PERCEPÇÃO DE ATORES SOCIAIS COMO SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO AMBIENTAL DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO COSTEIRA NO NORDESTE DO BRASIL

Maria Mayara dos Santos Silva, Josivânia Emanuelly Azevedo dos Santos, Géssica Raffaely Dantas da Silva, Vitor de Oliviera Lunardi, Diana Gonçalves Lunardi

Resumo


Na Reserva de Fauna Costeira de Tibau do Sul (REFAUTS), a sobreposição de diferentes atividades no mesmo território tem sido responsável por conflitos socioambientais entre atores sociais e entre estes e o boto-cinza (Sotalia guianensis). O objetivo deste estudo foi analisar a percepção de atores sociais sobre a REFAUTS e sobre os possíveis conflitos socioambientais resultantes da sobreposição de uso do espaço, de forma a apresentar uma proposta complementar de Zoneamento Ambiental que reduza possíveis conflitos e promova a conservação de botos-cinza. A percepção de atores sociais da REFAUTS foi investigada por meio de aplicação de questionários semiabertos in loco em 2017 e 2018. A maioria dos atores sociais que participaram deste estudo declarou desconhecer que as enseadas dos Golfinhos e do Madeiro compreendem uma Reserva de Fauna (REFAUTS) e que o boto-cinza encontra-se atualmente ameaçado de extinção. A maioria dos atores sociais também declarou reconhecer a importância destas enseadas para a conservação ambiental e a importância do turismo para a melhoria da economia da região, estando, inclusive, disposta a pagar uma taxa turística para visitação da REFAUTS. Atores sociais foram convidados a opinar sobre uma proposta complementar de Zoneamento Ambiental apresentada para as enseadas da REFAUTS. Esta proposta baseou-se na frequência de respostas dos atores sociais e nas características ambientais das enseadas. De forma a reduzir os conflitos socioambientais na REFAUTS, sugere-se a implementação desta proposta complementar de Zoneamento Ambiental, associada à um programa de ampla divulgação e sensibilização ambiental dos atores sociais.


Palavras-chave


Boto-cinza; praia de Pipa; REFAUTS; Sotalia guianensis; Tibau do Sul

Referências


ARRUDA, D. B.; CUNHA, B. P.; RÊGO, K. M. C. Conflitos entre REBio guaribas e comunidades locais: (in)justiça ambiental e ecologia política. Revista Direitos Emergentes na Sociedade Global, v. 2, n. 2, 2013, p. 280-304.

AWAN, A. G.; WAMIQ, S. Relationship between environmental awareness and green marketing. Science International (Lahore), v. 28, n. 3, 2016, p. 2959-2963.

BELSOY, J.; KORIR, J.; YEG, J. Environmental Impacts of tourism in protected areas. Journal of Environmentand Earth Science, v. 2, n. 10, 2012, p. 64-73.

BOAS, M. H. A. V.; DIAS, R. Biodiversidade e turismo: o significado e importância das espécies-bandeira. Turismo e Sociedade, v. 3, n. 1, 2010, p. 91-114.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 18 jul. 2000. PL 2892/1992.

BRITO, D. M. C.; BRITO, B. L. R.; SIQUEIRA, G. V. Proteção da natureza e conflitos socioambientais. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, v. 1, n. 6, 2014, p. 171-187.

BUCKLEY R. Pay to play in parks: an Australian policy perspective on visitor fees in public protected areas. Journal of Sustainable Tourism, v. 11, 2003, p. 56-73.

FERREIRA, C. C.; PIROLI, E. L. Zoneamento ambiental das paisagens: estudo

de caso do alto curso da bacia hidrográfica do Rio Sucuriú, Mato Grosso do Sul, Brasil. Boletim Goiano de Geografia, v. 36, n. 2, 2016, p. 341-358.

FRAZÃO, J. O.; SILVA, J. M.; CASTRO, C. S. S. Percepção ambiental de alunos e professores na preservação das tartarugas marinhas na Praia de Pipa-RN. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 24, 2010, p. 156-172.

HILL, A. N.; KARNISKI, C.; ROBBINS, J.; PITCHFORD, T.; TODD, S.; ASMUTIS‐SILVIA, R. Vessel collision injuries on live humpback whales, Megaptera novaeangliae, in the southern Gulf of Maine. Marine Mammal Science, v. 33, n. 2, 2017, p. 558-573.

HOYT, E.; IÑIGUEZ, M. The state of whale watching in Latin America. 1. ed. Londres: WDCS/IFAW/Global Ocean, 2008.

LOBO, H. A. S. Ecoturismo e percepção de impactos socioambientais sob a ótica dos turistas do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira – PETAR. Pesquisa em Turismo e Paisagens Cársticas, v. 1, n. 1, 2008, p. 67-75.

LUNARDI, D. G.; FERREIRA, R. G. Fission-fusion dynamics of Guiana dolphin (Sotalia guianensis) groups at Pipa Bay, Rio Grande do Norte, Brazil. Marine Mammal Science, v. 30, n. 4, 2014, p. 1401-1416.

