EXPANSÃO URBANA E FATORES DE RISCO À INUNDAÇÃO EM BOA VISTA – RR

Antônio Carlos Ribeiro Araújo Júnior, Stélio Soares Tavares Júnior

Resumo


A região amazônica abriga a maior reserva de biodiversidade do planeta, todavia sua urbanização é muitas vezes mascarada por essa grandiosidade biológica. Neste contexto, discutir as inundações se torna pertinente, pois se trata de dinâmica natural presente na dinâmica da sociedade, sendo presentes e constantes na região amazônica, causando muitos transtornos, principalmente à população urbana. Assim, este manuscrito destaca ser necessário integrar variáveis físicas e sociais para avaliar processos relacionados a inundações no espaço urbano de forma a melhor planejar e gerir riscos à inundação na cidade de Boa Vista, Roraima, Amazônia setentrional, Brasil. Geoprocessamento foi utilizado para avaliar variáveis físicas relacionadas às inundações na cidade e por meio de levantamento documental foi avaliado como instrumentos responsáveis pela implantação de políticas públicas utilizam estas variáveis e as relacionam com variáveis sociais ligadas ao uso e ocupação espacial. Os resultados mostram que a integração de variáveis físicas as variáveis sociais ajudam a melhor ordenar o espaço urbano de maneira a evitar impactos relacionados à inundação. Para tanto, torna-se necessária esta integração nas políticas públicas relacionadas aos riscos à inundação, as quais são recorrentes na Amazônia.


Palavras-chave


Geoprocessamento; Espaço urbano; Avaliação ambiental

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


AB’SÁBER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ALBANO, R.; SOLE, A.; ADAMOWSKI, J.; MANCUSI, L. A GIS-based model to estimate flood consequences and the degree of accessibility and operability of strategic emergency response structures in urban areas. Nat. Hazards Earth Syst. Sci., n. 11, v. 14, 2847–2865, 2014.

ALFIERI, L.; PAPPENBERGER, F.; WETTERHALL, F.The extreme runoff index for flood early warning in Europe.Nat. Hazards Earth Syst. Sci., n. 6, v. 14, 1505–1515, 2014.

ARAÚJO JÚNIOR, A. C. R. Uso do solo e risco à inundação na cidade de Boa Vista-RR. 140 f. Dissertação (mestrado) Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, 2016.

ARGHIU, V.; OZUNU, A.; SAMARA, I.; ROSIAN, G. Results of the post flash-flood disaster investigations in the Transylvanian Depression (Romania) during the last decade (2001–2010).Nat. Hazards Earth Syst. Sci., n. 3, v. 14, 535–544, 2014.

BESERRA NETA, L. C.; TAVARES JÚNIOR, S. S. Geomorfologia do estado de Roraima por imagens de sensores remotos. In: SILVA, P. R. F.; OLIVEIRA, R. S (Org.). Roraima 20 anos: as geografias de um novo estado. Boa Vista: Editora da UFRR, 2008. p. 168-193.

BOA VISTA. Lei n. 924, de 28 de novembro de 2006. Dispõe sobre o plano diretor estratégico e participativo de boa vista e dá outras providências. Diário Oficial do Município de Boa Vista, RR, 30 out. 2006.

______. Lei nº 244, de 06 de setembro de 1991. Dispõe sobre a promoção do desenvolvimento urbano, zoneamento, uso e ocupação do solo, sistema viário, parcelamento do solo e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 06 set. 1991.

BRAGA, R. Política urbana e gestão ambiental: considerações sobre o plano diretor e o zoneamento urbano. In: CARVALHO, P. F.; BRAGA, R. (Org.) Perspectivas de Gestão Ambiental em Cidades Médias. Rio Claro: LPM-UNESP, 2001. p. 95-109.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012.Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 28 maio 2012.

______. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa Geomorfológico do Estado de Roraima. Rio de Janeiro. Digeo. 2005.

______. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Estatuto da Cidade e Legislação Correlata. 2. ed., atual. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2002. 80 p.

______. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 18 de julho de 2000.

______. Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo código florestal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 15 setembro 1965.

______. Lei nº 244, de 06 de setembro de 1991. Dispõe sobre a promoção do desenvolvimento urbano, zoneamento, uso e ocupação do solo, sistema viário, parcelamento do solo e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 06 set. 1991.

BROWN, E. H. O homem modela a Terra. Boletim Geográfico, ano 30, n. 222, p. 3-18, 1971.

BRÜSEKE, F. J. Risco social, risco ambiental, risco individual.Ambiente & Sociedade. Campinas, v. 1, n. 1, p. 117-134. 1997

CAMARGO, L. H. R. Geografia, Epistemologia e Método da Complexidade.Revista Sociedade e Natureza, Uberlândia,v.14,n.26, p. 133-150, 2003.

COSTA, J. A. V.; COSTA, N. S. R.; REIS NETO, R. P. A. Indícios de drenagem urbana rumo à extinção: o caso dos igarapés da grande Boa Vista. Textos & Debates, n. 07, v. 1., p. 64-70, 2004.

