Com quantos medos se constrói uma bruxa? Misoginia e demonização da mulher no Brasil Colonial.

Carolina Rocha Silva

Resumo


Durante um longo período da história, padres, administradores, filósofos médicos, juristas, escritores e artistas argumentavam em seus programas educacionais, nos seus escritos e registros que as mulheres possuíam uma natural inclinação para os comportamentos considerados criminosos e desviantes. Além disso, reforçavam sua inferioridade física e moral perante os homens, e, assim, defendiam, em suas respectivas áreas, a inferioridade estrutural do sexo feminino. Entre os séculos XV e XVIII, milhares de mulheres foram denunciadas, processadas e torturadas pelo crime de Bruxaria na Europa e também nos territórios colonizados por esse continente. Na América, mulheres negras e indígenas, escravizadas, tiveram suas práticas e ritos mágico-religiosos criminalizados e demonizados a partir de um projeto de poder racista e escravocrata, que os reduziu ao seu potencial para o mal. Este artigo resgata a história de duas mulheres, escravizadas, Joana e Custódia de Abreu, que teriam participado de encontros noturnos firmados por pactos diabólicos no Piauí colonial. Existem muitos relatos que comprovam como o uso da magia era constante no Brasil colonial, seja para resolver problemas práticos do dia a dia, seja para conquistar benesses materiais ou ainda como forma de resistência ao sistema escravista e à dominação portuguesa. O artigo analisa historicamente a segunda metade do século XVIII, mas os temas são totalmente atuais: demonização de práticas religiosas, pluralidade religiosa, escravidão, o ódio às mulheres, dentre outros.


Palavras-chave


mulheres; feitiçaria, escravidão; inquisição

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, Verena. 1996. “A existência na História: revelações e riscos da Hermenêutica”. Estudos Históricos – Historiografia. Rio de Janeiro. 9(17): 39.

ANTT, Il. Caderno do Promotor n.121. Livro 313, n.125-126-127.

BLOCH, R. Howard. 1995. Misoginia Medieval e a invenção do amor romântico ocidental. Rio de Janeiro: Editora 34.

CALDAS, Glícia. 2006. A Magia do Feitiço: apropriações africanas no Brasil Colônia. In: II Simpósio Internacional sobre Religiões, Religiosidade e Culturas, Dourados/MS- Brasil. https://doi.org/10.11606/issn.1980-7686.v1i1p127-144

DELUMEAU, Jean. 1989. História do Medo no Ocidente: 1300-1800. São Paulo: Companhia das Letras.

FALCI, Miridan Britto Knox. 1995. Escravos do sertão: demografia, trabalho e relações sociais. Teresina: Fund. Mons. Chaves.

GINZBURG, Carlo. 1991. A micro-história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand.

GINZBURG, Carlo. 2012. História Noturna. São Paulo: Companhia das Letras.

KRAMER, H. & SPRENGER, J. 2007. Melleus Maleficarum/O martelo das bruxas. Tradução de Alexander Freak, p. 20-25. Disponível em: http://www.mkmouse.com.br/livros/malleusmaleficarum--portugues.pdf.

LEITE, Serafim. 1949. História da Companhia de Jesus no Brasil, tomo IX, p.125.

LEVACK, Brian P. 1988. A caça às bruxas na Europa Moderna. Rio de Janeiro: Campus.

LOPES, Nei. 2004. Enciclopédia brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro.

MEDEIROS, Ricardo Pinto de. 2009. Povos indígenas nas guerras e conquista do sertão nordestino no período colonial. Clio – Série revista de pesquisa histórica 27-1: 331-361.

MINOIS, Georges. 2003. O Diabo: origem e evolução histórica. Trad. Augusto Joaquim. Lisboa: Terramar.

MOTT, Luiz. 2006. Transgressões na calada da noite: um sabá de feiticeiras e demônios no Piauí colonial. Textos de História 14: 57-84.

MOTT, Luiz. 1986. Acotundá: Raízes Setecentistas do Sincretismo Religioso Afro-Brasileiro. Revista do Museu Paulista 31: 124-147.

PAIVA, José Pedro. 1997. Bruxaria e Superstição num país sem “caça às bruxas” – 1600-1774. Lisboa: Notícias.

SOUZA, Laura de Mello. 1993. O diabo e a terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras.

SOUZA, Laura de Mello. 1993. O Inferno Atlântico: Demonologia e Colonização – séculos XVI-XVIII. São Paulo: Companhia das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v19i2.61722

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista