O MAL ESTAR DO SER COMO DESAFIO À ÉTICA E À TEOLOGIA

Ocir de Paula Andreata

Resumo


O problema do mal se apresenta como um grande desafio ao saber humano, principalmente às chamadas ciências do espirito, dada a abrangência de sua manifestação nas diversas dimensões da vida, na complexidade de sua compreensão e nas ameaças ao cuidado do ser. O ser humano está diretamente implicado na questão do mal por ter consciência de si e do outro, por ser capaz de livre escolha e por possuir responsabilidade moral. A busca de compreensão do que seja o mal vem desde a Antiguidade com pensadores da filosofia, teologia e ciência, que em suas obras discutem a questão nas suas dimensões ontológica, metafísica e pragmática. Há outros desdobramentos ainda maiores para a questão do mal, não apenas do mal na Natureza (Phýsis), mas também na natureza específica do humano (antrópos), uma vez que este possui consciência e é por essa que consegue discernir entre bem e mal. O objetivo deste trabalho visa refletir de forma filosófico-teológica sobre o mal como desafio ao cuidado do ser, a partir de pensadores da Antiguidade e da Modernidade. Para o estudo da questão do mal se optou pela análise qualitativa bibliográfica de textos clássicos do pensamento ocidental. Como resultados, espera-se poder apontar reflexivamente para as implicações éticas que envolvem o humano como possível causador e responsável pela ação do mal, quanto ao cuidado do ser, quer do ser da natureza, do ser de si ou do ser do outro, em atitudes de diálogo e respeito às pessoas e culturas. A efetividade da presença do mal no mundo manifesta em todas as formas do descuido, faz-nos pensar no apelo final da oração universal cristã: “Livra-nos do mal” (Mateus, 6,13). Mas, sabemos que o tema do mal não pode jamais ser esgotado, pois ultrapassa a própria capacidade humana na sua total compreensão, uma vez que somos parte de sua realidade. 


Palavras-chave


Mal; Ética; Responsabilidade; Cuidado

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO. Confissões. Os Pensadores. SP: Abril Cultural, 1973.

____________. Do Livre-Arbítrio. SP: Paulus, 1995.

ALAND, Kurt, et at, Greek New Testament, Stuttgardt/Germany: United Bible Societties, 1983.

ARENDT, Hannah. A vida no espírito: o pensar, o querer e o agir. RJ: Civilização Brasileira, 2010.

Bíblia de Jerusalém. SP: Paulinas, 1980.

Bíblia Sagrada da CNBB. SP: Paulus, 2001.

CONCHE, Marcel. O Sentido da Filosofia. SP: Martins Fontes, 2006.

ÉSQUILO. Prometeu Acorrentado. SP: Martin Claret, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. 4.ed. RJ: Vozes, 2009.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade. RJ: Contraponto, 2006.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Pensadores. SP: Abril Cultural, 1999.

____________. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. SP: Abril Cultural, 1980.

KIERKEGAARD, Soren. O conceito de angústia. RJ: Vozes, 2011.

____________. O Desespero Humano. SP: Martin Claret, 2001.

LORENZ, Konrad. A agressão: uma história natural do mal. Lisboa: Moraes, 1979.

MERLEAU-PONTY, M. A Estrutura do Comportamento. SP: Martins Fontes, 2006.

____________. A Natureza. SP: Martins Fontes, 2006. Revista Veja. Edição 2442, ano 48, nº 36. SP: Abril, 09/09/2015.

___________. Edição 2055, ano 41, nº 14. SP: Abril, 09/04/2008.

RICOEUR. Paul. O Mal: um desafio à filosofia e à teologia. SP: Papirus, 1988.

____________. Culpa, ética e religião. Revista Concilium. Ano 6, nº 12. Petrópolis/RJ: Instituto Teológico Franciscano, 1970.

RIENECKER, F & ROGERS, C. Chave Linguística do NT grego, SP: Vida Nova, 1988.

TAYLOR, William C. Dicionário do NT grego, 6.ed. RJ: JUERP, 1980.

WENHAM, John W. O enigma do mal. SP: Vida Nova, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v5i1.44338