A política externa do governo Lula para a agenda ambiental: uma análise à luz de teorias de processo decisório

Victor de Matos Nascimento

Resumo


O governo Lula (2003-2011) se iniciou no começo do século XXI, período onde o multilateralismo se ampliava. O governo brasileiro, ciente das possibilidades que este arranjo da ordem mundial oferecia, seguia intensificando sua presença em fóruns multilaterais. Nesse sentido, o meio ambiente se apresentou como uma das principais agendas da política externa do país à época. Este artigo analisa esse período à luz de teorias de processo decisório, articulando empiria e reflexões teóricas para compreender o papel da relação entre as dimensões doméstica e internacional na composição da política externa voltada para a agenda ambiental. É feito um estudo de caso da atuação brasileira na COP 15, uma das principais arenas nesse contexto. Como será demonstrado, as pressões advindas da dimensão doméstica, tendo em vista a multiplicidade de agentes e interesses, foram decisivas para a composição da política externa ambiental, bem como a ordem multilateral e o protagonismo do presidente Lula.

Palavras-Chave: Política externa; Meio ambiente; Processo decisório; Multilateralismo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALLISON, G. T. Essence of Decision: Explaining the Cuban Missile Crisis. EUA: Little Brown & Co., 1971.

CAVALCANTE, Thiago; LIMA, Marcos Costa. A política comercial do governo Lula (2003-2010): uma análise comparativa das relações comerciais do brasil com o Mercosul e com o resto do mundo. Século XXI – Revista de Relações Internacionais, v. 4, n. 2, 2013. Disponível em: http://sumario-periodicos.espm.br/index.php/seculo21/article/view/1867. Acesso em 12 dez. 2020.

CERVO, Amado Luiz. Inserção internacional: a formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2008.

COP 15/MOP 5 – Copenhague, Dinamarca (dezembro de 2009). PROCLIMA – Programa Estadual de Mudanças Climáticas do Estado de São Paulo. 2020. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/proclima/conferencia-das-partes-cop/cop-15-mop-5-copenhague-dinamarca-dezembro-de-2009/. Acesso em: 01 dez. 2020.

LEIA na íntegra o discurso de Lula na COP-15. Estadão. 2009. Disponível em: https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,leia-na-integra-o-discurso-de-lula-na-cop-15,484275. Acesso em: 10 dez. 2020.

LOSEKANN, Cristiana. Ambientalistas em movimento no Brasil: entrelaçamentos e tensões entre o Estado e a sociedade durante o governo Lula. Curitiba: Appris, 2014.

ESTEVO, Jefferson dos Santos. Política externa brasileira para mudanças climáticas. In: 3° Encontro Nacional ABRI 2011, 3., 2011, São Paulo. Associação Brasileira de Relações Internacionais, Instituto de Relações Internacionais – USP. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000122011000200033&lng=en&nrm=abn. Acesso em: 10 dez. 2020.

G-20. About the G20. 2020. Disponível em: https://www.g20.org/en/il-g20.html. Acesso em: 10 dez. 2020.

IISD. Earth Negotiations Bulletin. 2009 – 15ª Conference of the Parties to the Framework Convention on Climate Change. Disponível em: https://enb.iisd.org/download/pdf/enb12447e.pdf. Acesso em: 10 dez. 2020.

INPE – Coordenação Geral de Observação da Terra. INPE registra 6.947 km2 de desmatamento na Amazônia em 2017. s/d. Disponível em: http://www.obt.inpe.br/OBT/noticias-obt-inpe/inpe-registra-6-947-km2-de-desmatamento-na-amazonia-em-2017. Acesso em: 02 dez. 2020.

INPE. Taxa de desmatamento na Amazônia. 2018. Disponível em: http://terrabrasilis.dpi.inpe.br/app/map/deforestation?hl=pt-br. Acesso em: 10 dez. 2020.

IPEADATA. Pobreza: número de pessoas pobres – número de pessoas extremamente pobres. s/d. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx. Acesso em: 02 dez. 2020.

KAGEYAMA, Paulo Y.; SANTOS, João Dagoberto dos. Aspectos da política ambiental nos governos Lula. Revistafaac, Bauru, v. 1, n. 2, p. 179-192, out. 2011/mar. 2012.

KEOHANE, Robert O.; MILNER, Helen V. Internationalization and Domestic Politics. New York, Cambridge University Press, 1996.

KRUGMAN, Paul R. Economia Internacional. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2015.

MILNER, Helen V. Interests, Institutions, and Information: Domestic Politics and International Relations. Princeton: Princeton University Press, 1997.

MINGST, Karen. Princípios de Relações Internacionais. Rio de Janeiro: Elsevier. 6ª edição, 2014.

MOOSMANN, Lorenz; URRUTIA, Cristina; SIEMONS, Anne; CAMES, Martin; SCHNEIDER, Lambert. International Climate Change Negotiations: issues at stake in view of the COP 25 UN Climate Change Conference in Madrid. European Parliament. November, 2019. Disponível em: https://www.europarl.europa.eu/thinktank/en/document.html?reference=IPOL_STU(2019)642344. Acesso em: 01 dez. 2020.

ONU. Declaração do Rio sobre meio ambiente. 1992. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/proclima/wp-content/uploads/sites/36/2013/12/declaracao_rio_ma.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.

OSTROM, Elinor. Institutional Rational Choice: An Assessment of the Institutional Analysis

and Development Framework. In: SABATIER, Paul A. Theories of the policy process. Colorado: Westview Press, 2007.

OSTROM, Elinor. Polycentric Systems for Coping with Collective Action and Global Environmental Change. Global Environmental Change, v. 20, n. 4, p. 550-57, 2010.

PEREIRA, Elson de Menezes. Política Externa Brasileira, governança do clima e cooperação: a importância estratégica e operacional do INPE. Tese (Doutorado – Programa de Doutorado Interinstitucional em Relações Internacionais. Brasília-DF: Universidade de Brasilia, 2019.

PUTNAM, Robert D. Diplomacia e política doméstica: a lógica dos jogos de dois níveis. Revista de Sociologia e Política. Vol.18, Nº. 36, p. 147-174, 2010.

ROGOWSKI, Ronald. Institutions as Constraints on Strategic Choice”, 1999. In. LAKE, David; POWELL, Robert. Strategic Choice and International Relations. Princeton: Princeton University Press, 1999.

SILVEIRA, Luciana Torrezan; BURNQUIST, Heloisa Lee. Procedimento para análise de decisão quanto à prevenção de doenças em animais: uma aplicação da Teoria dos Jogos. RESR, Piracicaba, SP, vol. 47, nº 02, p. 435-464, abr/jun, 2009.

TSEBELIS, G. Jogos Ocultos: Escolha Racional no campo da política comparada. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

UNFCCC – United Nations Framework Convention on Climate Change. Communication from the government of Brazil. 2010a. Disponível em: https://unfccc.int/files/meetings/cop_15/copenhagen_accord/application/pdf/brazilcphaccord_app2.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.

UNFCCC – United Nations Framework Convention on Climate Change. Communication from the government of Brazil. 2010b. Disponível em: https://unfccc.int/files/meetings/cop_15/copenhagen_accord/application/pdf/brazilcphaccord2_app2.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.

UNFCCC – United Nations Framework Convention on Climate Change. Provisional agenda and annotations. 2009. Disponível em: https://unfccc.int/resource/docs/2009/cop15/eng/01.pdf. Acesso em: 02 dez. 2020.

VIOLA, Eduardo. O regime internacional de mudança climática e o Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 50, p. 25-46, out. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cg.v9i2.76367

Apontamentos

  • Não há apontamentos.