Open Journal Systems

PERDAS DE CO2 DO SOLO E VARIABILIDADE TEMPORAL DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS NO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO

Kallianna Dantas Araujo, Alberício Pereira de Andrade, Roberto Wagner Cavalcanti Raposo, Paulo Roberto de Oliveira Rosa, Eduardo Pazera Júnior

Resumo


A avaliação do CO2 foi realizada no campo em cinco pontos,com coleta mensal no período diurno (5h às 17h) durante dozemeses. Foram instalados cilindros para a captação do CO2dispostos em blocos casualizados. Os dados meteorológicosforam obtidos da estação digital e o conteúdo de água do soloem estufa retilínea a 105ºC. Na estação chuvosa, quando aradiação e a temperatura diminuem, a taxa de perdas de CO2decresceu. Na seca, o CO2 aumentou com a disponibilidadede água do solo. A taxa de CO2 varia ao longo do dia devidoà radiação e a oscilações da temperatura. Nos meses demaiores precipitações, o aumento ou a diminuição do CO2dependia da radiação. A produção de CO2 foi menor emoutubro, junho e julho, devido à diminuição dos elementossolarimétricos.

Palavras-chave


Clima; CO2; semi-árido; Climate; CO2; semiarid

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, M. Introduction to soil microbiology. 2. ed. New York: John Wiley & Sons, 1997. 467 p.

ARAUJO, K. D. et al. Correlação de perdas de C-CO2com radiação solar e temperatura do solo no semi-árido paraibano. In: SBCS, 30.,2005, Recife. Anais... Recife: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2005. CD-ROM.

BAKKE, I. A. et al. Cinética da respiração edáfica em dois ambientes distintos no semi-árido da Paraíba. In: ENCONTRO NORDESTINO DE BIOGEOGRAFIA – ENB, 2., 2001, Maceió. Anais... Maceió: UFAL, 2001. p. 225-231.

BAYER, C. Manejando os solos agrícolas para alta qualidade em ambientes tropicais e subtropicais. In: FERTBIO, 26., 2004, Lages. Anais... Lages: UDESC e Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2004. CD-ROM.

BLEY JR., C. Erosão Solar: riscos para a agricultura nos trópicos. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 25, p. 24-29, 1999.

CATTELAN, A. J.; VIDOR, C. Flutuações na biomassa, atividade e população microbiana do solo, em função de variações ambientais. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.14, p.133-142, 1990.

DUARTE, J. J. Desertificação do semi-árido paraibano. Conceitos, v. 9, p. 53-60, 2003.

FEIGL, B. J.; STEUDLER, P. A.; CERRI, C. C. Effects of pasture introduction on soil CO2emissions during the dry season in the state of Rondônia, Brazil. Biogeochemistry,v. 31, p. 1-14, 1995.

GRISI, B. M. Método químico de medição de respiração edáfica: alguns aspectos técnicos. Ciência e Cultura, v. 30, p. 82-88, 1978.

LIRA, A. C. S. de. Comparação entre povoamento de eucalipto sob diferentes práticas de manejo e vegetação natural de cerradão, através da respiração, infiltração de água e mesofauna do solo. 1999. 70 p. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

MORITA, T.; ASSUNPçãO, R. M. V. Manual de soluções, reagentes e solventes. São Paulo: E. Blücher, 1972. 629 p.

MATTER, U. F. et al. Avaliação da biomassa microbiana em solo cultivado com três espécies de adubo verde de verão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 27., 1999, Brasília. Anais... Brasília: SBCS, 1999. CD-ROM.

PAUL, E. A.; CLARK, F. E. Soil microbiology and biochemistry. Califórnia: Academic Press, 1996. 340 p.

POGGIANI, F.; RESENDE, G. C.; SUITER FILHO, W. Efeitos do fogo na brotação e crescimento de Eucalyptus grandisapós o corte raso e alterações nas propriedades do solo. IPEF,v. 24, p. 33-41, 1983.

SCHILENTER, R. E.; CLEVE, K. V. Relationships between CO2 evolution from soil, substrate temperature, and substrate moisture in four mature forest types in interior Alaska. Canadian Journal of Forest Research, v. 15, p. 97-106, 1985.

SINGH, J. S.; GUPTA, S. R. Plant decomposition and soil respiration in terrestrial ecosystems. Botan. Rev., n. 43, p. 449-528, 1977.

SOUTO, P. C. Estudo da dinâmica de decomposição de estercos na recuperação de solos degradados no semi-árido paraibano. Dissertação (Mestrado em Manejo de Solo e Água) – Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2002. 110 p.

TEDESCO, J. M.; VOLKWEISS, S. J.; BOHNEN, H. Análises do solo, plantas e outros materiais. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995. p. 188. (Boletim Técnico).

TREVISAN, R.; MATTOS, M. L. T.; HERTER, F. G. Atividade microbiana em argissolo vermelho-amarelo distrófico típico coberto com aveia preta (Avena sp.) no outono, em um pomar de pessegueiro. Científica Rural, v. 7, p. 83-89, 2002.

TSAI, S. M.; CARDOSO, E. J. B. N.; NEVES, M. C. P. Microbiologia do solo. Campinas, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1992. 360 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v13i0.5556