FLORISTIC ANALYSIS IN A TOPOSEQUENCE OF THE MUNICIPALITY OF SERRINHA DOS PINTOS-STATE OF RIO GRANDE DO NORTE

Francisco Jiliardo de Queiroz, Jacimária Fonseca de Medeiros, Rubens Teixeira de Queiroz

Resumo


Aiming to contribute to the knowledge of the vegetation of the municipality of Serrinha dos Pintos, state of Rio Grande do Norte, a floristic analysis was carried out along a toposequence. Three distinct areas were selected: Chapada (700 m to 720 m altitude), Encosta (410 m to 510 m altitude) and Depressão (270 m to 310 m altitude), with allocation of 30 fixed plots of 10 mx 10 m, 10 plots in each area. All individuals with heights greater than or equal to 1 meter and circumference greater than 10 centimeters were sampled. In order to observe the richness and diversity of the study areas, the Shannon-Wiener Diversity Index (H’) was calculated. In all, 821 individuals were collected, identified in 35 species and 19 families. Chapada was the area with the highest diversity of species (21), the families Fabaceae (8 spp.) and Euphorbiaceae (3 spp.) were the most representative; (18 spp.), Encosta had (18 spp.), also Fabaceae (8 spp.) and Euphorbiaceae (3 spp.) were the families with the highest richness and Depressão was the area with the lowest diversity (14 spp.), including Fabaceae (5 spp.) and Euphorbiaceae (3 spp). The most representative species in the three areas were Croton blanchetianus (Marmeleiro), Cenostigma bracteosum (caatingueira) and Myracrodruon urundeuva (Aroeira). The Shannon-Wiener diversity index (H’) observed for the Chapada area was 2.42, in Encosta, it was 2.07 and in Depressão, it was 1.91. It is emphasized that the greater the result, the greater the diversity of species in the area in question.

Palavras-chave


Geografia; Biogeografia; Florística; Semiárido; Caatinga;

Referências


AB' SABER, A. Floram: Nordeste seco. Revista de Estudos Avançados, São Paulo (SP), 1990, p. 149-174.

ALCOFORADO-FILHO, F. G.; SAMPAIO, E. V. S. B.; RODAL, M. J. N. Florística e fitossociologia de um remanescente de vegetação caducifólia espinhosa arbórea em Caruaru, Pernambuco. Acta bot. Brás., vol. 17, n. 2, p. 287-303, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-33062003000200011&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 6 nov. 2018.

ANDRADE, A. G.; TAVARES, S. R. L.; COUTINHO, H. L. C. Contribuição da serrapilheira para recuperação de áreas degradadas e para manutenção da sustentabilidade de sistemas agroecológicos. Agroecologia, v. 24, n. 220, p. 55-63, 2003. Disponível em: < https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/recursos/Art6_IA220_contr_da_serrapilhaID-mN5PKyNJTD.pdf>. Acesso em 19 jun. 2018.

ANDRADE, L. A.; OLIVEIRA, F. X.; NASCIMENTO, I. S.; FABRICANTE, J. R.; SAMPAIO, E. V. S. B.; BARBOSA, M. R. V. Análise florística e estrutural de matas ciliares ocorrentes em brejo de altitude no município de Areia, Paraíba. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife-PE, v. 1, n. 1, p. 31-40, 2006. Disponível em: < http://www.agraria.pro.br/ojs-2.4.6/index.php?journal=agraria&page=article&op=view&path%5B%5D=47>. Acesso em: 29 out. 2018.

ARAÚJO FILHO, J.C. de. Relação solos e paisagem no bioma caatinga. In: simpósio Brasileiro de geografia física aplicada, 14, 2011, Recife, PE. Anais... Recife, PE: Embrapa Solos, 2011, 23 p.

ARAÚJO, L.V.C. Composição florística, fitossociologia e influência dos solos na estrutura da vegetação em uma área de caatinga no semi-árido paraibano. 2007. 121f. Tese (Doutorado em Agronomia) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Areia/PB, 2007. Disponível em: < https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/8109> Acesso em 16 set. 2018.

BEZERRA, C. D.; PEREIRA, J. G. Diversidade da vegetação arbórea em uma área de caatinga no município de Monteiro-PB. Cad. Cult. Cien., vol. 16, n. 1, 2017, p. 100-108. Disponível em: < http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/cadernos/article/view/1291>. Acesso em 01 nov. 2018.

CHAVES, A. D. C. G.; SANTOS, R. M. S.; FERNANDES, A. A.; MARACAJÁ, P. B. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Revista ACSA – OJS, UFCG, Patos/PB V. 9, n. 2, abril/junho de 2013. p. 42-48. Disponível em: < http://revistas.ufcg.edu.br/acsa/ index.php/ACSA/article/download/449/pdf>. Acesso em 19 jun. 2018.

CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Serrinha dos Pintos, estado do Rio Grande do Norte. Recife/PE: CPRM/Prodeem, 2005.

