PRÁTICAS TRADICIONAIS DE CURA NA COMUNIDADE RURAL RIO VERDE EM GUARAQUEÇABA (PR).

Natália dos Santos Esteves, Marisete Hoffmann-Horochovski, Marisete Hoffmann-Horochovski

Resumo


O presente artigo resulta de um estudo em andamento sobre as práticas tradicionais de cura (rezas e benzimentos, garrafadas e unguentos) na comunidade rural Rio Verde, localizada em Guaraqueçaba, litoral norte do Paraná. Essas práticas, atreladas ao catolicismo popular, são transmitidas oralmente, de geração a geração e dizem muito sobre os modos de vida da comunidade. Todavia, correm o risco de desaparecer por diversas razões, entre as quais: falta de novos aprendizes; fortalecimento de outras crenças religiosas que não aprovam essas atividades; e universalização do acesso à saúde. Por isso, busca-se conhecer mais sobre essas práticas tradicionais de cura por meio da memória de benzedeira e curandeiros (as) da comunidade e das pessoas que as utilizam para cuidar de males do corpo e da alma. Defende-se que essas práticas representam modos de vida e estão associadas ao uso sustentável da biodiversidade, expressando formas de pertencimento territorial da população com o local.

Palavras-chave: Práticas tradicionais de cura. Saúde. Território.


Texto completo:

PDF

Referências


ARCHANJO, L. R. LEITE, D. A. T. A benzeção como prática terapêutica. In: RASIA, J.M.; LAZZARETTI, C. T. Saúde e sistema único de saúde: estudos socioanalíticos. Curitiba: Ed. UFPR, 2014.

BENJAMIN, Walter: Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3.ed.São Paulo: Brasiliense,1987, p 197-221. (Obras escolhidas, v.1)

BOSI, E. Memória e Sociedade, lembranças de velhos. 3. Ed. São Paulo. Companhia das Letras, 1994.

CARDOSO, R. C. L. Aventuras de Antropólogos em campo ou como escapar das armadilhas do método. In: CARDOSO, R. C.L. A Aventura Antropológica. Teoria e Pesquisa 95 -105. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 2004.

CUNHA, M.C. et al (Org). Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, nº 32/2005.

DIEGUES, A. C. S. O Mito Moderno da Natureza Intocada. 6ª edição. Ampliada – São Paulo: Hucitec: Nupaub – USP/CEC, 2008.

ELIADE, M. O Sagrado e o Profano – A essência das religiões. 3ª ed. São Paulo: Editora WMF, 2013.

GEERTZ, Clifford, 2008. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, N.P.M; PEREIRA, E. A. Flor do não esquecimento: Cultura Popular e processos de transformação. Ed. Autêntica. Belo Horizonte/MG, 2002.

HALBWACHS, M. Memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HOFFMANN-HOROCHOVSKI, M. T. Velhas benzedeiras. Mediações – Revista de Ciências Sociais. V.17, n.2, 2012, p. 126-140.

HOFFMANN-HOROCHOVSKI, M. T. Benzeduras, garrafadas e costuras: considerações sobre a prática da benzeção. Guaju – Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável. V1, n.2, 2015, p. 110-126.

IPARDES. Municípios e regiões: Perfil dos municípios, 2001. Disponível em: http://www1.ipardes.pr.gov.br Acesso em: 19 março. 2016.

IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Zoneamento da Área de Proteção Ambiental - Apa de Guaraqueçaba, 2001. Disponível em: http://www1.ipardes.pr.gov.br Acesso em: 19 março. 2016.

LEFF, H. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 8. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LÉVI-STRAUSS, C. O Feiticeiro e sua Magia. In: Antropologia estrutural. Rio de Janeiro. Tempo Brasileiro. 1989, p. 193-213.

MAUSS, M. Ensaios de Sociologia. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

MAPAUS - Master Programacion Ambiente Urbano Sostenible. Alternativas de Desenvolvimento Sustentável nas vilas de Guaraqueçaba. Univesità di ferrara. Pontifica Universidade Católica do Paraná. Curitiba, Setembro de 2007.

NOGATA, C. Levantamento dos recursos naturais, com propriedades medicinais, utilizadas tradicionalmente pela comunidade de Rio Verde, na área de proteção ambiental de Guaraqueçaba, Paraná, Brasil. Trabalho de graduação (Farmacologia) Universidade Federal do Paraná, 2002.

OISHI, C. I. Prevalência de enteroparasitos em duas comunidades quilombolas do litoral paranaense. Trabalho de graduação (Biomedicina) Universidade Federal do Paraná, 2013.

PEREIRA, J. C. O Encantamento da sexta-feira santa: manifestações do catolicismo no folclore brasileiro. Annablume, 2005.

PEREIRA, B. E. Crianças Caiçaras de Guaraqueçaba – PR Relações com a natureza. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) – Universidade de São Paulo. Instituto de Energia e Eletrotécnica. 2011.

QUEIROZ, M. I.P. Identidade nacional, religião, expressões culturais: a criação religiosa no Brasil. In: VIOLA, S. (org.), Brasil & EUA: religião e identidade nacional. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

SANTOS, M. Território e Sociedade: Entrevista com Milton Santos. Editora Perseu Abramo. São Paulo, 2000.

SANTOS, M. Território, Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, F.V. O Ofício das Rezadeiras: Um estudo antropológico sobre as práticas terapêuticas e a comunhão de crenças em Cruzeta/RN. 2007. 296 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, 2007.

SILVA, M.C.; MOREIRA, I.C. A Introdução da Telegrafia no Brasil (1852-1870). Revista da SBHC. Rio de Janeiro, 5 (1), p. 47-62, julho.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/diver.v10i2.55248

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores bases de dados e diretórios;

 

 

 

 

Divers@! Revista Eletronica Interdisciplinar

ISSN - 1983-8921