ADESÃO À HIGIENE DAS MÃOS: INTERVENÇÃO E AVALIAÇÃO

Karen Patricia Pena Trannin, Cássia Regina Vancini Campanharo, Maria Carolina Barbosa Teixeira Lopes, Meiry Fernanda Pinto Okuno, Ruth Ester Assayag Batista

Resumo


Trata-se de pesquisa quantitativa, com os objetivos de observar a adesão à higiene das mãos por profissionais de saúde de um Serviço de Emergência de Hospital Universitário, no estado de São Paulo, e verificar se houve modificação na adesão após a realização de intervenção educativa, entre julho de 2012 e dezembro de 2013. Foram observadas e registradas 5061 oportunidades de higiene das mãos em 120 horas de observação. O maior número de oportunidades foi de profissionais de enfermagem (70,05%), por ser a maior força de trabalho e tender predominantemente à assistência; seguiram-se a equipe médica (17,82%) e fisioterapeutas (12,13%). Observou-se adesão de 28,6% para 38,9% após as ações educativas. Na fase pós-intervenção, todos os profissionais apresentaram maior adesão à higiene das mãos quando comparado ao período pré-intervenção e a adesão foi significativamente maior após a realização de procedimentos assépticos. Conclui-se que a higienização das mãos esteve aquém do esperado e que estratégias educativas favoreceram a adesão.


Palavras-chave


Higiene das mãos; Infecção hospitalar; Pessoal de saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Martino P, Ban KM, Bartoli A, Fowler KE, Saint S, Mannelli F. Assessing the sustainability of hand hygiene adherence prior to patient contact in the emergency department: A 1-year postintervention evaluation. American Journal of Infection Control. 2011 Feb; 39(1):14-8.

Guedes M, Miranda FMA, Maziero ECS, Cauduro FLF, Cruz EDA. Adesão dos profissionais de enfermagem à higienização das mãos: uma análise segundo o modelo de crenças em saúde. Cogitare Enferm. 2012 abr/jun; 17(2): 304-9.

Connie S, Kelly W, Blackhurst D, Boeker S, Diller T, Alper P, Larson E. Hospital hand hygiene opportunities: Where and when (HOW2)? The HOW2 Benchmark Study. American Journal of Infection Control. 2011; 39(1): 19-26

Siegel JD, Rhineheart E, Jackson M, Chiarello L. Health Care Infection Control Practices Advisory Committee-AJIC. Guideline for isolation precautions: preventing transmission of infectious agents in health care settings. American Journal of Infection Control. 2007; 35(10): 65-164. Disponível: http://www.cdc.gov/hicpac/pdf/isolation/Isolation2007.pdf

Primo MGB, Ribeiro LCM, Figueiredo LFS, Sirico SCA, Souza MA. Adesão a pratica de higienização das mãos por profissionais de saúde de um hospital universitário. Revista eletrônica de enfermagem. 2010; 12(2): 266-71.

Oliveira AC, Paula AO. Monitorização da adesão à higiene das mãos: uma revisão de literatura. Acta Paulista de Enfermagem. 2011; 24(3): 407-13.

Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual para observadores: estratégia multimodal da OMS para a melhoria da higienização das mãos. / Organização Mundial da Saúde. Brasília (DF); 2008. Disponível: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/higienizacao_oms/manual_para_observadores-miolo.pdf

Barbosa LR. Correlação entre métodos de mensuração da adesão à higiene das mãos em unidade de terapia intensiva neonatal. Tese apresentada ao Programa de Pós Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. 2010; 145f.

Guideline for hand hygiene in health-care settings. Recommendations of the MMWR Recom Rep 2002; 51 (RR-16): 1-45. Disponível: http://www.cdc.gov/mmwr/pdf/rr/rr5116.pdf

Oliveira AC, Paula AO. Monitoração da adesão à higienização das mãos: uma revisão de literatura. Acta Paul Enferm. 2011; 24(3):407-13.

Gomes CHR, Barros AA, Andrade MCT, Almeida S. Adesão dos profissionais da saúde à lavagem de mãos em enfermarias de clínica médica e cirúrgica. Revista Medica de Minas Gerais. 2007; 17 (1/2): 5-9.

Mota EC, Barbosa DA, Silveira BRM, Rabelo TA, Silva NM, Silva PLN. Higienização das mãos: uma avaliação da adesão e da prática dos profissionais de saúde no controle das infecções hospitalares. Rev Epidemiol Control Infect. 2014; 4(1):12-17.

Rosa TP, Magnago TSBS, Lima SBS, Schimidt MD, Silva RM. Perfil dos pacientes atendidos na sala de emergência do pronto socorro de um hospital universitário. R Enferm UFSM. 2011; 1(1):51-60

Prado MF, Oliveira ACJ, Nascimento TMB, Melo WA, Prado DB. Estratégia de promoção à higienização das mãos em unidade de terapia intensiva. Cienc Cuid Saude. 2012; 11(3):557-564

Santos TCR, Roseira CE, Piai-Morais TH, Figueiredo RM. Higienização das mãos em ambiente hospitalar: uso de indicadores de conformidade. Rev Gaúcha Enferm. 2014; 35(1):70-77.

Santos FM, Gonçalves VMS. Lavagem das mãos no controle da infecção hospitalar: um estudo sobre a execução da técnica. Revista Enfermagem Integrada. 2009; 2(1): 152-153.

Coelho MF, Chaves LDP, Anselmi ML, Hayashida M, Santos CB. Análise dos aspectos organizacionais de um serviço de urgências clínicas: estudo em um hospital geral do município de Ribeirão Preto, SP, Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010; 18(4): 09.

Barretella D, Marchiori GCSZ, Lamante MPS, Camarão RR, Pinheiro TCP. Comportamento do profissional de enfermagem de nível médio na higiene das mãos.

K. Graf et al. Hand hygiene compliance in transplant and other special patient groups: An observational study. American Journal of Infection Control xxx (2013) 1-6




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.44246 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133