ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA APLICADA AOS ESTUDOS DE VIAS DE TRANSPORTE TERRESTRE

Tony Vinicius Moreira Sampaio, Carlos Henrique Sopchaki

Resumo


Estudos envolvendo geomorfologia são utilizados em diversas áreas, possibilitando o entendimento dos processos ambientais que modelam a superfície da Terra e afetam a segurança e o desenvolvimento humano. A análise geomorfológica é fundamental para o planejamento territorial e ambiental, devendo subsidiar a realização de projetos e obras em qualquer escala espacial de análise. Neste sentido, a análise geomorfológica integra os estudos relativos à caracterização do meio físico no que concerne à vias de transporte terrestre, como rodovias e ferrovias. Destaca-se que a análise geomorfológica é parte obrigatória dos estudos sobre vias de transporte terrestre em território brasileiro, sendo a responsável pela caracterização dos processos, materiais e formas que afetam a segurança destas. Sendo assim, o objetivo deste artigo é propor uma reflexão acerca do potencial da análise geomorfológica aplicada ao planejamento, implantação e recuperação de vias de transporte terrestre de variadas dimensões (centenas de metros a centenas de quilômetros), abordando temas como fontes de dados, inventário de campo, diversidade metodológica, condicionantes para escolha da abordagem metodológica, limitações impostas pela escala, utilização de modelos digitais de representação do relevo e adequação das áreas de influência direta e indireta.


Palavras-chave


geomorfologia; mapeamento geomorfológico; rodovias; ferrovias.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


AUGUSTIN, C. H. R. R. Geoökologische Studien im Südlichen Espinhaço Gebirge bei Gouveia, Minas Gerais, Brasilien unter Besonderer Beucksichtigung der Landschaftsentwicklung. [s.l.] Universidade de Frankfurt -Alemanha, 1995.

ASTER -Advanced Spaceborne Thermal Emission and Reflection Radiometer. Disponível em: . Acesso em: 05 nov 2015.

BELL, F. G. Fundamentals of engineering geology. Elsevier, 2013.

BRASIL. Decreto nº 89.817, de 20 de junho de 1984. Estabelece as instruções reguladoras das normas técnicas da cartografia nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 jun 1984.

BRUNSDEN, D.; DOORNKAMP, J.C.; FOOKES, P. G.; JONES, D. K. C.; KELLY, J. M. H. Large scale geomorphological mapping and highway engineering design. Quarterly Journal of Engineering Geology, v. 8, n. 3, 1975.

BURROUGH, P. A.; MCDONNELL, R. A. Principles of geographical information Systems. Oxford University Press, 1998.

COELHO NETTO, A. L. Análise e Qualificação Sócio-Ambiental do Estado do Rio de Zoneamento Ecológico Econômico: Relatório da etapa V regiões hidrográficas de Macaé e Rio das Ostras (RH-VII), Baixo Paraíba do Sul (RH-IX) e Itapoana (RH-X). Rio de Janeiro: [s.n.], 2008.

CPRM –SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Dignóstico Geoambiental do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: [s.n.], 2000.

DNIT. Glossário de termos técnicos ambientais rodoviários. Rio de Janeiro, 2006.

DNIT. Diretrizes Básicas para Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários -escopos básicos / instruções de serviço. Rio de Janeiro: [s.n.]. Disponível em: . Acesso em 09 jun 2015.

DNIT. Anexo I –Termos de Referência. Disponível em: . Acesso em 05 nov 2015.

DSG -DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO. Especificação técnica para a aquisição de dados geoespaciais vetoriais (ET-ADGV). Versão 2.1.3, 2011.

DSG -DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO. Especificação técnica para controle de qualidade de dados geoespaciais (ET-CQDG). 1ª ed., 2016.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Centro Nacional de Pesquisa de Solos: Rio de Janeiro, 2013.FOTO JORNALISMO CURITIBA. A BR-277 como você nunca viu. Disponível em: . Acesso em 05 nov 2015.

GOODCHILD, M. F. A spatial analytical perspective on geographical information systems. International journal of geographical information system, v. 1, n. 4, p. 327-334, 1987.

HEARN, G. J. Engineering geomorphology for road design in unstable mountainous areas: lessons learnt after 25 years in Nepal. Quarterly journalof engineering geology and hydrogeology, v. 35, n. 2, p. 143-154, 2002.

IBAMA. Portaria nº 420, de 26 de outubro de 2011. Dispõe sobre procedimentos a serem aplicados pelo IBAMA na regularização e no licenciamento ambiental das rodovias federais. Brasília, DF, 26 out 2011.

IBGE. Manual técnico de geomorfologia. Rio de Janeiro : IBGE, 2005.INEA –INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE. INSTRUÇÃO TÉCNICA CEAM/DILAM Nº 03/2015. Disponível em: . Acesso em 08 jun 2015.

LATRUBESSE, E. M.; CARVALHO, T. M.; STEVAUX, J. C. Mapa Geomorfológico do Estado de Goiás. Série Geologia e Mineração. Secretaria de Indústria e Comércio, Superintendência de Geologia e Mineração-Goiás. Goiânia, 2005.

MEDEIROS, J. S. de; CÂMARA, G. Geoprocessamento para projetos ambientais. INPE, São José dos Campos –SP, 2001.

OIKOS. Estudo de Impacto Ambiental (EIA) das Obras de Implantação da Ferrovia Oeste-Leste (EF 334), entre Figueirópolis (TO) e Ilhéus (BA). Rio de Janeiro: [s.n.], 2010.

PINTO, R. C.; CANEPARO, S. C.; PASSOS, E. Avaliação Multicritério integrada aos Sistemas de Informações Geográficas para geração de cenário de suscetibilidade a deslizamentos rápidos em vertentes. Atas das I Jornadas Lusófonas de Ciências e Tecnologias de Informação Geográfica. Universidade de Coimbra, 2015.

RADAMBRASIL. Projeto RadamBrasil 1973-1983. Levantamento de Recursos Naturais. Ministério das Minas e Energia.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia-USP, n. 6, p. 17–29, 1992.

ROSS, J. L. S. Análises e sínteses na abordagem geográfica da pesquisa para o planejamento ambiental. Revista do Departamento de Geografia (USP), v. 9, p. 65–75, 1995.

SAMPAIO, T. V. M.; AUGUSTIN, C. H. R. R. Análise das incongruências dos índices de dissecação e rugosidade. Anais do VII Encontro Nacional de Geomorfologia. Anais...Belo Horizonte: 2008.

SAMPAIO, T. V. M.; AUGUSTIN, C. H. R. R. Índice de concentração da rugosidade : uma nova proposta metodológica para o mapeamento e quantificação da dissecação do relevo como subsídio a cartografia geomorfológica. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 15, p. 47–60, 2014.

SILVA, L. A.; NAZARENO, N. R. X. de. Análise do padrão de exatidão cartográfica da imagem do Google Earth tendo como área de estudo a imagem da cidade de Goiânia. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), v. 14, p. 1723-1730, 2009.

SOPCHAKI, C. H. Influência do N amostral e das características do relevo na qualidade de modelos digitais do terreno. Tese (doutorado) -Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Terra, Programa de Pós-Graduação em Geografia. 161 f. Curitiba, 2016.

SRTM -Shuttle Radar Topography Mission, 2008. Disponível em: . Acesso em 05 nov 2015.

TOPODATA. Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil. INPE, 2008. Disponível em: . Acesso em 05 nov 2015.ZUQUETTE, L. V.;GANDOLFI, N. Cartografia geotécnica. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v41i0.51895

Direitos autorais 2017 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009