LUNARDI, D. G.; SANTOS, J. E. A.; NASCIMENTO. L. L. S.; FREITAS, D. C. ; LUNARDI, V. O. Avaliação do turismo de observação de botos-cinzas na Reserva Faunística Costeira de Tibau do Sul (Refauts), Rio Grande do Norte, Brasil. Sustentabilidade em Debate, v. 8, n. 1, 2017, p. 1-14.

LUSSEAU, D. Effects of tour boats on the behavior of bottlenose dolphins: Using Markov chains to model anthropogenic impacts. Conservation Biology, v. 17, n. 6, 2003, p. 1785-1793.

LUSSEAU, D.; HIGHAM, J. E. S. Managing the impacts of dolphin-based tourism through the definition of critical habitats: the case of bottlenose dolphins (Tursiops spp.) in Doubtful Sound, New Zealand. Tourism Management, v. 25, n. 6, 2004, p. 657-667.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção. 2014. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/faunabrasileira/lista-de-especies. Acesso em: 30 jan. 2019.

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas. Normas da autoridade marítima para amadores, embarcações de esporte e/ou recreio e para cadastramento e funcionamento das marinas, clubes e entidades desportivas náuticas. NORMAM-03/DPC. 2003.

MASON, P. Visitor management in protected areas: From ‘hard’ to ‘soft’ approaches? Current Issues in Tourism, v. 8, n. 2-3, 2005, p. 181-194.

NASCIMENTO, L. L. S. Caracterização da Reserva Faunística Costeira de Tibau do Sul – REFAUTS, Rio Grande do Norte: proposta de ordenamento do turismo. 2016. Dissertação (Mestrado em Ambiente, Tecnologia e Sociedade) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2016.

OLIVEIRA, W. R.; SILVA, E. V. Geografia e educação ambiental na prática do turismo sustentável: a APA do Delta do Parnaíba. Revista Equador, v. 5, n. 2, 2016, p. 61-74.

PETROSILLO I. et al. Tourist perception of recreational environment and management in a marine protected area. Landscape and Urban Planning, v. 79. n. 1, 2007, p. 29-37.

REID, W. V.; SARUKHÁN J.; WHYTE, A. Ecosystems and human well-being. Millennium Ecosystem Assessment. Washington: ISLAND PRESS, 2005.

SANTOS, G. E. O. Cálculo amostral: calculadora on-line. Disponível em: . Acesso em: 02 mai. 2018.

SANTOS, J. E. A.; LUNARDI, V. O.; FREITAS, D. C.; SILVA, M. M. S.; LUNARDI, D. O. Quem são e o que pensam os condutores de embarcações turísticas para observação de botos-cinza? Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 11, n. 4, 2018, p. 588-608.

SANTOS, M. S.; SCHIAVETTI, A.; ALVAREZ, M. R. Surface patterns of Sotalia guianensis (Cetacea: Delphinidae) in the presence of boats in Port of Malhado, Ilhéus, Bahia, Brazil. Latin American Journal of Aquatic Research, v. 41, n. 1, 2013, p. 80-88.

SECCHI, E.; SANTOS, M. P.; REEVES, R. Sotalia guianensis. The IUCN Red List of Threatened Species 2018: Disponível em: < http://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T181359A50386256.en.> Acesso em: 20 fev. 2019.

SHIAU-YUN, L.; CHENG-HAN, S.; WEN-YAN, C. Zoning strategies for marine protected areas in Taiwan: case study of Gueishan Island in Yilan County, Taiwan. Marine Policy, v. 48, 2014, p. 21-29.

SILVA, T. K. F.; MARIA DO Ó, C.; FARIAS, C. R. O. Percepções de um conflito socioambiental e suas contribuições para educação ambiental. Revista de Educação Ambiental, v. 20, n. 1, 2015, p. 104-122.

SILVEIRA, V. C.; CIRINO, J. F.; FILHO, J. F. P. Valoração econômica da Área de Proteção Ambiental Estadual da Cachoeira das Andorinhas-MG. Revista Árvore, v. 37, n. 2, 2013, p. 257-266.

SOUSA, A. R. P.; ARAÚJO, J. L. L.; LOPES, W. G. R. Percepção ambiental no turismo do Parque Ecológico Cachoeira do Urubu nos municípios de Esperantina e Batalha no estado do Piauí. Revista RA´E GA, v. 24, 2012, p. 69-91.

TIBAU DO SUL - Lei Municipal n° 349, de 28 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o transporte marítimo de visitação turística no âmbito de Reserva Faunística Costeira de Tibau do Sul – REFAUTS. Diário Oficial da Prefeitura de Tibau do Sul, Poder Executivo, Tibau do Sul, RN, 28 dez. 2007.

______. Lei Ordinária Municipal nº 616 de 25 de setembro de 2018. Dispõe sobre a criação da Reserva de Fauna Costeira de Tibau do Sul - REFAUTS, revogando o Decreto de n° 014/2006, e dá outras providências. Diário Oficial dos Municípios do Estado do Rio Grande do Norte, 26 out. 2018. Disponível em:. Acesso em: 20 fev. 2019.

VIVACQUA, M.; VIEIRA, P. F. Conflitos socioambientais em unidades de conservação. Política & Sociedade, v. 4, n. 7, 2005, p. 139-162.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v50i0.67678

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009