Do corpo da biologia ao corpo da máquina: algumas considerações a partir do esporte

Eduardo Galak, Fabio Zoboli, George Saliba Manske

Resumo


O esporte se caracteriza historicamente como um dos territórios de maior expressão e conservação cultural da redução do ser humano à condição de matéria biológica com a finalidade de transformá-lo em um objeto da técnica a fim de melhorar seu rendimento. Por tal motivo, talvez o esporte seja a prática na qual mais se utiliza a metáfora do corpo como máquina. Neste sentido, o presente ensaio tem como objetivo interpelar a relação do corpo considerado biológico com o surgimento do corpo pensado como máquina, apresentando de modo sintético algumas transformações científicas que pautaram esquemas de percepções e ação que possibilitaram as metáforas do corpo com o maquínico. Busca, também, discutir sobre as transformações dessa relação do corpo-máquina por meio das tecnologias de vida contemporânea que permitem deslocamentos em sua compreensão biológica e ontológica, além de referir os efeitos dessas tecnologias nas manifestações esportivas e em atletas de alto rendimento.


Palavras-chave


Corpo; Biologia; Tecnologia; Esporte.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jlasss.v12i1.73190