EFICÁCIA DO PRODUTO A BASE DE EPRINOMECTINA 2% CONTRA Haemonchus placei, Cooperia pectinata, Cooperia punctata, Oesophagostomum radiatum E Trichostrongylus axei EM BOVINOS ARTIFICIALMENTE INFECTADOS

Andressa Aparecida de Lima Reis, Debora Azevedo Borges, Ygor Henrique da Silva, Janaína Pires Quintal, Gabriel Alcides Capucho de Lima, Daniela de Oliveira Rocha, Isabela Scalioni Gijsen, Fabio Barbour Scott

Resumo


Prejuízos causados por helmintoses em bovinos ocorrem por ação direta, pelos danos ao rebanho, e indireta, resultantes do custo financeiro para o controle parasitário. A prática de controle estratégico, com utilização correta de anti-helmínticos e manutenção de cargas parasitárias, podem gerar resultados satisfatórios para um rebanho quanto a aspectos de produtividade. A eprinomectina, , pertence ao grupo das lactonas macrocíclicas e possui ação endectocida. O estudo teve como objetivo avaliar a atividade anti-helmíntica da eprinomectina 2%, pela via injetável subcutânea, empregada na dose de 200mcg/Kg de peso corporal, em bovinos artificialmente infectados por nematódeos gastrintestinais. Doze bovinos mestiços foram infectados artificialmente com uma cultura mista de 150.000 L3 de uma cultura de Haemonchus placei, Cooperia pectinata, Cooperia punctata, Oesophagostomum radiatum e Trichostrongylus axei (CEUA IV/UFRRJ 9867250516). Após 42 dias os animais foram divididos em grupo controle e tratado, randomizados de acordo com as contagens médias de OPGs (ovos por gramas de fezes) realizadas nos dias -7 e -2. No dia 0 os animais tratados. Foram realizadas as contagens de OPGs dos animais nos dias +1, +3, +5, +7 +9, +11 e +13. Os animais foram eutanasiados e necropsiados nos dias +14 e +15. O número médio das contagens de OPGs e o número de helmintos presentes nos bovinos tratados foram estatisticamente menores que nos bovinos do grupo controle (p≤0,05). No grupo tratado foram encontrados por animal uma média de 355 espécimes de C. pectinata, 84,5 de T. axei, 445,67 de H. placei, 818,33 de C. punctata e 29,17 de O. radiatum. Já no grupo tratado a média de parasitos encontrados por animal foi de zero para C. pectinata e T. axei, 3,33, 20 e 1,33 para H. placei, C. punctata e O. radiatum respectivamente. Houve eficácia de 100% para C. pectinata e T. axei, 99,25% para H. placei, 97,56% C. punctata e 95,43% para O. radiatum. Como no presente estudo, testes anti-helmínticos controlados e estudos de redução de OPG realizados em outros países relatam a eficácia da eprinomectina, gerando uma nova perspectiva para o controle de helmintos gastrintestinais de bovinos, com o uso seguro de uma lactona macrociclica em vacas em lactação. Conclui-se que o produto se mostrou efetivo contra as espécies H. placei, C. pectinata e T. axei e efetivo contra C. punctata O. radiatum. em teste controlado.


Palavras-chave


controle; helmintoses, lactonas-macrocíclicas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v15i5.77125

 Creative Commons License

BASE DE DADOSScopus  Sumário.Org  Google Scholar  BASE  Dimensions  DIRETÓRIOS:  Open Air  Genamics  EZB  Diretório Luso brasileiro  ROAD  Latindex  REDIB  Journal 4-free  PORTAIS:  LiVre  Capes  Science Open  World Wide Science  ÍNDICES:  Index Copernicus  Cite Factor