Gente alta é parente do tuiuiú, baixa é da anta: alteridades antropomórficas

Adriana Werneck Regina

Resumo


São partilhadas neste artigo refl exões sobre as qualidades destacadas pelos Panará quando reconhecem o estatuto de sujeito do jaburu e da anta. A partir de narrativas da origem da mulher e das práticas sociais a elas conectadas, é explicitado que a condição de humanidade é incompleta para iden- tifi car tais subjetividades e que a relação ancestral do homem com elas desdobrou-se em transforma- ções nas maneiras de viver, bem como na forma corporal humana. Tornar inteligível a afi rmativa de que gente alta descende de jaburu e baixa de anta entremeia o texto, contornando um antropomorfi smo heterogêneo. Um corpo tornar-se muitos é outro aspecto explorado na simbolização do jaburu, da anta e da mulher, esta signifi cada como surgida da transformação daquelas espécies. A alteridade antropo- mórfi ca no humano, evocando a presença destes ancestrais, explicita a coexistência da animalidade na espécie humana.


Palavras-chave


Panará; corpo; animalidade; alteridade; mulher

Texto completo:

PDF

Referências


ARNT, Ricardo; Lúcio Flávio Pinto; Raimundo Pinto. 1998. Panará: a volta dos índios gigantes. São Paulo: Instituto Socioambiental.

BRASIL. Ministério da Educação; Fundação Nacional do Índio; Associação IPREN-RE. 2007. Mebêngôkre me Panãra me Tapajúnanhõpykakarõnejã. Panãra me Mebêngôkre me Tapajúna Jô kypaprepihãkia. Tapajúna me Panãra me Mebêngôkrenhõhwykakarõrõtujare na itha. Atlas dos Territórios Mebêngôkre, Panará e Tapajúna. Brasília: MEC.

CARNEIRO FILHO, Arnaldo; Oswaldo Braga de Souza. 2009. Atlas de Pressões e Ameaças às Terras Indígenas na Amazônia Brasileira. São Paulo: Instituto Socioambiental.

COELHO DE SOUZA, Marcela Stockler. 2002. O traço e o círculo. O conceito de parentesco entre os jê e seus antropólogos. Tese de doutoramento em Antropologia Social. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

COELHO DE SOUZA 2001. "Nós, os vivos. A "construção do parentesco" entre alguns grupos Jê." RBCS 16(46):69-96.

https://doi.org/10.1590/S0102-69092001000200004

DESCARTES, René. 1996. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Editora Nova Cultural.

DESCOLA, Philippe. 1986. “Le monde des jardins”. In: La nature domestique: symbolisme et práxis dans l´écologie des Achuar. Paris: Ed. de la Maison des Sciences de L´Homme.

DESCOLA, Philippe. 2001. “Construyendo naturalezas. Ecologia simbólica y práctica social”. In: Ph. Descola & G. Pálsson (orgs.). Naturaleza e Sociedad. Perspectivas Antropológicas. México: Siglo Veintiuno Editores

DESCOLA, Philippe & Gísli Pálsson (orgs.). 2001. Naturaleza e Sociedad. Perspectivas Antropológicas. México: Siglo Veintiuno Editores.

EWART, Elizabeth J. 2000. Living with each other: selves and alters amongst the Panara of Central Brazil. PhD Dissertation. London: University of London.

EWART, Elizabeth J. 2005. "Fazendo pessoas e fazendo roças entre os Panará do Brasil Central". Revista de Antropologia 48 (1): 9-35

https://doi.org/10.1590/S0034-77012005000100001

GIRALDIN, Odair. 1994. Cayapó e Panará. Luta e sobrevivência de um povo. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Campinas: Universidade Estadual de Campinas

INGOLD, Tim. 1995. “Humanidade e animalidade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais 28 (10): 39-54.

INGOLD, Tim. 2004. "Culture on the ground, the world perceived through the feet". Journal of Material Culture 9 (3): 315-340. https://doi.org/10.1177/1359183504046896

KIERÃS YÕ S TI. Diretor: Paturi Panará; Komoi Panará. Aldeia Nãsêpotiti, Terra Indígena Panará (MTPA): Projeto Vídeo nas Aldeias, 2005. DVD (51 min.), color., legendado.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1973. Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1993. Antropologia Estrutural II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1991. O Cru e o Cozido. Mitológicas. São Paulo: Brasiliense. MAUSS, Marcel. 2003. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

SCHWARTZMAN, Stephan. 1988. The Panara of the Xingu Nacional Park: the transformation of a society. PhD Dissertation. Chicago: University of Chicago.

SCHWARTZMAN, Stephan. 1992. Os Panará do Peixoto de Azevedo e Cabeceiras do Iriri: História, Contato e Transferência ao Parque do Xingu (Documentação do CEDI, 02/02/83; PZD 00019).

SEEGER, A.; Roberto Da Matta; Eduardo Viveiros de Castro. 1987. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. In João Pacheco de Oliveira (org.). Sociedades Indígenas e Indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

STRATHERN, Marilyn. 2004. Partial Connections. Oxford: Updated Edition.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2000. “Atualização e contra-efetuação do virtual na socialidade amazônica: o processo de parentesco”. Ilha 2(1):5-46. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/14635

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2012. “Cosmological perspectivism in Amazonia and elsewhere”. Hau 1:45-168.

WAGNER, Roy. 2010. "Existem grupos sociais nas Terras Altas da Nova Guiné?". Cadernos de Campo 19: 237-257

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v19i19p237-257

WAGNER, Roy. 2010. 2012. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify

WERNECK-REGINA, Adriana. 2013. Mitopoética na percepção da natureza na aprendizagem Panará. Dissertação de mestrado em Educação. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v17i1.47490

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM