Religião e performances corporais: etnografia com alunos evangélicos da zona rural de uma escola pública de Minas Gerais

Sandra de Fatima Pereira Tosta, Weslei Lopes da Silva, Lucimara Aparecida Lima Costa

Resumo


Este artigo tem como objetivo compreender, apreender e interpretar, com a realização de uma etnografia numa escola estadual da zona rural de Minas Novas-MG, com um grupo de jovens alunos cujo pertencimento religioso é pela Igreja Evangélica Assembleia de Deus, como os jovens pensam e reagem às alteridades que carregam e visibilizam no ambiente escolar, por meio, sobretudo, de suas performances corporais nas aulas de Educação Física. Para isso, foram utilizados observação participante, caderno de campo, inclusive pelos alunos, entrevistas e depoimentos orais. O resultado revelou que eles se constroem como corpo marcado por uma lógica religiosa, na articulação entre o subjetivo e o social. Alguns dos alunos flexibilizam algumas regras e preceitos da Igreja a partir de seu entendimento da religião e comportamentos pessoais, pois incorporam marcas socioculturais que comunicam significados e simbologias que possibilitam sua distinção como fiel.

Palavras-chave


Etnografia; Escola rural; Aluno evangélico; Performance corporal

Texto completo:

PDF

Referências


Baudrillard, J. (1991). Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio D’Agua.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira.

Clifford, J. (2002). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro:

UFRJ.

Dauster, T.; Tosta, S. P.; Rocha, G. (orgs.). (2012). Etnografia e educação. Rio de Janeiro: Lamparina.

De Lauretis, T. (1994). A tecnologia de gênero. In: H. B. Holanda (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco.

Feixa, C. (2014). De la generacion@ a la #generacion. Barcelona: Ariel.

Goldenberg, M. (2006). O corpo como capital: para compreender a cultura brasileira. Arquivos e Movimento,

(2), 115-123. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/9083.

Gonçalves, J. R. (2002). Apresentação. In: J. Clifford. A experiência etnográfica: antropologia e literatura

no século XX (pp. 7-16). Rio de Janeiro: Ed. UFRJ.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População residente, segundo a religião - 2010. Resultados

gerais da amostra - Tabela 1489 com números reais adaptados com o acréscimo da percentagem.

Disponível em: http://downloads.ibge.gov.br/downloads_estatisticas.htm. Acesso em: 01 nov. 2014.

Köhler, C. (1996). História do vestuário. São Paulo: Martins Fontes.

Laqueur, T. (2001). Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Le Breton, D. (2011). Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Magnani, J. G. C & Souza, B. M. (org.). (2007). Jovens na metrópole: etnografias de circuitos de lazer, encontro e sociabilidade. São Paulo: Terceiro Nome.

Maia, C. L. (2010). Cartografias juvenis: mudanças e permanências nos territórios e modos de ser jovem

(Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-8FNQE4

Malinowski, B. (1984). Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril.

Mariano, R. (2004). Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal do Reino de Deus.

Estudos Avançados, 18(52), 121-138. https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000300010

Mauss, M. (1974). Sociologia e Antropologia. São Paulo: Edusp.

Merleau-Ponty, M. (1994). Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes.

Najmanovich, D. (2002). Pensar/viver a corporalidade para além do dualismo. In: R. L. Garcia (org.). O corpo que fala dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: DP&A.

Novaes, R. et al. (2016). Juventude, religiosidade, territórios e

redes: reflexões sobre resultados de pesquisas. In: Agenda Juventude Brasil: leituras sobre uma década de mudanças (pp. 233-263). Rio de Janeiro: Unirio. Disponível em: https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/133

Oliveira, R. C. (2006). O trabalho do antropólogo. 2ª ed. São Paulo: Paralelo 15/Unesp.

Peirano, M. (2019). A eterna juventude da antropologia: etnografia e teoria vivida. In: R. Guber (coord.). Trabajo de campo en América Latina: experiencias antropológicas regionales en etnografía. (pp. 169-181). Bogotá : Campus editorial/Sb editorial.

Pereira, A. B. (2018). Um rolê pela cidade de riscos. São Carlos: EdUFSCAR.

Rigoni, A. C. C. & Prodócimo, E. (2013). Corpo e religião: marcas da educação evangélica no corpo feminino. Revista Brasileira Ciências do Esporte, 35(1), 227-243. https://doi.org/10.1590/S0101-32892013000100017

Rosaldo, M. (1979). A mulher, a cultura e a sociedade: uma revisão teórica. In: M. Rosaldo & L.

Lamphere (coords.). A mulher, a cultura e a sociedade (pp. 33-64). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Sposito, M. P.; Souza, R. & Silva, F. A. (2018). A pesquisa sobre jovens no Brasil: traçando novos desafios a partir de dados quantitativos. Educação e Pesquisa, 44:e170308. Epub 21 dez. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/s1678-4634201712170308

Tosta, S. P et al. (2016). Culturas urbanas: georreferenciamento e análise cultural de grupos juvenis em sua relação com a escola e com a cidade de Belo Horizonte/MG. Territórios de cultura: educação, arte e tecnologia na cidade de Belo Horizonte MG/Brasil. Relatório Técnico Científico. Belo Horizonte:

PUC Minas; CNPq.

Tosta, S. P. & Diniz, A. (2020). Territórios de cultura: Educação, arte e tecnologia na cidade de Belo Horizonte MG/ Brasil. Belo Horizonte: PUC Minas. Disponível em: https://www.editora.pucminas.br/obra/territorios-de-cultura-educacao-arte-e-tecnologia-na-cidade-de-belo-horizonte-mg-brasil-pdf

Vale de Almeida, M. (1996). Corpo presente: treze reflexões antropológicas sobre o corpo. Portugal: Etnográfica Press.

Vieira, R. (2003). Vidas revividas: etnografia, biografias e a descoberta de novos sentidos. In: T. H. Caria (org.). Experiência etnográfica em Ciências Sociais (pp. 76-96). Porto: Edições Afrontamento.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i1.74192

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM