URBAN MICROCLIMATE IN VEGETATED AND NON-VEGETATED AREAS IN RAINY AND SUNNY CONDITIONS

Roberta Daniela Souza, Jonathan Willian Zangeski Novais, Maria Aparecida Pereira Pierangeli, Michelle Danielle Lanssanova, Thiago . Fernandes, Vanusa Souza Pacheco Hoki, Pricila Juliana Souza

Resumo


Cuiabá city is nationally known as "green city" because of to its large afforestation, has experienced progressive urban expansion for years, with deforestation possibly causing a rise in temperature and the development of heat islands In this context the afforestation can be an alternative for the improvement of the thermal comfort of the residents of this city. So the study objective was to analyze the microclimate differences of vegetated and non-vegetated urban areas in rainy and sunny conditions, analyzing also the heat index and the thermal discomfort index. The sampling took place at a public place and great flow of pedestrians. Data on the air temperature (Tair), soil temperature (Ts), and relative air humidity (Rh) were recorded using two linear transects, starting at 7 am and ending at 7 pm, in two-hour intervals. Due to the seasonality of the city's climate, measurements were taken in the dry and humid period of the year. There was a statistical difference for soil temperature between the sites (p-value < 0.001) and an increase of approximately 10°C in both periods in non-vegetated areas. There was no statistically significant difference for the heat index and thermal discomfort index among the analyzed transects, especially in the wet season, periods of discomfort occurred. Was verified that for open sites vegetation decreased air and soil temperature, increased relative humidity, but it was not enough to have thermal comfort at all times of the day.

Palavras-chave


Air temperature; soil temperature; relative humidity; heat index; thermal discomfort index

Referências


ABREU, L. V.; LABAKI, Lucila Chebel. Avaliação da Termo-Regulação em Diferentes Espécies Arbóreas. ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 12, 2008, Fortaleza, Anais... Fortaleza: Antac, 2008, 1 CD-ROM.

ALVES, E. D. L.; BIUDES, M. S. Os microclimas da universidade federal de Mato Grosso/Cuiabá. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 23, p. 600 – 620, 2011.

AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. São Paulo: Difel, 1986.

BARTHOLOMEI, C. L. B. Influência da vegetação no conforto térmico urbano e no ambiente construído.2003. 189p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2019.

CAVALHEIRO, F. Arborização urbana: planejamento, implantação e condução. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA. 5, 1994, São Luis: Anais... São Luís: Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 1994, p.227-231. DOI: 10.1021/es2030438.

CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS (CPTEC). Estação de Cuiabá - Climatologia Local. Disponível em: http://sonda.ccst.inpe.br/estacoes/cuiaba_c lima.html>. Acesso em: 02 nov. de 2018.

FALCÃO, R. M., E. Galvani, N.G.B. Lima, B.R,P. Cruz. Análise da variação da umidade relativa do ar do Pico da Bandeira, Parque Nacional Alto Caparaó, Brasil. In: VI SEMINÁRIO LATINO AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA, 2010, Coimbra: UNIVERSIDADE DE COIMBRA, 2010.

FERNANDES, T., Borges, R. T., Novais, J. W. Z., Curvo, A. D., do Nascimento, V. L., da Sila Junior, M. A., Fernandes, T. . Avaliação do ambiente de conforto térmico em uma unidade do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento , v. 8, n. 4, p. 484- 957, 2019.

GOMES, M. A. S., M.C.C.T. Amorim. GOMES, Marcos Antônio Silvestre et al. Arborização e conforto térmico no espaço urbano: estudo de caso nas praças públicas de Presidente Prudente (SP). Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 7, n. 10, p. 94-106, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE), 2018. Cidades: Censo 2010. Disponível em:. Acesso em: 10 set. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET), 2018. Disponível em: < http://www.inmet.gov.br/portal/>. Acesso em: 15 de set. de 2018.

JOAQUIM, T. D.O, J.W.Z Novais, L. P. de Andrade, K. D. A. C. Rosseti, M. T. Vilani e S. P. Pereira. Thermo-hygrometric modeling using ENVI-met® software to an urban park in Cuiabá – Brazil. Ciência e Natura, Santa Maria, v.40, e37, 2018. DOI:10.5902/2179460X29510

LEAL, L. A influência da vegetação no clima urbano da cidade de Curitiba–PR. 2012.Tese de Doutorado. Doutorado em Engenharia Florestal–Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

MATOS, E., L. P. Queiroz. Árvores para cidades. Ministério Público do Estado da Bahia- Salvador, 2009.

