PRÁTICAS DE ATENÇÃO PERINATAL EM MATERNIDADES DE RISCO HABITUAL: AVALIAÇÃO NA PERSPECTIVA DE MULHERES

Giseli Campos Gaioski Leal, Lillian Daisy Gonçalves Wolff, Luciana Schleder Gonçalves, Aida Maris Peres, Fabio André Miranda de Oliveira

Resumo


O objetivo da pesquisa foi avaliar práticas de atenção perinatal em maternidades de risco habitual, na perspectiva de mulheres. Pesquisa avaliativa, transversal, de abordagem quantitativa, realizada em três maternidades públicas de uma capital do Sul do Brasil. A amostra probabilística constituiu-se de 95 mulheres que vivenciaram o parto normal e nascimento sem intercorrências, internadas no Alojamento Conjunto. Dados coletados entre maio e julho de 2014, mediante entrevista estruturada, foram submetidos à análise descritiva e de frequência. Há evidências de incorporação de práticas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde na rotina das maternidades, entretanto outras necessitam ser aprimoradas. Os resultados fornecem informações úteis aos gestores, visando a garantia dos direitos reprodutivos das mulheres.


Palavras-chave


Assistência perinatal; Políticas públicas de saúde; Direitos reprodutivos; Avaliação em saúde; Avaliação de resultados da assistência ao paciente.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde (BR). Manual prático para implementação da Rede Cegonha. Brasília; 2011.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento. 1996. [acesso 10 nov 2015]. Disponível: http://static.hmv.org.br/wp-content/uploads/2014/07/OMS-Parto-Normal.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual técnico pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. 5 ed. Brasília; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Direttrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília; 2012.

Leal GCG. Avaliação da atenção perinatal na perspectiva dos direitos das mulheres em maternidades de risco habitual [dissertação]. Curitiba (PR): Universidade Federal do Paraná; 2014.

Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Proporção (%) de nascidos vivos com 7 ou mais consultas de pré-natal, por ano, segundo região e escolaridade da mãe. Portal Determinantes Sociais da Saúde. Observatório sobre Iniquidades em Saúde. Rio de Janeiro; 2012. [acesso 10 nov 2015]. Disponível: http://dssbr.org/site/wp-content/uploads/2012/03/Ind030204-20120130.pdf

Domingues RMSM, Hartz ZMA, Dias MAB, Leal MC. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde pública [internet] 2012; 28(3):425-437 [acesso 11 nov 2015]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/csp/v28n3/03.pdf

Leite FMC, Barbosa TKO, Mota JS, Nascimento LCN, Amorim MHC, Primo CC. Perfil socioeconômico e obstétrico de puérperas assistidas em uma maternidade filantrópica. Cogitare Enferm [internet] 2013; 18 (2): 344-50 [acesso 11 nov 2015]. Disponível: http://www.revenf.bvs.br/pdf/ce/v18n2/20.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico 2010: população, educação, renda e condição dos domicílios. Rio de Janeiro; 2011.

Amorim MMR, Porto AMF, Souza ASR. Assistência ao segundo e terceiro períodos do trabalho de parto baseada em evidências. FEMINA [internet] 2010; 38 (11): 583-591 [acesso 11 nov 2015]. Disponível: http://www.febrasgo.org.br/site/wp-content/uploads/2013/05/Feminav38n11_583-591.pdf

Gupta JK, Hofmeyr GJ. Position for women during second stage of labour. Cochrane Review Update Software, the Cochrane Library, Issue, Oxford [internet] 2012 [acesso 11 nov 2015]. Disponível: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14973980

Santos IS, Okazaki ELFJ. Assistência de enfermagem ao parto humanizado. Rev Enferm [internet] 2012; 13 (1): 64-68,67 [acesso 12 nov 2015]. Disponível: http://www.unisa.br/graduacao/biologicas/enfer/revista/arquivos/2012-1-11.pdf

Rance S, Mccourt C, Rayment J, Mackintosh N, Carter W, Watson K. Women’s safety alerts in maternity care: is speaking up enough? BMJ [internet] 2013; 22: 348-55 [acesso 12 nov 2015]. Disponível: http://psnet.ahrq.gov/resource.aspx?resourceID=26173

Brasil. Lei n. 11.108, de 07 de abril de 2005. Altera a Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do SUS. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 08 abr. 2005.

Brasil. Portaria n. 371, de 07 de maio de 2014. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido no SUS. Gabinete do Ministério, Brasília, 08 mai. 2014.

Matos TA, Souzai MS, Santos EKA, Velho IMB, Seibertii ERC, Martins NMA. Contato precoce pele a pele entre mãe e filho: significado para mães e contribuições para a enfermagem. Rev Bras Enferm [internet] 2010; 63 (6): 998-1004 [acesso 12 nov 2015]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n6/20.pdf

Silva MG, Marcelino MC, Rodrigues LSP, Toro RC, Shimo AKK. Violência obstétrica na visão de enfermeiras obstetras. Rev Rene [internet] 2014; 15 (4): 720-728 [acesso 12 nov 2015]. Disponível: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/1514

Cunha AA. Indução do trabalho de parto com feto vivo. FEMINA [internet] 2010; 38 (9): 469-480 [acesso 12 nov 2015]. Disponível: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2010/v38n9/a469-480.pdf

Priddis H, Dahlen H, Schmied V. What are the facilitators, inhibitors, and implications of birth positioning? A review of the literature. Women Birth. Elsevier [internet] 2012; 25 (3): 100-106 [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21664208

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Pereira MN, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública [internet] 2014; 30: 17-47 [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0017.pdf

Organização Mundial da Saúde (OMS). Maternidade segura: Associação Brasileira da Enfermagem Obstétrica (ABENFO). 2009. [acesso 13 nov 2015]. Disponível em: http://abenfo.redesindical.com.br/arqs/materia/56_a.pdf

Elbourne DR, Prendiville WJ, Carroli G, Wood J, Mcdonald S. Prophylactic use of oxytocin in the third stage of labour. Cochrane Database. Syst Rev [online] 2013; 10 [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11687123

Vieira CS, Carvalho RC, Duarte G, Nogueira AAR, Yano K, Quintana SM. Hemorragia puerperal: qual melhor uterotônico para profilaxia? FEMINA [internet] 2007; 35 (7): 435-440 [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://www.febrasgo.org.br/site/wp-content/uploads/2013/05/femina357p437-42.pdf

Westhoff G, Cotter AM, Tolosa GE. Prophylactic oxytocin for the third stage of labour to prevent postpartum haemorrhage. Cochrane Database Syst Rev [internet] 2013; 30(10):CD001808 doi: 10.1002/14651858.CD001808.pub2. [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24173606

Carvalho CCM, Souza ASR, Moraes Filho, OB. Episiotomia seletiva: avanços baseados em evidências. FEMINA [internet] 2010; 38 (5): 265-270 [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2010/v38n5/a008.pdf

Singata M, Tranmer J, Gyte GM. Restricting oral fluid and food intake during labour. Cochrane Database Syst Rev [internet] 2013; 1 (CD003930) [acesso 13 nov 2015]. Disponível: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20091553




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.44426 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133