Open Journal Systems

ÁREAS PROTEGIDAS E POPULAÇÕES TRADICIONAIS NA FRONTEIRA BRASIL/BOLIVIA

André Luiz Siqueira, Aguinaldo Silva, Beatriz Lima de Paula Silva

Resumo


RESUMO

Desde a implantação dos primeiros modelos de Parques Nacionais importados ao Brasil na década de 30, sob o olhar da “natureza selvagem”, conflitos ambientais e sociais se tornaram recorrentes em todo o país. Este trabalho demonstra por meio de revisão bibliográfica, trabalho de campo e observação participante que a comunidade da Barra do São Lourenço, localizada na fronteira oeste do Pantanal, sofreu diferentes impactos negativos de ordem social, político e cultural com o processo de implantação de unidades de conservação. E que áreas protegidas expõem processos como ausência de governança do estado, gestão territorial, equívocos jurídicos e técnicos em nome da proteção da biodiversidade no Pantanal, onde, a atuação de importantes instituições de defesa das populações tradicionais, provocando o diálogo de forma participativa e democrática no reconhecimento e legitimidade da comunidade demonstra um importante elemento para a conservação da biodiversidade do patrimônio cultural e histórico.


Palavras-chave


Comunidade, gestão territorial, conservação, conflitos, Pantanal.



DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v45i1.50559