SE É FUTEBOL, É MASCULINO?

Cláudia Samuel Kessler

Resumo


Comumente, em referência a atletas de futebol, evoca-se uma masculinidade tradicional (BONINO, 2008), definida como modelo social hegemônico. No presente artigo, refletir-se-á sobre a chamada "área reservada masculina" (MAGUIRE & DUNNING, 1997), considerada como relevante à manutenção das estruturas patriarcais. A partir de coberturas jornalísticas veiculadas na mídia brasileira e dados etnográficos de pesquisa com jogadoras do Rio Grande do Sul, procurar-se-á entender como as características consideradas masculinas aparecem e de que forma influenciam nas práticas por elas realizadas.

Palavras-chave


Masculinidade. Feminilidade. Futebol.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/sclplr.v0i1.64807

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




©2018 - SOCIOLOGIAS PLURAIS – Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Paraná

Email: sociologiasplurais@gmail.com | Endereço: Rua General Carneiro, 460 - 9º andar | 80.60-150

Curitiba - PR | Universidade Federal do Paraná