APLICAÇÃO DE PROTOCOLOS DE AVALIAÇÃO RÁPIDA COMO FERRAMENTA ROBUSTA NA QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL EM DOIS CÓRREGOS URBANOS QUE DESAGUAM NO RIO PARAGUAI

Ernandes Sobreira Oliveira Junior, Thales Ernildo de Lima, Alessandro da Silva Poquiviqui, Carolina da Costa Tavares, Claudete Silveira Damas Machado, Cleidiane dos Santos Carvalho, Luana Rodrigues de Carvalho, Pâmela Rodrigues Miranda, Celia Alves de Souza

Resumo


Os córregos urbanos são ambientes bastante utilizados para a disposição de efluentes e amplamente conhecidos pela má qualidade. A má utilização destes ambientes é principalmente decorrente da crescente urbanização desordenada e da falta de sensibilização tanto do poder público quanto do individual. Alguns protocolos de avaliação rápida são utilizados para a caracterização destes ambientes como ferramentas rápidas subjetivas a dados sensoriais do observador. Este trabalho tem como objetivo analisar dois protocolos de avaliação rápida em dois diferentes córregos urbanos da cidade de Cáceres, estado de Mato Grosso, Brasil. Os protocolos foram aplicados em quatro trechos de 100 a 200 metros previamente determinados, abrangendo da Nascente a Foz destes. Três observadores foram responsáveis pelas tomadas dos dados sensoriais, enquanto os dados físico-químico e biológicos foram tomados por outro pesquisador. Nossos resultados demonstram que há uma diferença na qualificação ambiental dependendo dos protocolos utilizados. Enquanto um traz o ambiente como alterado, o outro o traz como bom. Trechos dos córregos também apresentaram diferenças entre os protocolos. Houve positiva e significativa relação entre as pontuações dos protocolos aplicados. Os dados físico, químico e biológicos incrementaram a caracterização ambiental dos protocolos, fornecendo dados mais robustos. Assim, esta pesquisa propõe a utilização de novos parâmetros para serem incorporados juntamente com a aplicação dos protocolos para que os ambientes sejam qualificados mais claramente e assim tomadas melhores medidas de manejo ambiental.


Palavras-chave


Espaço urbano; manejo da paisagem; despejo de efluentes; protocolos de avaliação rápida

Referências


Bottino, F. Diversidade, Biomassa e Decomposição de macrófitas aquáticas no reservatório Itupararanga – SP. Tese. Escola de Engenharia de São Carlos. Universidade de São Paulo. 128p. 2011.

Calheiros, D. F.; Ferreira, C. J. A. Alterações limnológicas no rio Paraguai (decoada) e o fenômeno natural de mortandade de peixes no Pantanal Mato-grossense - MS. Corumbá: EMBRAPA-CPAP, 49 p. 1997.

Callisto, M.; Ferreira, W.; Moreno, P.; Goulart, M.D.C.; Petrucio, M. Aplicação de um protocolo de avaliação rápida da diversidade de habitats em atividades de ensino e pesquisa (MG-RJ). Acta Limnologica Brasiliensia, v. 14, n. 1, p. 91-98, 2002.

Cochev, J.S., Neves, S.M.A.S., Neves, R. J., Casarin, R., De Campos, J. M. Análise espaço-temporal do uso do solo de Cáceres, MT, através de imagens de sensoriamento remoto e SIG. II Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Corumbá, Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p.765-775. 2009.

Costa, M. I. F.; Pires, M. G. Levantamento dos impactos ambientais em áreas de preservação permanentes (APPS) urbanas em Porangatu - GO. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade. Curitiba. v. 13(6). 2017.

Costa-Braga, D.; Castheloge, V. D.; Srbek-Araujo, A. C.; Roper, J. J. Riqueza de espécies e eficiência de métodos de amostragem de aves em ambientes antropizados inseridos em área de mata atlântica de tabuleiro. Natureza on line, 12 (5): 212-215. 2014.

De Lange, W. J., Genthe, B., Hill, L., e Oberholster, P. J. (2018). Towards a rapid assessment protocol for identifying pit lakes worthy of restoration. Journal of Environmental Management, 206, 949–961. 2018.

Do Carmo, J. A.; De Araújo, R. Uso/ocupação do solo no rio Paraguai entre os bairros Cavalhada I e Centro – Cáceres – Mato Grosso. Ciência Geográfica – Bauru. v21(1): p 184-197. 2017.

Dos Santos, L., Zamparoni, C.A.G.P., Soares, J.C. Susceptibilidade a inundações no perímetro urbano de Cáceres-MT. Cadernos de Geografia. v.27, n.51. p. 623-641. 2017.

IBGE. Estimativas da população em 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 de março de 2019.

IBGE. Censo de 2010. Disponível em:

Acesso em: 19 de fevereiro de 2019.

Neves, S.M.A.S., Nunes, M.C.M., e Neves, R.J. Caracterização das condições climáticas de Cáceres/MT-Brasil, no período de 1971 a 2009: subsídio às atividades agropecuárias e turísticas municipais. B.goiano.geogr. Goiânia, v. 31, n. 2, p. 55-68. 2011.

Oliveira Junior, E. S; Buhler, B. F.; Muniz, C. C.; Furlan, A. O. Córregos urbanos do município de Cáceres-MT, Brasil: um olhar para a conservação. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 17, p. 3268-3274. 2014.

Powers, D. A.; Fyhn, H. J.; Fyhn, U. E. H.; Martin, J. P.; Garlick, R. L.; Wood, S. C. Estudo comparativo de equilíbrio de oxigênio no sangue de 40 gêneros de peixes da Amazônia. Acta Amazônica, 8(4) : 87-112. 1978.

Rigotti, J. A.; Pompêo, C. A.; Fonseca, A. L. D’O. Aplicação e análise comparativa de três protocolos de avaliação rápida para caracterização da paisagem fluvial Rev. Ambiente e Água, vol. 11 n. 1. p 85-97. 2016.

Rodrigues et al. Adequação e avaliação da aplicabilidade de um protocolo de avaliação rápida na bacia do rio Gualaxo do Norte, Leste-sudeste do quadrilátero ferrífero, MG, Brasil. Revista Ambiente & Água. v. 7. n. 2. P 231-244. 2012.

Rodrigues. A.S.L.; Castro, P.T.A. Protocolos de avaliação rápida: instrumentos complementares no monitoramento dos recursos hídricos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 13, n.1, p.161-170, 2008.

Rubianes, J. C., Denis Cajas, R. J.; Meyer, J. F. C. A., Rubianes, J. A. I. Modelagem da depleção de oxigênio dissolvido pela presença de macrófitas aquáticas. Biomatemática. 26 (2016), 179–188. 2016.

Silva, J. S. V.; Abdon, M. M. Delimitação do pantanal brasileiro e suas sub-regiões. Pesquisa agropecuária brasileira, Brasilia, v.33, Número Especial, p.1703-1711. 1998.

Soares, J. C. O.; dos Santos, L.; Caldas, J. A. P. A pecuária bovina no município de Cáceres-MT: reflexos no contexto socioeconômico. Ciência Geográfica – Bauru. v21(1): p 184-197. 2017.

TUCCI, C. E. M. Águas urbanas. Estud. av., São Paulo, SciELO, v. 22, n. 63, p. 97-112, 2008.

UN. Percentage of population residing in Urban areas by major areas, region and country, 1950-2050. United Nations. Department of Economic and Social Affairs, Population division, 2009. Disponível em: https://population.un.org/wup/Country-Profiles/. Acesso em 15/10/2018.

Von Sperling, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgoto. 3. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2005. 588 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v48i0.69215

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009