MENDONÇA, F. A. O Clima e o planejamento urbano de cidades de porte médio e pequeno: Proposição metodológica para estudo e sua aplicação à cidade de Londrina/PR.1994. Tese (Doutorado em Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

MILANO, M. S. Arborização Urbana: plano diretor. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA, II., 1994, São Luís; ENCONTRO NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA, 1994, p. 210-211.

MONTEIRO, C. A. F., F. Mendonça. Clima Urbano. São Paulo: Contexto, 2003.

MONTEIRO, L. M., M. P. Alucci. Modelos Preditivos de Estresse Termo-Fisiológico: estudo empírico comparativo em ambientes externos. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, v. 12, 2008, Anais.. Porto Alegre: ANTAC, 2008.

MÜLLER, J. Orientação básica para manejo da arborização urbana. Porto Alegre: Edições FAMURS, 1998.

Novais, J. W. Z., Rodrigues, T. R., Curado, L. F. A., Oliveira, A. G., de Paulo, S. R., & de Souza Nogueira, J. Variabilidade sazonal horária das propriedades térmicas em gleissolo háplico no norte do pantanal. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, n. 1, p. 2563-2570, 2012. DOI: 10.5433/1679-0359.2012v33Supl1p2563

NOVAIS, J. W. Z., L. Sanches, V. R. de Moraes Dias, N. G. Machado, L. B. da Silva e A. M.

Aquino. variação espaço-temporal da PAR refletida pelo solo e transmitida pelo dossel em floresta inundável no Pantanal Mato-Grossense. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 4, p. 1502-1513, 2018.

OLIVEIRA, A. S., M. C. D. J. A. Nogueira, L. Sanches e J. de Souza Nogueira. Variáveis meteorológicas e cobertura vegetal de espécies arbóreas em praças urbanas em Cuiabá, Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 28, n. 4, p. 389-400, 2013.DOI: 10.1590/S0102-77862013000400005.

PENG, S., P. C. Piao, P. Ciais, P. Friedlingstein, C. Ottle, F. M. Bréon e R. B. Myneni. Surface urban heat island across 419 global big cities. Environmental science & technology, Beijing, v. 46, n. 2, p. 696-703, 2011. DOI:10.1021 /es2030438.

RIBEIRO, K. F. A., Valin Jr. M. de Oliveira, F. M. de Moura Santos, M. C. D. J. A. Nogueira, J. de Souza Nogueira e C. R. de Musis. Análise da temperatura interna e superficial em diferentes sombreamentos arbóreos. REVSBAU, Piracicaba, v. 10, n. 2, p. 40-60, 2015.

RODRÍGUEZ-Avial Llardent, L. Zonas verdes y espacios libres en la ciudad. Madrid: Instituto de Estudios de Administración Local,1982.

VAREJÃO–SILVA, M. A. Meteorologia e climatologia. Recife: Versão Digital, 2006.

Santos, J. S., da Silva, V. D. P. R., Lima, E. R. V., de Araújo, L. E., & Costa, A. D. L.. Campo Térmico Urbano e a sua Relação com o Uso e Cobertura do Solo em Cidade Tropical Úmida (Thermal Urban Field and its Relation to the use and and Cover in a Humid Tropical City). Revista Brasileira de Geografia Física, Campina Grande v. 5, n. 3, p. 540-557, 2012.

Santos, J. B., de Amorim, R. F. C., & Barros, H. Análise temporal da sensação térmica nas cidades de Patos e São Gonçalo (Sousa). In: II WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE ÁGUA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, 2015, Campina Grande: Realize, 2015.

Silva, N. K. F., Fernandes, T., Novais, J. W. Z., Fernandes, T., Curvo, A. D. Conforto Térmico em Habitações de Interesse Social: um Estudo Aplicado a uma Unidade de Saúde da Família. UNICIÊNCIAS, v. 22, n.1, 2-7, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.17921/1415-5141.2018v22n1p2-7

Steadman, R. G., 1979. The assessment of sultriness. Part I: A temperature-humidity index based on human physiology and clothing science. Journal of applied meteorology, Boston, v.18, n.7, p. 861-873, 1979.

Thom, E. C. The discomfort index. Weatherwise, Washington, v.12, n.2, p.57-61, 1959.

Wolfram, B. R., L. M. Monteiro. Avaliação da Influência da Arborização no Conforto Térmico do Pedestre em Meio Urbano: estudo de caso em espaços abertos do Bairro da Luz, São Paulo, SP. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE CONFORTO NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, v.11, 2011, São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v47i1.68927

Direitos autorais 2020 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009