ESPACIALIDADE MORTUÁRIA: INTERACIONISMO SIMBÓLICO E REPRESENTAÇÕES RELIGIOSAS

Ana Helena Corrêa de Freitas Gil, Sylvio Fausto Gil Filho

Resumo


O Interacionismo Simbólico parte do principio que os indivíduos agem a partir de seus significados, e o que as pessoas atribuem a eles. Pessoas e coisas viram desta maneira, um conjunto cultural, um palco onde se desenvolvem os cenários da interação. Nesse contexto, partimos da leitura sócio-interacionista de Erving Goffman (1985) que analisa o espaço, como um espaço de representações, onde cada indivíduo representa um papel, como se fosse em um teatro. A religião é parte estruturante das representações principalmente no que tange a condição da finitude humana e as interações sociais decorrentes da morte. A espacialidade mortuária se apresenta como palco privilegiado dessas relações. A partir do sentido peculiar das interações decorrentes da morte podemos perceber a própria dinâmica da vida. Cemitérios são lugares de estar-junto muito específico, porque se trata de um lugar de encontro entre a memória dos falecidos e dos vivos. Desenvolve-se, nesses lugares, mais do que em outras situações, todo um jogo de aparências, os mortos são simbolizados em diferentes épocas com diferentes formas e, nesse aspecto o mundo representacional da religião fornece um sentido específico para essa dinâmica. Para verificarmos as interações que ocorrem em cemitérios, analisamos um cemitério localizado na cidade de Curitiba - Paraná, o Cemitério Vertical de Curitiba.

Palavras-chave


Interacionismo simbólico; Cemitério; Religião; representações.

Texto completo:

PDF

Referências


BRADLEY, Jana. Methodological issues and practices in qualitative research. Library Quarterly, v. 63, n. 4, p. 431-449, Oct. 1993

BRECHT, B. A Música Gestus. Teatro Dialético, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967, p.77.

_____.Escrito sobre teatro. Buenos Aires: Nueva Visión. 1970-1976.

_____.Estudos sobre teatro, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

DURKHEIM, E. Lições de Sociologia. Trad. de STABEL, M. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_____. Sociologia e Filosofia, Trad. de MARTM, P. J.B, São Paulo: Icone, 1973.

GIL FILHO, S. F. Geografia Cultural: Estrutura e Primado das Representações. Espaço e Cultura. Rio de Janeiro: NEPEC, v.19-20, p.51-59, 2005.

GIDDENS, A.; TURNER, J.(org), Teoria Social Hoje. São Paulo: Editora da Unesp, 2006

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis: Vozes, 1996.

JOAS, H. [1999]. Interacionismo simbólico. In GIDDENS, A.; TURNER, J.(org), Teoria Social Hoje. São Paulo: Editora da Unesp, 2006

KAPLAN, B. & DUCHON, D.. Combining qualitative and quantitative methods in information systems research: a case study. MIS Quarterly, v. 12, n. 4, p. 571-586, Dec. 1988.

PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1985. STANISLAVISKI, C. A preparação do Ator. Tradução de: PONTES L. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.

VYGOTSKI, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v1i1.31040