DANTAS, N. B. L. Estudo fitossociológico em encraves florestais na região serrana dos municípios de Portalegre e Martins-RN. Dissertação (Mestrado) Pós-Graduação em Ciências Naturais – PPGCN, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, Mossoró-RN, 2016.

DARIO, F. R. Estudo fitossociólgico de uma área de caatinga em estágio inicial de sucessão ecológica no estado da Paraíba, Brasil. Geotemas, v. 7, n. 1, 2017, p.71-83. Disponível em: < http://periodicos.uern.br/index.php/geotemas/article/view/2581> Acesso em: 05 nov. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA; Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2014.

FERRAZ, E. M. N.; RODAL, M. J. N.; SAMPAIO, E. V. S. B.; PEREIRA, R. C. A. Composição florística em trechos de vegetação de caatinga e brejo de altitude na região do Vale do Pajeú, Pernambuco. Rev. Brasil Botânica, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 7-15, 1998. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.

FLORA DO BRASIL 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/ >. Acesso em: 10 set. 2018.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/serrinha-dos-pintos/panorama>. Acesso em 08 nov. 2018.

JACOMINE, P. K. T.; RODRIGUES E SILVA, F. B.; FORMIGA, R. A.; ALMEIDA, J. C.; BELTRÃO, V. A.; PESSOA, S. C. P.; FERREIRA, R C. Levantamento exploratório – reconhecimento de solos do Rio Grande do Norte. Recife: SUDENE/ Divisão de Pesquisa Pedológica, v.1, 531 p. (ser. Boletim Técnico, n. 21; sér. Pedologia, n. 9). Recife/PE, 1971.

LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. (Orgs.). Ecologia e conservação da caatinga . 2. ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2003. 828 p. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2018.

LEMOS, J. R.; MEGURO, M. Estudo fitossociológico de uma área de Caatinga na Estação Ecológica (ESEC) de Aiuaba, Ceará, Brasil. Biotemas, v. 28, n.2, 2015, p.39-50. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/view/2175-7925.2015v28n2p39> Acesso em: 03 nov. 2018.

LIMA, B. G.; COELHO, M. F. B.; OLIVEIRA, O. F. Caracterização florística de duas áreas de caatinga na região Centro-Sul do Ceará, Brasil. In: Bioscience Journal, v. 28, n.2, 2012, p. 277-296.

LIMA, N. R. G. Florística e estrutura de dois fragmentos de Floresta Estacional do Parque Nacional da Chapada Diamantina, Andaraí – Bahia. In: GONÇAVES, C. N. & GONÇALVES, C. F. A. (Org). Aspectos Botânicos e ecológicos em comunidades da Chapada Diamantina. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2016, p. 48-72.

MARACAJÁ, P. B. Levantamento florístico e fitosociológico do extrato arbustivo- arbóreo de dois ambientes na Vila Santa Catarina, Serra do Mel, RN. Revista de Biologia e Ciência da terra, vol. 3, n. 2, 2003, p. 1-13. Disponível em: < http://joaootavio.com.br/bioterra /workspace/uploads/artigos/floristico-51560d615ef42.pdf>. Acesso em: 06 nov. 2018.

MARTINELLI, G.; MESSINA, T.; SANTOS FILHO, L. Livro vermelho da flora do Brasil – Plantas raras do Cerrado. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro: CNCFlora, 2014, p. 10–31.

MEDEIROS, J. F. de. Da análise sistêmica à Serra de Martins: contribuição teórico-metodológica aos brejos de altitude. 2016. 219f. Tese (Doutorado em Geografia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016. Disponível em: < https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22696>. Acesso em 02 nov. 2018.

MEDEIROS, J. F.; QUEIROZ, L. S. Mapeamento das Unidades Litoestratigráficas e Geomorfológicas do município de Serrinha dos Pintos-RN. In: LISTO, F. L. R.;

MÜNTZENBERG, D. S.; TAVARES, B. A. C. (Orgs.) E-book do I Workshop de Geomorfologia e Geoarqueologia do Nordeste. 1 ed, v. 1. Recife: GEQUA, 2016, p.107-117. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018.

MEGURO, M. Métodos em ecologia vegetal. Universidade de São Paulo – Instituto de Biociências, Departamento de Ecologia Geral, 2000, 118p.

NASCIMENTO, C. E. S. Estudo florístico e fitossociológico de um remanescente de caatinga a margem do Rio São Francisco, Petrolina- Pernambuco. Programa de Pós Graduação em Botânica. Universidade Federal Rural de Pernambuco. 1998. p.78. Disponível em: < http://www.cpatsa.embrapa.br/public_eletronica/downloads/OPB1804.pdf>. Acesso em: 14/05/2018.

OLIVEIRA, T. M.; ALVES, A. R.; AMARAL, G. C.; ALMEIDA, K. N. S.; SOUZA, K. B.; AGUIAR, A. S.; ARAÚJO, E. F.; FARIAS, S. G. G. Análise da estrutura vegetacional em uma área de transição Cerrado-Caatinga no município de Bom Jesus-PI. Scientia Plena, v. 8, n. 4, 2012, p. 1-5. Disponível em: < https://www.scientiaplena.org.br/sp/article/view/1407/673>. Acesso em: 29 set. 2018.

