SENSAÇÕES CORPÓREO-ESPACIAIS E A FAZEDURA DE “MAPAS SENSACIONAIS”: um relato de experiência

Danilo Stank Ribeiro

Resumo


O presente texto aborda alguns desdobramentos e reflexões acerca de práticas desenvolvidas na oficina Geografia Experimental do Corpo, – cujo intuito é propiciar ao participante um percurso sensório – espacial sem o uso da visão. Com isso visa-se produzir e discutir “mapas sensacionais” a partir desse percurso. Tal oficina teve início em de práticas relacionadas à iniciação cartografia com turmas do 5º ano do fundamental de uma escola estadual localizada no município de Florianópolis – SC, alcançando outras dimensões fora da escola. Com base no material produzido nessa oficina discorre-se sobre as suas possibilidades e limitações, bem como brevemente, seus processos de formação e evolução. Partindo desse contexto de formação e prática em educação, busca-se pensar sobre dois pontos que se sobressaem no processo da oficina: a questão da relação do visível (olhar) e do corpo com espaço; e as cartografias oriundas dessa relação, em um contexto de experiência em educação na área de Geografia. Em paralelo a essas reflexões, analisa-se essa proposta de oficina considerando-a como uma ferramenta prática que tenta fazer com que algo nos passe, buscando uma aproximação ao conceito de experiência em Jorge Larrosa, e que se relaciona com um modo de fazer e pensar cartografia.

Palavras-chave


Oficina geográfica; educação geográfica; experiência; cartografia; corpo.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ALVES, Rubem. O retorno e terno. Campinas, SP: Papirus, 1992.

BEY, Hakin. TAZ: Zona autônoma temporária. Tradução de Renato Rezende. –2. ed. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

BOSI, Alfredo. Fenomenologia do olhar. In: NOVAES, Adauto(Org.)O olhar. São Paulo, Companhia das Letras, 1988,p. 65-87.

CORREA, Guilherme C. Oficina –novos territórios em educação. In: PEY, Maria Oly (Org.). Pedagogia libertária: experiências hoje. Rio de Janeiro: Imaginário, 2000, p.77-162.

GODOY, Ana. Mídia, Imagens, Espaço: notas sobre uma poética e uma política como dramatização geográfica. In: CAZETTA, Valéria; OLIVEIRA JR., Wenceslao (Orgs.). Grafias do espaço: imagens na educação geográfica contemporânea.Campinas, SP: Alínea, 2013,p. 209-222.

_______, Ana, Ferraz, Joana, Ferreira, Juliana, Belchior, Jussara.Experimentações estético-políticas: do corpo condenado ao corpo liberado,a vida como matéria ética. Revista Eletrônica Alegrar, n. 4, 2007. Disponível em: http://www.alegrar.com.br/04/textos_A_04/05_materia.pdf. Acesso em: 01 jan. 2014.

HAESBAERT, Rogério. Apresentação á ediçãobrasileira. In: MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução Hilda Pareto Maciel, Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009, p.9-13.

KASTRUP, Virginia, BARROS, Laura Pozzana. Cartografar é acompanhar processos. In: Eduardo Passos, Virgínia Kastrup e Liliana da Escóssia (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade.Porto Alegre: Sulina, 2010,p. 52-75.

LARROSA, Jorge Bondía. Notas sobre a experiência e o poder da experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi.Rev. Brasileira de Educação. n.19, p. 20-28, 2002.

MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução Hilda Pareto Maciel, Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

PEIXOTO, Nelson B. O olhar do estrangeiro. In: NOVAES, Adauto. (Org.)O olhar. São Paulo, Companhia das Letras, 1988. p. 361-365.

PREVE, Ana Maria Hoepers. Perder-se: experiência e aprendizagem. In: CAZETTA, Valéria; OLIVEIRA JR., Wenceslao (Orgs.). Grafias do espaço: imagens na educação geográfica contemporânea.Campinas, SP: Alínea, 2013, p.257-277.

RIBEIRO, Danilo Stank, DESIDERIORaphaela, PREVE, Ana Maria Hoepers. Geografia experimental do corpo ou de como se chega a dizer outra coisa da geografia, daterra, do mundo... In: V SEMINÁRIO CONEXÕES–DELEUZE E TERRITÓRIO E FUGAS E... XII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA–NIETZSCHE/DELEUZE, 2013a, Campinas -SP

______. Geografia Experimental do Corpo: Uma proposta para uma iniciação cartográfica. In: ENCONTRO DE PRÁTICAS DE ENSINO DE GEOGRAFIA DAREGIÃO,ENSINO DE GEOGRAFIA NO CONTEMPORÂNEO: METODOLOGIAS VIVÊNCIAS ESCOLARES, 1, 2013, Porto Alegre. Anais...Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013b. p.440 –450. Disponível em: http://enpegsul.wix.com/enpegsul#!apresentaes-de-trabalho/c1ajm

ROLNIK, Suely. Pensamento, corpo e devir –uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico.Caderno de Subjetividade, PUC-SP,v.1, n.2, p. 241-251, 1993.

______. Cartografía sentimental: transformações contemporáneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2007.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980. _____. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo: DIEFEL, 1983.

UNO, Kuniichi. Corpo-gênese ou tempo-catástrofe. Caderno de Subjetividade, PUC-SP,v.12, p. 37-46, 2010.

WOOD, Denis. Dogma visualizado. Estado-nação, Terra, Rios. In. CAZETTA, Valéria; OLIVEIRA JR., Wenceslao M. (Orgs.). Grafias do espaço: imagens da educação geográfica contemporânea. Campinas, SP: Alínea, 2013, p. 23-51.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v30i0.36090

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009