.- set. 2015.

REY, L. Bases da Parasitologia Médica. 2° Edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 404 p.

ROBERTS, R. J. Clinical Practice. Head Lice. N. Engl. J. Med., v. 346, n. 21, p. 1645-49, mai. 2002.

ROCHA. L. Piolho: pesquisador esclarece o que é a pediculose, doença provocada pelo inseto. Rio de Janeiro: Instituto Oswaldo Cruz, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 de abril de 2020.

SANTOS, S. da M. dos. Desmitificando a praga dos piolhos! Percepções e orientações aos normalistas sobre as formas de contágio, prevenção e combate ao pediculus humanus capitis. 2015. 81f. Monografia (Especialização em Ensino em Biociências e Saúde) - Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de janeiro, RJ, 2015.

SILVA, C. B et al. Atividades de educação em saúde junto ao ensino infantil: relato de experiência. Rev. enferm UFPE, v. 11, supl. 12, p. 5467. 2017.

SILVA, E. A. Sociologia aplicada à enfermagem. Barueri: Manole, 2012.

SILVA, N. F. UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NO COMBATE E CONTROLE DE PEDICULOSES NA ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL. 2015. 30 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Minas Gerais, 2015.

SOUZA, P. A. T. et al. Pediculose na escola: uma abordagem didática. Rev. Universidade Estadual Paulista, cap. 3, p. 528. 2002.

WILCKE, T. et al. Scabies, pediculosis, tungiasis and cutaneous larva migrans in a poor community in northeast Brazil. Acta Trop., v.83, supl. 1, p. 100, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ef.v0i24.76413