PEREIRA, I. M; ANDRADE, L. A.; BARBOSA, M. R. V.; SAMPAIO, E. V. S. B. Composição florística e análise fitossociológica do componente arbustivo-arbóreo de um remanescente florestal no Agreste paraibano. Acta bot. bras., vol. 6, n. 3, 2002, p. 357-369. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-33062002000300009&script=sci_abstract&tlng=es>. Acesso em: 03 nov. 2018.

PINTO, M. S. C.; SAMPAIO, E. V. S. B.; NASCIMENTO, L. M. Florística e estrutura da vegetação de um brejo de altitude em Pesqueira, PE, Brasil. Revista Nordestina de Biologia, v. 21, n. 1, 2012, p. 47-79. Disponível em: < http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ revnebio/article/view/6976>. Acesso em:04 nov. 2018.

QUEIROZ, J. A.; TROVÃO, D. M. B. M.; OLIVEIRA, A. B.; OLIVEIRA, E. C. S. Análise da Estrutura Fitossociológica da Serra do Monte, Boqueirão, Paraíba. Revista de Biologia e Ciências da terra, v. 6, n. 1, p. 251-259. . Disponível em: < http://joaootavio.com.br/bioterra/workspace/uploads/artigos/serradomonte-5181a7791c1f5.pdf>. Acesso em: 29 set. 2018.

QUEIROZ, L. Q.; MEDEIROS, J. F.; QUEIROZ, A. F. Caracterização climática do município de Serrinha dos Pintos-RN. In: II Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido, 2017, Campina Grande. Anais... Campina Grande: Realize, 2017, p. 1-12.

RODAL, M. J. N.; SAMPAIO, E. V. S. B.; FIGUEIREDO, M. A. (Orgs). Manual sobre Métodos de Estudos Florístico e Fitossociológico – Ecossistema Caatinga. [sl]: SBB, 1992, p. 7-14. Disponível em: < http://botanica.org.br/ebook/man_sob_met_est _flo_ fit.pdf>. Acesso em 09 mar. 2018.

RODAL, M. J. N.; ANDRADE, K. V. A; SALES, M. F.; GOMES, A. P. S. Fitossociologia do componente lenhoso de um refúgio vegetacional no município de Buíque, Pernambuco. Rev. Bras. Biol., v. 58, n. 3, 1998, p. 517-526. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php? pid=S0034-71081998000300017&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 04 nov. 2018.

RIZZINI, Carlos Toledo. Vegetação: Caatinga. In: ______ Tratado de fitogeografia do Brasil. 2. ed. [S.l.]: Âmbito Cultural Edições Ltda., 1997, p. 515-529.

SABINO, F. G. S. S.; CUNHA, M. C. L.; SANTANA, G. S. Estrutura da vegetação em dois fragmentos de caatinga antropizada na Paraíba. Floram, v. 23, n. 4, 2016, p. 487-497. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2179-80872016000400487&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em 03 nov. 2018.

SANTANA, J. A. S.; SOUTO, J. S. Diversidade e Estrutura Fitossociológica da Caatinga na Estação Ecológica do Seridó-RN. Revista de Biologia e Ciências da terra, vol. 6, n.2, 2006, p. 1-11. Disponível em: Acesso em: 25 set. 2018.

SANTOS, T. C. G.; LUZ, E. L. P.; EL-DEIR, S. G. Avaliação de espécies vegetais como bioindicadores de áreas degradadas na caatinga. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO, 1, 2016, Campina Grande. Anais... Campina Grande: Realize, 2016, p. 1-12.

SERAFIM-FILHO, G. L. Composição florística e fitossociologia de duas áreas de caatinga no Parque Nacional do Catimbau, Buíque, Pernambuco, Brasil. 2014. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Departamento de Biologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

SILVA, E. C. A.; LOPES, I. S.; SILVA, J. L. Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco. Scientia Plena, vol.8, n.4, 2012, p. 1-15. Disponível em: < https://www.scientiaplena.org.br/sp/article/view/1011>. Acesso em 01 nov. 2018.

SILVA, L. C. S. Análise da vegetação e organismos edáficos em área de caatinga na Serra da Caiçara, Maravilha, Alagoas. Dissertação (Mestrado) Pós-Graduação em Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas – UFA, Maceió-AL, 2017.

SOUZA, G. F.; MEDEIROS, J. F. de. Fitossociologia e florística em áreas de caatinga na microbacia hidrográfica do Riacho Cajazeiras- RN. Geotemas, v. 3, n. 1, 2013, p. 161-176. Disponível em:. Acesso em: 02 nov. 2018.

SOUZA, P. F. Análise da vegetação de um fragmento de caatinga na microbacia do açude jatobá. Patos-PB, 2009. 51 p. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2018.

VASCONCELOS, A. D. M. Caracterização florística e fitossociológica em área de Caatinga para fins de manejo florestal no município de São Francisco-PI. ACSA, v. 13, n. 4, p. 329-337. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v49i0.66455

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009