DAGNINO, R. de S.; CARPI JÚNIOR, S. Risco ambiental: conceitos e aplicações. Climatologia e Estudos da Paisagem. Rio Claro, v. 2, n. 2, p. 50-87, 2007.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Súmula da 10. Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro. (Embrapa - SNLCS. Micelânea, 1), 1979. 83p.

ELORZA, M. G. El papel delhombre em lacreación y destruccióndelrelieve. Revista R. Acad. Cienc. Exac. Fís. Nat. (Esp.), vol. 101, nº. 1, p. 211-216, 2007.

FELDS, E. Geomorfologia Antropogenética. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, v. 16, nº. 144, p. 352-357, 1958.

FUJIMOTO, N. S. V. M. Considerações sobre o ambiente urbano: um estudo com ênfase na geomorfologia urbana. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n.º 16, p. 76-80, 2005.

GOMES, O. Direitos Reais. Rio de Janeiro: Forense, 2008. 462 p.

GUERRA, A. J. T. (Org.). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Org.). Impactos ambientais urbanos no Brasil. 9ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

GUERRA. A. T.; GUERRA. A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Editora: Bertrand Brasil, 2009.

GUERRA. A. J. T.; MARÇAL, M. S. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HOGAN, D. J.;CUNHA, J. M. P.; CARMO, R. L.; OLIVEIRA, A. Urbanização e vulnerabilidade socioambiental: o caso de Campinas. In: Hogan, D.; BEANINGER, R.; CUNHA, J. M. P.; CARMO, R. L. (Org.). Migração e ambiente nas aglomerações urbanas. Campinas: NEPO Unicamp, p. 396 – 418, 2001.

MARANDOLA JÚNIOR, E.; HOGAN, D. J. Natural hazards: o estudo geográfico dos riscos e perigos. Ambiente & Sociedade – Vol. VII nº. 2 jul./dez. 2004.

_______. Vulnerabilidades e riscos: entre geografia e demografia. Rev. bras. Est. Pop., São Paulo, v. 22, n. 1, p. 29-53, jan./jun. 2005.

MOUDON, A. V. Urban morphology as an emerging interdisciplinary field.Urban Morphology, v. 1, p. 3-10, 1997.

PAPAGIANNAKI, K.; LAGOUVARDOS, K.; KOTRONI, V.; BEZES, A. Flash flood occurrence and relation to the rainfall hazard in a highly urbanized area.Nat. Hazards Earth Syst. Sci., n. 8, v. 15, 1859–1871, 2015.

PELOGGIA, A. U. G. A cidade, as vertentes e as várzeas: a transformação do relevo pela ação do homem no município de São Paulo. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, n.º 16, p. 24-31, 2005.

PENTEADO, M. M. Fundamentos de Geomorfologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1980.

RODRIGUES, C. Morfologia original e morfologia antropogênica na definição de unidades espaciais de planejamento urbano: exemplo na metrópole paulista. Revista do Departamento de Geografia, nº 17, p. 101-111, 2005.

RODRIGUEZ, J. M. M; SILVA, E. V. Desenvolvimento local sustentável: Projeto de Educação Ambiental integrado em uma Favela. Primeiro Prêmio Petrobrás. Universidade Solidária: Fortaleza – CE, 2001.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais antropizados.Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, FFLCH-USP, n.º 8, p. 63-74, 1994.

______. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, FFLCH-USP, n.º 6, p.17-29, 1992.

ROSSATO, M. S.; SUERTEGARAY, D. M. Repensando o tempo da natureza em transformação. Ágora (UNISC), Santa Cruz, v. 6, nº 2, p. 93-98, 2000.

SANDER, C.; WANKLER, F. L.; EVANGELISTA, R. A. O.; SANTOS, M. L.; FERNANDEZ, O. V. Q. ACTA Geográfica, Boa Vista, v.6, n.12, mai./ago., p. 59-84. 2012.

SANTOS, F. A. A. dos. Alagamento e inundação urbana: modelo experimental de avaliação de risco. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Museu Paraense Emilio Goeldi e EMBRAPA, Belém, 2010.

SAYAMA, T.; TATEBE, Y.; IWAMI, Y.; TANAKA, S. Hydrologic sensitivity of flood runoff and inundation: 2011 Thailand floods in the Chao Phraya River basin. Nat. Hazards Earth Syst. Sci., n. 7, v. 15, 1617–1630, 2015.

SCHUSSEL, Z. G. L. O desenvolvimento urbano sustentável – uma utopia possível? Desenvolvimento e MeioAmbiente, n. 9, p. 57-67, jan./jun. 2004.

TSAKIRIS, G. Flood risk assessment: concepts, modelling, applications. Nat. Hazards Earth Syst. Sci., n. 5, v. 14, 1361–1369, 2014.

VEYRET, Y. (Org.)Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007.

WAGNER, P. L. El uso humano de La tierra. ColeccionNuevo urbanismo, Instituto de Estudios de Administracion Local: Madrid, 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v44i0.49680

Direitos autorais 2018 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009