MOVIMENTOS SOCIAIS DE DIREITOS HUMANOS, REGIMES AUTORITÁRIOS E TRANSIÇÃO: ANÁLISE COMPARADA BRASIL E ARGENTINA

Arcénio Francisco Cuco, Junior Ivan Bourscheid, Rodolfo Silva Marques

Resumo


O presente texto tem em vista analisar os fatores que influenciaram a atuação dos movimentos sociais de direitos humanos durante a vigência dos regimes autoritários e as implicações dos mesmos para a atuação dos movimentos no processo de transição democrática no Brasil e na Argentina. No trabalho, procuramos responder à seguinte questão: por que na Argentina houve uma grande mobilização dos movimentos sociais em busca de memória e justiça em relação ao regime da junta militar (1976-1983), diferentemente do que ocorreu no Brasil em relação ao governo militar de 1964-1985? Para estabelecermos uma explicação que permitisse alcançar os objetivos traçados neste trabalho, vimos que era necessário que na análise dos dados fossem conjugadas três categorias de fatores explicativos, que por sua vez facilitariam o estabelecimento de variáveis de comparação entre ambos os países. Dessa conjugação de fatores, apuramos que o processo histórico dos regimes autoritários tem um peso importante na análise da atuação dos movimentos sociais nesses países. Para a coleta de dados que sustenta a nossa base comparativa, privilegiamos a revisão bibliográfica.


Palavras-chave


Argentina. Brasil. Movimentos sociais. Regimes autoritários.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v60i2.37421

Revista da Faculdade de Direito UFPR. ISSN: 0104-3315 (impresso) 2236-7284 (eletrônico).