A DESIGUALDADE AMBIENTAL EM RIO DAS OSTRAS-RJ, BRASIL

Juliana Higa Bellini, Ítalo Itamar Caixeiro Stephan, José Marinaldo Gleriani

Resumo


Este artigo analisou a desigualdade ambiental em Rio das Ostras-RJ por meio do mapeamento das condições adequadas de habitação, baseada nos índices de abastecimento de água, de esgotamento sanitário, de alfabetização, de renda, de disposição do lixo e de presença de vegetação, oriundos do Censo IBGE de 2010 e de imagens de satélite Cbers-2b e Landsat-5, de 2008. Os índices foram ponderados pelo método Analitic Hierarchy Process e agregados no software ArcGis 10.0, construindo o índice de desigualdade ambiental. O município de Rio das Ostras foi selecionado por apresentar um elevado crescimento populacional entre 2000 e 2010, seguido de um significativo crescimento econômico derivado da exploração de petróleo e gás na Bacia de Campos. Nesse sentido, tornou-se importante verificar se o crescimento populacional e econômico vinha acompanhando de condições de habitação adequadas para toda a população. O resultado expôs a presença de desigualdade ambiental em Rio das Ostras, afetando principalmente a população de menor renda, com maiores porcentagens de analfabetos e localizados no limite da área urbanizada e na área rural, cujas áreas apresentaram deficiência na oferta de serviços e infraestrutura. Concluiu-se que a distribuição condições adequadas de habitação avaliada por este trabalho não é homogênea e segue a lógica de valorização da terra urbana para o processo de especulação imobiliária em Rio das Ostras. A presença da desigualdade ambiental também representa dificuldades na garantia da sustentabilidade urbana, com diversas áreas desprovidas de condições de habitação em que, por isso, acabam por impactar o meio ambiente.


Palavras-chave


Geografia; Planejamento urbano; Espaço geográfico

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ACSELRAD, H. (Org.). A Duração das cidades. Sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. 2. Ed., Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

ALVES, H. P. da F. Desigualdade ambiental no município de São Paulo: análise da exposição diferenciada de grupos sociais a situações de risco ambiental através do uso de metodologias de geoprocessamento. Revista Brasileira de Estudos da População, São Paulo, v.24, n.2, p. 301-316, jul./dez., 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS –ANP. Boletim da produção de petróleo e gás natural. Abril, 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2015.BRAUBACH, M. Benefits of environmental inequality assessments for action. Journal Epidemiol Community Health, Londres, v.67, n.8, p. 625-628, 2013.

CÂMARA, G.;DAVIS, C.; MONTEIRO, A. M. V. Introdução à ciência da geoinformação. São José dos Campos: INPE, 2001. Disponível em: Acesso em: 04 abr. 2013.

CARVALHO, T. C. C., AMORIM, J. D. de.; GUIMARÃES JUNIOR, W.Repercussões da exploração petrolífera sobre as transformações urbanas de Macaé (RJ). In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 15., 2011, Rio de Janeiro:UFRJ/IPPUR, maio, 2011, p. 6-22.

COLETIVO BRASILEIRO DE PESQUISADORES DA DESIGUALDADE AMBIENTAL. Desigualdadeambiental e acumulação por espoliação: o que está em jogo na questão ambiental? E-cadernos CES, Rio de Janeiro, n.17, p. 164-183, 2012. Disponível em: . Acessoem:23 out. 2014.

GOLDANI, M. Z.; BARBIERI, M.A.; BETTIOL, H.; BARBIERI, M. R.; TOMKINS, A.Infant mortality rates according to socioeconomic status in a Brazilian city. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.35, n.3, p. 256-261, 2001.

GOMES, M. L. M. Núcleo urbano de Rio das Ostras: elementos definidores da ocupação e os impactos ambientais. 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) –Departamento de Engenharia Ambiental, Instituto Federal Fluminense, Campos dos Goytacazes-RJ.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA –IBGE. Sinopse Preliminar do Censo Demográfico 2000. Vol. 7, Rio de Janeiro: IBGE, 2000. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA –IBGE. Censo Demográfico 2010. IBGE: 2010. Disponível em:. Acesso em: 22 jan. 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA –IBGE. Brasil em números, v.21. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

MALAGODI, M. A. S. Geografias do dissenso: sobre conflitos, justiça ambiental e cartografia social no Brasil. Espaço e Economia [online], ano 1, n.1, p. 2-11, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2014.

MORATO, R. G.; KAWAKUBO, F. S. Análise espacial da desigualdade ambiental na subprefeitura do Butantã, São Paulo-SP. HYGEIA, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v.3, n.4, p. 66-73, junho, 2007.

MORATO, R. G. Análise espacial e desigualdade ambiental no município de São Paulo. 2008. Tese (Doutorado em Geografia Humana) –Departamento de Geografia,Universidade de São Paulo, São Paulo-SP.

MOREIRA JUNIOR, O. Segregação urbana em cidades pequenas: algumas considerações a partir das escalas intra e interurbana. Revista RA ́E GA, Editora UFPR, Curitiba, n. 20, p. 133-142, 2010.

PEDLOWSKI, M. A., SILVA, V. A. C. da; ADELL, J. J. C.; HEYNEN, N. C. Urban forest and environmental inequality in Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brazil. Urban Ecossystems, Netherlands, n. 6, p.9-20, 2002.

PELLOW, D. Environmental Inequality Formation: Toward a Theory of environmental injustice. American Behavioral Scientist,Arizona,n.43, p. 581-601, 2000.

RAMOS, F. R.; CÂMARA, G.; MONTEIRO, A. M. V.Territórios digitais urbanos.In: ALMEIDA, C. M. de; CÂMARA, G.; MONTEIRO, A. M. V. (Orgs.). Geoinformação em urbanismo: cidade real x cidade virtual. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.Cap. 2, p. 34-53.

RIO DAS OSTRAS. Lei Complementar nº004/2006. Dispõe sobre Plano Diretor, o sistema e o processo de planejamento e gestão do desenvolvimento urbano no município de Rio das Ostras. 10 de outubro de 2006. Disponível em: . Acesso em: nov. 2012.

RODRIGUES, A. M. Os geógrafos na luta pela cidade com direito. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v.3, n.1, p. 7-20, 2013.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

SILVA, J. B. da; BARROS, M. B. A. Epidemiologia e desigualdade: notas sobre a teoria e a história. Rev. Panam. Salud Publica/Pan Am. J Public Health,Washington DC,v.12, n.6, p. 375-383, 2002.

TEIXEIRA, J. C.; HELLER, L. Modelo de priorização de investimentos em saneamento com ênfase em indicadores de saúde: desenvolvimento e aplicação em uma companhia estadual. Artigo técnico-Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v.6, n.3, p. 138-146, 2001.

TORRES, H. da G. Desigualdade ambiental na cidade de São Paulo. 1997. Tese(Doutorado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas) –Departamento de Geografia,Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP.

TORRES, H. da G.; GOMES, S. Desigualdade educacional e segregação social na região metropolitana de São Paulo. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n.64, p. 132-140, 2002.

TORRES, H. da G.; MARQUES, E.; FERREIRA, M. P.; BITAR, S.Pobreza e espaço: padrões de segregação em São Paulo. Estudos Avançados, São Paulo, v.47, n.17, p. 97-128, 2003.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, FAPESP, Lincoln Institute, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v38i0.42051

Direitos autorais 2016 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009