Mulher, Vida e Liberdade: gênero, etnicidade e ecologia no movimento de mulheres Curdas em Rojava

Flávia Paniz

Resumo


O presente artigo busca apresentar um debate sobre as articulações entre gênero e ecologia nos movimentos organizados de mulheres curdas, situados majoritariamente no território declarado autônomo conhecido como Kobane, na região norte da Síria. No texto, buscarei abordar o confederalismo democrático como modelo de organização política que vem sendo mobilizado no seio das militâncias curdas, elaborado com o propósito de implementar a igualdade de gênero como agenda política nacional curda. Como conclusão, apresentarei uma reflexão sobre como o lema Jîn, Jîan e Azadî (mulher, vida e liberdade, respectivamente) orientam as perspectivas de restruturação da vida produtiva e reprodutiva das mulheres curdas, e como este processo  pode dialogar com os debates em torno do antropoceno e dos feminismos pós-coloniais produzidos a partir de estudos e reflexões sobre diferentes comunidades indígenas e quilombolas na América Latina.


Palavras-chave


questão curda, gênero, ecologia, Oriente Médio

Texto completo:

PDF

Referências


AL-ALI, Nadje; PRATT, Nicola. 2011. “Between nationalism and women’s rights”: the kurdish women’s movement in iraq.

Middle East journal of culture and communication: Leiden. pp. 337–353.

BOZARSLAN, Hamit. 2007. “La question Kurde. États, minorities au Moyen-Orient”. Paris: Presses de la fondation nationale des Sciences Politiques.

COSTA, Alexandre Araújo. 2014. “Sobre Crise Ecológica, Violência e Capitalismo no Século XXI”. Anais de eventos: Os mil nomes de Gaia , Rio de Janeiro.

DANOWSKI, Déborah; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2015. Há mundo por vir? Ensaios sobre os medos e os fins. São Paulo: Instituto Socioambiental.

DONOVAN, Josephine. 1990. “Animal Rights and Feminist Theory”. Signs 15 (2): 350-375.

ESBORRAZ, David Fabio. 2016. “El modelo ecológico alternativo latinoamericano entre protección del derecho humano al medio ambiente y reconocimiento de los derechos de la naturaliza”. Rev. Derecho Estado n°.36 Bogotá Jan./June.

FAUSTO, Juliana. 2014. “Os desaparecidos do Antropoceno”.

Anais de eventos: Os mil nomes de Gaia, Rio de Janeiro.

FLACH, Anja. 2007. Frauen in der kurdischen guerilla: motivation, identität und geschlechterverhältnis in der frauenarmee der pkk. Köln: papyrossa publishers.

GIRALDO, Omar Felipe. 2014. “Utopías en la era de la supervivencia. Una interpretación del Buen Vivir”. Polis

(40), Editorial Itaca, México D.F.

GUNES, Cengiz. 2012. The Kurdish National Movement in Turkey: From protest to resistance. London e New York: Routledge publishers.

HAIDAR, Victoria; BERROS, María Valeria. 2015. “Hacia un abordaje multidimensional y multiescalar de la cuestión ecológica: La perspectiva del buen vivir”. Revista Crítica de Ciências Sociais n.108.

KOWARSCH, Kilic. 2007. Psychological consequences of trauma experiences on the development of kurdish migrant women in the european union. Final results and background of a survey in five european countries and Turkey. Rotterdam: International free women’s foundation.

LOZADA, Ricardo Andrés. 2016. “O sistema internacional no antropoceno”. Revista Brasileira de Ciências Sociais 31 (92).

LUGONES, María. 2014. “Rumo a um feminismo descolonial”.

Estudos Feministas , 22(3): 935-952.

MINA ROJAS, Charo; MACHADO, Marilyn; BOTERO MOSQUERA, Patricia; ESCOBAR, Arturo. 2015. “Luchas del buen vivir por las mujeres negras del Alto Cauca”. Nómadas, n°.43.

MOJABI, Shahrzad. 2001. “The solitude of the stateless: kurdish women at the margins of feminist knowledge”. In: Women of non-state nation: the kurds. Mazda publishers, p.1-22.

NODARI Alexandre. 2014. “Limitar o limite: modos de subsistência”. Anais de eventos: Os mil nomes de Gaia, Rio de Janeiro.

ÖCALLAN, Abdullah. 2008. Guerra e paz no Curdistão. Perspectivas para uma solução política da questão curda.

International initiative freedom for abdullah ocalan- peace in kurdistan, Köln.

ÖCALLAN, Abdullah. 2016. Confederalismo Democrático

. Rio de Janeiro: Editorial Rizoma.

ROMANO, David. 2006. The Kurdish Nationalist Movement Opportunity, mobilization, and identity.New York: Cambridge University Press.

STENGERS, Isabelle. 2014. “Gaia, the Urgency to Think (and Feel)”. Anais de eventos: Os mil nomes de Gaia, Rio de Janeiro.

TADDEI, Renzo. 2014. “Alter geoengenharia”. Anais de eventos: Os mil nomes de Gaia, Rio de Janeiro.

VALENCIA, Érika Carcaño. 2008. “Ecofeminismo y ambientalismo feminista. Una reflexión crítica”. Argumentos

(56), México ene./abr.

VALENTIM, Marco Antonio. 2014. “A sobrenatureza da catástrofe”. Anais de eventos: Os mil nomes de Gaia, Rio de Janeiro.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2010. Metafisicas canibales. Lineas de antropología pós estructural. Buenos Aires/ Madrid: Katz Editores.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v19i2.62051

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista