Open Journal Systems

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS COLETAS, ESTUDOS E PUBLICAÇÕES ACADÊMICAS SOBRE NOVE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PARA O CONTROLE DE DIABETES EM MATO GROSSO

Isabela Silva Matos, Arno Rieder

Resumo


O diabetes é uma síndrome metabólica que afeta parte da população. Plantas medicinais são formas alternativas terápicas no seu controle. Resultados de estudos com plantas medicinais geralmente estão dispersos espacialmente. Objetivou-se mostrar a distribuição geográfica de coletas, estudos e publicações de nove plantas medicinais utilizadas no controle de diabetes em Mato Grosso. As fontes se deram através do Google Acadêmico, aplicando quatro modalidades de busca (M3, M4, M5 e M6) e seis variantes. Aproveitou-se 136 textos cujos dados foram lançados em um banco eletrônico. Os continentes que mais contribuíram com coletas foram: Americano (31,61%), Asiático (30,14%) e Africano (23,52%) e países como Brasil (26,49%), Índia e Nigéria com 29 coletas cada (24,78%). Os continentes e países dos locais de estudos seguem a mesma ordem dos de coleta, respectivamente: (36,28%), (35,39%) e (27,43%); (25,66%), (28=24,77% x 2). As publicações frequentemente estavam na América (46,46%), Ásia (28,28%) e Europa (13,13%) e em países como Brasil (25,25%), Índia (23,23%) e Estados Unidos (10,10%). Conclui-se que, os locais de coleta distribuem-se diferentemente entre quatro continentes, 18 países e entre vários estados e cidades, assim como os estudos, com locais de sua realização. As publicações, migram dos países de estudo para países desenvolvidos. 


Palavras-chave


Espécies; Síndrome Metabólica; Geografia

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


BADKE, M. R. Conhecimento popular sobre o uso de plantas medicinais e o cuidado de enfermagem, 2008. Tese (Mestrado em Enfermagem) – Programa de pós-graduação em enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 26, de 13 de maio de 2014. Diário Oficial da União. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 64 p. il. – (Cadernos de Atenção Básica, n. 16) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 136 p.: il. – (Série C. Projetos, Programas e Relatórios).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 156 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica; n. 31).

CALIXTO, J. B. Efficacy, safety, quality control, marketing and regulatory guidelines for herbal medicines (phytotherapeutic agents). Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 33, n.2, p. 179-189, 2000.

CALIXTO, J. B. Twenty-five years of research on medicinal plants in Latin America: a personal view. Journal of ethnopharmacology, v. 100, n. 1, p. 131-134, 2005.

CONTINI, E.; SÉCHET, P. Ainda há um longo caminho para a ciência e tecnologia no Brasil. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 2, n. 3, p. 30-39, 2011.

DANTAS, J. L. L.; SOUZA, J, S.; PINTO, R. M. S.; LIMA, J. F. Variabilidade genética e melhoramento do mamoeiro. Recursos Genéticos e Melhoramento de Plantas para o Nordeste Brasileiro (online). Versão, v. 1, 1999.

DA SILVA, S. C. S.; MAMEDE, M. E.; VIANA, E. S.; DRUZIAN, J. I. Mapeamento tecnológico para projeto de pesquisa de mamão desidratado com adição de frutooligossacarídeo entre 1983 e 2012. Anais do Simpósio Internacional de Inovação Tecnológica-SIMTEC, v. 1, n. 1, p. 796-809, 2013. (A)

DA SILVA, M. M.; BUDÓ, M. L. D.; SIMON, B. S.; ROSSO, L. F. Tendência da produção científica sobre diabetes mellitus nas teses e dissertações da enfermagem brasileira. Saúde (Santa Maria), v. 39, n. 1, p. 21-31, 2013. (B)

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD): 2013-2014/Sociedade Brasileira de Diabetes; [organização José Egidio Paulo de Oliveira, Sérgio Vencio]. – São Paulo: AC Farmacêutica, 2014.

GUARIM NETO, G.; MORAIS, R. G. Recursos medicinais de espécies do cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Acta Botanica Brasílica, v. 17, n. 4, p. 561-584, 2003.

GUIMARÃES, J. A. A pesquisa médica e biomédica no Brasil: comparações com o desempenho científico brasileiro e mundial. Ciências e saúde coletiva, v. 9, n. 2, p. 303-327, 2004.

GUIMARÃES, R. Pesquisa em saúde no Brasil: contexto e desafios. Revista de Saúde Pública, v. 40, n. Esp, p. 3-10, 2006.

MACIEL, M. A. M.; PINTO, A. C.; VEIGA JUNIOR, V.F. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MEDEIROS, B. J. L. Estudo pré-clínico do Extrato Hidroetanólico de Calophyllum brasiliense Cambess.: atividades hipoglicemiante e toxidade, 2014. Tese (Mestrado em Ciências da Saúde) – Departamento de Pesquisa e pós-graduação em Ciências da Saúde, Universidade Federal do Amapá, Amapá, 2014. Documento eletrônico.

MOTTA, J. M. C.; BARROS, N. F.; CASTELLANOS, M. E. P.; ALEGRE, S. M.; TOVEY, P.; BROOM, A. Medicina alternativa e complementar e diabetes mellitus: uma articulação a ser estudada. Brasília Médica, vol. 1, n. 46, p. 36-45, 2009.

NEGRI, G. Diabetes melito: plantas e princípios ativos naturais hipoglicemiantes. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 41, n. 2, p. 121-142, 2005.

PEREIRA, S. C. G. Plantas medicinais e medicamentos à base de plantas na terapêutica da diabetes, 2012. Tese (Mestrado integrado em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2012. Documento eletrônico.

REZENDE, H.A.; COCCO, M.I.M. A utilização de fitoterapia no cotidiano de uma população rural. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 3, n. 36 p. 282-288, 2002.

RIEDER, A.; GUARIM NETO, G. Saúde e Ambiente: Plantas medicinais utilizadas para controle de diabetes em Mato Grosso, Brasil. Cáceres: UNEMAT Editora, 2012.

RIEDER, A.; RODRIGUES, F. A. C. Recuperação e filtragem de textos sobre saúde e ambiente através de mecanismos de busca na internet. Cáceres: UNEMAT, p. 1-25, 2012. (Artigo submetido à revista Informação & Sociedade em 2014).

SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P. A pesquisa e a produção brasileira de medicamentos a partir de plantas medicinais: a necessária interação da indústria com a academia. Revista brasileira de farmacognosia, v. 12, n. 1, p. 35-40, 2002.

VEIGA JUNIOR, V. F. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista brasileira de farmacognosia, v. 18, n. 2, p. 308-13, 2008.

VOLPATO, G. T.; DAMASCENO, D. C.; CALDERON, I. M. P.; RUDGE, M. V. C. Revisão de plantas brasileiras com comprovado efeito hipoglicemiante no controle do Diabetes mellitus. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 4, n. 2, p. 35-45, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v40i0.45255