Mulher, Vida e Liberdade: gênero, etnicidade e ecologia no movimento de mulheres Curdas em Rojava

Flávia Paniz

Resumo


O presente artigo busca apresentar um debate sobre as articulações entre gênero e ecologia nos movimentos organizados de mulheres curdas, situados majoritariamente no território declarado autônomo conhecido como Kobane, na região norte da Síria. No texto, buscarei abordar o confederalismo democrático como modelo de organização política que vem sendo mobilizado no seio das militâncias curdas, elaborado com o propósito de implementar a igualdade de gênero como agenda política nacional curda. Como conclusão, apresentarei uma reflexão sobre como o lema Jîn, Jîan e Azadî (mulher, vida e liberdade, respectivamente) orientam as perspectivas de restruturação da vida produtiva e reprodutiva das mulheres curdas, e como este processo  pode dialogar com os debates em torno do antropoceno e dos feminismos pós-coloniais produzidos a partir de estudos e reflexões sobre diferentes comunidades indígenas e quilombolas na América Latina.


Palavras-chave


questão curda, gênero, ecologia, Oriente Médio

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v19i2.62051

Direitos autorais 2019 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista