A disputa entre cosmopolitas e nacionalistas em tempos de justiça anormal: uma defesa do cosmopolitismo a partir de Martha Nussbaum

Joice Graciele Nielsson

Resumo


Em tempos de justiça anormal, a gramática da justiça, capaz de inspirar reivindicações por melhores condições de vida em todo o mundo, apresenta condições igualmente anormais, em que pressuposições até então partilhadas passam a sofrer questionamentos. Neste contexto, o presente artigo parte do diagnóstico apresentado por Nancy Fraser, sobre a anormalidade do contexto atual da justiça, para refletir sobre os desafios representados pela (re)definição dos limites de inclusão/exclusão de seres humanos nesta esfera, ou seja, ao quem da justiça, apresentando como resposta teórica normativa o cosmopolitismo, tal como desenvolvido por Martha Nussbaum, no bojo de seu liberalismo igualitário das capacidades. Nesta perspectiva teórica, o cosmopolitismo se constitui como uma postura moral segundo a qual a principal lealdade moral de uma comunidade deve ser para com o ser comum da humanidade. Independente de quaisquer espécies de diferenciações moralmente irrelevantes deve-se respeitar o valor igual de todos os membros da comunidade humana, configurando-se uma proposta ético-moral a ser implementada por meio de um projeto de educação humanista e cosmopolita.


Palavras-chave


Cosmopolitismo. Fronteiras. Humanidade. Justiça. Patriotismo.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


APPIAH, Kwame Anthony. Patriotas cosmopolitas. In: NUSSBAUM, Martha (Org.). Los limites del patriotismo: Identidad, pertenecia y ciudadanía mundial. Barcelona: Paidós, 2013.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

FALK, Richard. Una revisión del cosmopolitismo. In: In: NUSSBAUM, Martha (Org.). Los limites del patriotismo: Identidad, pertenecia y ciudadanía mundial. Barcelona: Paidós, 2013.

FRASER, Nancy. Fortunas del feminismo. Madrid: Traficantes de Sueños, 2015.

FRASER, Nancy. Justiça anormal. Revista Faculdade Direito Universidade de São Paulo, v. 108, p. 739-768, jan./dez. 2013.

FRASER, Nancy. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 291-308, maio/ago. 2007.

FRASER, Nancy. Reenquadrando a justiça em um mundo globalizado. Lua Nova, São Paulo, v. 77, p. 11-39, 2009.

FRASER, Nancy. Scales of Justice: reimagining political space in a globalizing world. New York: Columbia University Press, 2010.

KYMLICKA, Will. Filosofía política contemporánea. Una introducción. Tradução R. Gargarela. Barcelona: Ariel, 2006.

NUSSBAUM, Martha. Educação e justiça social. Lisboa: Edições pedago, 2014a.

NUSSBAUM, Martha. Emociones políticas. ¿Por qué el amor es importante para la justicia? Barcelona: Paidós, 2014b.

NUSSBAUM, Martha. Fronteiras da justiça. Deficiência, nacionalidade e pertencimento à espécie. São Paulo: Martins Fontes, 2013a.

NUSSBAUM, Martha. Las mujeres y el desarrolho humano. Barcelona: Herder, 2002.

NUSSBAUM, Martha. Los limites del patriotismo: Identidad, pertenecia y ciudadanía mundial. Barcelona: Paidós, 2013b.

PINSKY, Robert. Eros contra Esperanto. In: NUSSBAUM, Martha (Org.). Los limites del patriotismo: Identidad, pertenecia y ciudadanía mundial. Barcelona: Paidós, 2013.

PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano 2013: A ascensão do Sul: progresso humano num mundo diversificado. New York: PNUD, 2013.

RAWLS, John. O direito dos povos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. São Paulo: Formar, 1980.

SINGER, Peter. Um só mundo: a ética da globalização. Tradução Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

STEIN, Ernildo. Introdução ao Método Fenomenológico Heideggeriano. In: Sobre a Essência do Fundamento. Conferências e Escritos Filosóficos de Martin Heidegger. Tradução Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Pensadores), 1979.

WALZER, Michael. Esferas de afecto. In: NUSSBAUM, Martha (Org.). Los limites del patriotismo: Identidad, pertenecia y ciudadanía mundial. Barcelona: Paidós, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v62i3.52235

Direitos autorais 2017 Revista da Faculdade de Direito UFPR

Revista da Faculdade de Direito UFPR. ISSN: 0104-3315 (impresso – até 2013) e 2236-7284 (eletrônico).