SISTEMA SÓCIO-ECOLÓGICO DA ILHA SÃO CRISTOVÃO, GALÁPAGOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS PERCEPÇÕES DOS ATORES LOCAIS

Luis Vladimir Mora Andrade, Gerciene de Jesus Miranda Lobato, Peter Mann de Toledo, Ima Célia Guimarães Vieira

Resumo


Galápagos é um arquipélago considerado como um laboratório para o estudo da evolução, o primeiro Parque Nacional do Equador, e é Patrimônio Natural da Humanidade. Entretanto, com a chegada de cerca de 218 mil turistas ao ano, há pressão sobre os frágeis ecossistemas deste arquipélago insular. Esta pesquisa objetivou analisar o Sistema Sócio-Ecológico (SSE) da Ilha São Cristovão a partir das percepções dos habitantes sobre ameaças, mudanças e impactos ocorridos a partir da publicação da Lei Especial de Galápagos em 10 de março de 1998 até 2017. As informações obtidas basearam-se em entrevistas semiestruturadas com 260 moradores. Ademais, aplicaram-se as técnicas exploratórias de análise fatorial de correspondência múltipla “AFCM" para 30 variáveis cuja descrição perpassa os problemas discutidos nas sessões da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). A Ilha São Cristovão apresenta homens (53,46%) e mulheres (46,54%) residindo principalmente em Porto Baquerizo (71,92%); a maioria (60%) proveniente de Galápagos. As correlações da análise estatística evidenciaram uma tendência a respostas positivas, contudo sinalizaram alguns impactos no modo de vida, especialmente relacionado ao aumento do turismo, às espécies introduzidas e à redução da mina, devido a extração de areia, cascalho e pedra para fazer as construções. Diante desse cenário, os atores locais delineiam um sistema com nuances sociais, ambientais e econômicas interligadas, mas conflitantes, necessitando de uma gestão mais eficaz.

Palavras-chave


Conservação da biodiversidade; Sustentabilidade ambiental; Turismo; Equador

Referências


ATHAYDE, S.; BERNASCONI, P.; BARTELS, W. L.; SELUCHINESK, R.; BUSCHBACHER, R. Avaliação da resiliência socioecológica como ferramenta para a gestão da fronteira amazônica: experiências e reflexões. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v.7, n.2, p.14-19, 2016.

BARRIGA, A. M. La contradicción del turismo en la conservación y el desarrollo en Galápagos-Ecuador. Estudios y perspectivas en turismo, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, v.24, n.2, p.399-413, 2015.

BASSETT, C. A. Galapagos at the Crossroards: pirates, biologits, tourists, and creationists battle for Darwin´s cradle of evolution. Washington DC: National Geographic Books, 2009.

BUSCHBACHER, R.; ATHAYDE, S.; BARTELS, W. L.; MELLO, R. Resilience Assessment as a tool for understanding the Amazon frontier as a social-ecological system. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v.7, n.2, p.20-35, 2016.

DPNG, Dirección del Parque Nacional Galápagos. Plan de Manejo Parque Nacional Galápagos. 2005. Puerto Ayora, Galápagos, Ecuador. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/333817633/DPNG-Plan-de-Manejo-Parque-Nacional. Acesso em: 08 out. 2016.

DPNG, Dirección del Parque Nacional Galápagos. Plan de Manejo de las Áreas Protegidas de Galápagos para el Buen Vivir. 2014. Puerto Ayora, Galápagos, Ecuador. Disponível em: http://www.galapagos.gob.ec/wp-content/uploads/downloads/2016/07/DPNG_Plan_de_Manejo_2014.pdf. Acesso em: 01 out. 2016.

GALAPAGOS. Ley de Especial de Galápagos publicado el 18 de marzo de 1998. Quito-Ecuador. nº67, p.32, 1998. Disponível em http://www.ambiente.gob.ec/wp-content/uploads/downloads/2015/02/LEY-ORGANICA-DE-REGIMEN-ESPECIAL-PARA-LA-PROVINCIA-DE-GALAPAGOS.pdf>.Acesso em: 01 out. 2016.

GONZÁLEZ, J.; MONTES, C.; RODRÍGUEZ, J.; TAPIA, W. Rethinking the Galapagos Islands as a complex social-ecological system: implications for conservation and management. Ecology and Society, Nova Scotia, v.13, n.2, p.13-26, 2008.

GRANT, P.; GRANT, R. How and way species multiply. The radiation os darwin finches. Princepton University Press. 2008.

PALOMO, I.; MONTES, C.; MARTÍN-LÓPEZ, B.; GONZÁLEZ, J. A.; GARCÍA-LLORENTE, M.; ALCORLO, P.; MORA, M. R. G. Incorporating the social–ecological approach in protected areas in the Anthropocene. BioScience, Oxford, v.64, n.3, p.181-191, 2014.

SANTOS, G. L.; HAUFF, S. N.; MOTTA, C. L.; LOYOLLA, I. N.; BARBOSA, J. P.; PEQUENO, M. C.; CAMPOS, H. L. Pelos Caminhos de Darwin: um material multimidiático interativo de divulgação científica. Nuevas Ideas en Informática Educativa, Porto Alegre, v.55, n.61, p. 249-260, 2015.

SCATENA, L. M. Ações em educação ambiental: análise multivariada da percepção ambiental de diferentes grupos sociais como instrumentos de apoio à gestão de pequenas bacias - estudo de caso da microbacia do córrego da Capituva, Macedônia, SP. 2005. 262f. Tese (Doutorado em Hidráulica e Saneamento) - Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos.

SECRETARIA NACIONAL DE PLANEJAMENTO. Proyecciones referenciales de población a nivel de cantonal – Parroquial periodo 2010-2020. Disponível em: http://sni.gob.ec/ proyecciones-y-estudios-demograficos). Acesso em: 20 mar. 2017.

SOBREIRO, T. Dinâmica Socioecológica e Resiliência da Pesca Ornamental no Rio Negro, Amazonas, Brasil. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 7, n. 2, p. 118-134, 2016.

TAPIA, W.; GONZÁLEZ NOVOA, J.A.; OSPINA, P.; QUIROGA, D.; RECK, G.; MONTES DEL OLMO, C. Entendiendo Galápagos como un sistema socioecológico complejo: implicaciones para la investigación científica en el archipiélago. 2009. Disponível em: https://repositorio.uam.es/bitstream/handle/10486/3210/23094_cap_tapia.pdf?sequence=1. Acesso em: 01 jan. 2017.

THEOFILOS, T. Volcanica Galápagos Volcanico. Ediecuatorial. Quito. 2011.

WALSH, S.J.; MENA, C.F. Interactions of social, terrestrial, and marine sub-systems in the Galapagos Islands, Ecuador. Proceedings of the National Academy of Sciences, United States of America, v.113, n. 51, p. 14536–14543, 2016.

WALLACE, A. R. On the law which has regulated the introduction of new species. Scientiae Studia, São Paulo, v. 1, n. 4, p. 531-548, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v46i1.57648

Direitos autorais 2019 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009