ANESTESIA PARA CORREÇÃO CIRÚRGICA DA PERSISTÊNCIA DO DUCTO ARTERIOSO EM CÃES: RELATO DE CASOS ENTRE 2015 - 2020.

Viviane Luize Bosak, Luiza Dayrell, Ana Paula Da Veiga Argus, Marlos Gonçalves Sousa, Peterson Triches Dornbusch, Juan Carlos Duque Moreno

Resumo


A persistência do duto arterioso é a anormalidade cardiovascular congênita mais comum em cães, ocorre quando o ducto não se fecha após a vida fetal e há desvio do fluxo da aorta para artéria pulmonar. A correção aumenta a expectativa de vida, porém as sequelas podem não se resolver completamente, por isso a cirurgia deve ocorrer na maior brevidade. A técnica para a correção mais tradicional é a ligadura cirúrgica por toracotomia. No entanto, procedimentos minimamente invasivos, como o transvascular e por toracoscopia têm sido descritos (SAUNDERS et al. 2014). A hemorragia, complicação mais comum do procedimento por ligadura, pode ocorrer em mais de 6% dos casos e, quando presente, é fatal em 79% dos casos. Também tem sido observada parada cardíaca durante a oclusão ou após a indução anestésica. Imediatamente após a correção pode ser observada diminuição da frequência cardíaca e aumento da pressão arterial diastólica, fenômeno denominado reflexo ou sinal de Branham (HUNT et al. 2001; SAUNDERS et al. 2014). A literatura sobre o manejo da anestesia nesses pacientes é escassa, por isso este trabalho procurou descrever a analgesia e anestesia, além das complicações e seu tratamento, pela avaliação retrospectiva dos últimos cinco anos em que 10 cães foram submetidos a correção de PDA por toracotomia videoassistida no HV – UFPR. Nove fêmeas e um macho, classificados segundo o American Society of Anesthesiologists como 3 (2 – 4), com idade média de 11,7 ± 10,5 meses (2 – 36) e com peso médio de 4,4 ± 4,7 kg (0,8 – 16,6), das raças Yorkshire terrier, Spitz alemão, Pinscher, Poodle ou sem raça definida. Todos os cães receberam anestesia locorregional, três o bloqueio do plano serrátil superficial (SSPB) guiado por ultrassom e o restante o bloqueio anestésico intercostal. O opioide sufentanil e midazolam foram administrados em seis animais (0,2 - 0,5 µg/kg e 0,3 mg/kg, respectivamente) na medicação pré-anestésica e etomidato associado a midazolam na indução (1 - 4 mg/kg e 0,2 - 0,3 mg/kg, respectivamente). Dois animais necessitaram da associação com o propofol (2 - 3 mg/kg) para facilitar a indução anestésica. Para manutenção da anestesia foi utilizada a anestesia intravenosa total (propofol-remifentanil) em quatro cães, anestesia parcial intravenosa em quatro cães (isofluorano-propofol-remifentanil ou isofluorano-remifentanil) e dos animais receberam exclusivamente isofluorano. A infusão de remifentanil foi administrada em 60% dos cães. Apenas um caso de hemorragia ocorreu, sendo rapidamente revertida com a autotransfusão. Esse mesmo paciente também foi o único a apresentar o sinal de Branham, sendo necessária a infusão de nitroprussiato de sódio durante as primeiras duas horas de pós-operatório. A metade dos cães apresentou hipotensão com normalização após ajuste do plano anestésico, dobutamina ou desafio volêmico. A hipotermia ocorreu em 40% e em 10% houve bradicardia responsiva à atropina. Até o momento nenhum óbito foi registrado durante os procedimentos anestésicos. Todas as complicações foram resolvidas com sucesso e a aplicação do SSPB mostrou também fornecer analgesia pós-operatória nas primeiras horas, sugerindo ser uma nova opção de anestesia loco regional guiado por ultrassom nestas cirurgias.


Palavras-chave


analgesia; hemorragia; opioide; toracoscopia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v15i5.77128

 Creative Commons License

BASE DE DADOSScopus  Sumário.Org  Google Scholar  BASE  Dimensions  DIRETÓRIOS:  Open Air  Genamics  EZB  Diretório Luso brasileiro  ROAD  Latindex  REDIB  Journal 4-free  PORTAIS:  LiVre  Capes  Science Open  World Wide Science  ÍNDICES:  Index Copernicus  Cite Factor